O sucesso da Coreia do Sul a controlar a Covid-19 vem com um custo

O intenso controlo da população limita a privacidade dos sul-coreanos, mas tem sido parte crucial do sucesso da Coreia do Sul no combate ao surto do novo coronavírus.

A Coreia do Sul tem sido amplamente elogiada pela sua gestão do surto e disseminação da doença de coronavírus Covid-19. O foco tem sido em grande parte o enorme programa de teste de vírus do país.

O que não foi tão amplamente divulgado é o uso intenso da tecnologia de vigilância no país, principalmente o CCTV e o rastreamento do uso de cartões bancários e telemóveis, para identificar quem deve ser testado. E essa é uma lição importante para países mais liberais que podem ser menos tolerantes a essas medidas de invasão de privacidade, mas esperam imitar o sucesso da Coreia do Sul.

Embora Taiwan e Singapura tenham-se destacado em conter o coronavírus, a Coreia do Sul e a China fornecem os melhores modelos para interromper surtos quando um grande número de pessoas foi infetado. A China colocou em quarentena pacientes confirmados e em potencial e restringiu os movimentos dos cidadãos, bem como as viagens internacionais.

Mas a Coreia do Sul alcançou um nível semelhante de controlo e uma baixa taxa de mortalidade (atualmente 1%) sem recorrer a medidas autoritárias. Isto certamente parece o padrão para as nações democráticas liberais.

A parte mais conspícua da estratégia sul-coreana é bastante simples: testar, testar e testar um pouco mais. O país aprendeu com o surto de MERS em 2015 e reorganizou o seu sistema de controlo de doenças. Possui um bom sistema de assistência médica de grande capacidade e uma sofisticada indústria de biotecnologia que pode produzir kits de teste rapidamente.

Estes fatores permitem que o país realize 15.000 testes por dia, ficando apenas atrás da China em números absolutos e terceiro no mundo em testes por pessoa. Mas como a Covid-19 é uma doença leve para a maioria das pessoas, apenas uma pequena fração dos pacientes costuma entrar em contacto com as autoridades de saúde para realizar testes com base nos seus sintomas ou no contacto conhecido com pessoas infetadas. Muitos pacientes com sintomas leves, principalmente os mais jovens, não percebem que estão doentes e a infetar outros.

Se estes pacientes não puderem ser encontrados, a capacidade de realizar testes não significa muito. É aqui que entra a infraestrutura da cidade inteligente. O objetivo é descobrir onde estão os pacientes conhecidos e testar qualquer pessoa que possa ter entrado em contacto com eles. Existem três maneiras principais de rastrear as pessoas.

Primeiro, cartões de crédito e débito. A Coreia do Sul tem a maior proporção de transações sem dinheiro no mundo. Ao rastrear transações, é possível desenhar os movimentos de uma pessoa.

Segundo, os telemóveis podem ser usados para a mesma finalidade. Em 2019, a Coreia do Sul teve uma das maiores taxas de propriedade de telemóveis do mundo (há mais telefones do que pessoas). A localização dos telemóveis é gravada automaticamente com total precisão, porque os dispositivos são conectados a transcetores a qualquer momento. E existem aproximadamente 860.000 transcetores 4G e 5G no país inteiro.

Fundamentalmente, as empresas de telecomunicações exigem que todos os clientes forneçam os seus nomes reais e números de identificação. Isto significa que é possível rastrear quase toda a gente seguindo a localização dos seus dispositivos.

Finalmente, as câmaras de CCTV também permitem que as autoridades identifiquem pessoas que entraram em contacto com pacientes com Covid-19. Em 2014, as cidades sul-coreanas tinham mais de 8 milhões de câmaras de CCTV – ou uma câmara por 6,3 pessoas. Em 2010, todos foram capturados em média 83,1 vezes por dia e a cada nove segundos.

É provável que estes números sejam muito maiores hoje. Considerando o tamanho físico do país, é seguro dizer que a Coreia do Sul possui uma das maiores densidades de tecnologia de vigilância do mundo.

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

RESPONDER

O nosso cérebro evoluiu para acumular mantimentos (e julgar os outros por fazer o mesmo)

O nosso cérebro evoluiu de uma forma que, em situações de stress, acumulamos mantimentos e julgamos os outros por fazer exatamente o mesmo. Os media estão repletos de histórias – e a condenação – de pessoas que …

Autarca de Vieira do Minho denuncia: testes estão a ser desviados para Lisboa

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Gerês/Cabreira, Vieira do Minho, detetou 77 infetados pelo novo coronavírus, com os autarcas da área a reclamarem contra a demora na distribuição de testes, disse esta sexta-feira à …

Trump recomenda uso de máscaras (mas recusa-se a usá-las)

Esta sexta-feira, os Estados Unidos tiveram, pelo quarto dia consecutivo, o maior número de mortes em 24 horas, num total de 1.094, e contam com quase 30 mil novos casos. No seu briefing diário, de acordo …

A Antártida já foi uma floresta tropical

A Antártida pode ter sido o lar de ecossistemas quentes e pantanosos cercados por fetos e árvores coníferas há 90 milhões de anos, altura marcada pelo auge dos dinossauros. Uma análise do solo antigo extraído da …

Algumas estrelas têm "veneno" dentro de si (e é por isso que explodem)

Algumas estrelas têm um "veneno" dentro de si: o elemento néon no núcleo das estrelas pode desencadear uma reação química que leva a uma morte definitiva e explosiva. Estrelas menos massivas, como o nosso Sol, expandem-se …

Criada tecnologia que traduz pensamentos diretamente em texto

Uma equipa de investigadores diz ter criado um sistema capaz de traduzir sinais cerebrais diretamente em texto escrito. Este é um passo promissor para que no futuro seja possível escrever num computador apenas com o …

Desaparecimentos, mistérios e lendas. O Triângulo do Alasca pode ser mais perigoso do que o das Bermudas

Milhares de pessoas desaparecem todos os anos no estado norte-americano do Alasca, fazendo lembrar as histórias do Triângulo das Bermudas, onde aviões e navios desapareceram sem deixar rastro. De acordo com a revista The Atlantic, três …

Descobertas sete novas aranhas-pavão. E uma parece um quadro de Van Gogh

Foram encontradas sete novas espécies de aranha do género Maratus. E há uma que se destaca por se parecer com "A Noite Estrelada", famoso quadro de Vincent Van Gogh. Nos últimos anos, as aranhas-pavão (do género Maratus) …

Estado de emergência no México suspende produção de cerveja Corona

Nem toda a publicidade é boa publicidade. Que o diga a cerveja mexicana Corona que, em tempos de pandemia, partilha o nome com o vírus de que já ninguém quer ouvir falar. Segundo o jornal The …

Gás natural pode transformar Moçambique no "Qatar de África" (se os jihadistas deixarem)

A descoberta de gás natural em Moçambique é vista como uma grande esperança para o país que, à boleia dos avultados investimentos que está a receber de grandes multinacionais, sonha tornar-se no "Qatar de África". …