Submarino nuclear dos EUA chegou à Coreia

U.S. Pacific Fleet / Flickr

Mergulhadores das forças especiais Navy Seals nadam de regresso ao submarino USS Michigan após uma operação

O governo sul-coreano confirmou a agências de notícias em Seul que o USS Michigan, um submarino norte-americano armado com mísseis de cruzeiro, chegou esta terça-feira ao mar da Coreia do Sul.

O USS Michigan, um submarino classe Ohio movido a energia nuclear e armado com mísseis de cruzeiro, foi mobilizado para a península coreana pelos Estados Unidos como forma de pressionar o governo da Coreia do Norte a desistir do seu programa de armamento nuclear.

Até agora, nem a Coreia do Sul nem o governo norte-americano confirmaram se o USS Michigan se vai juntar ao porta-aviões USS Carl Vinson, mobilizado no início do mês para a região, e à esquadra japonesa que participam em exercícios conjuntos no Oceano Pacífico, próximo ao Japão.

O submarino foi projectado originalmente para transportar ogivas nucleares, mas em 2004, foi modificado e convertido para usar mísseis de cruzeiro. A embarcação tem capacidade para lançar até 154 mísseis Tomahawk, com um alcance de quase 2 mil quilómetros.

Os submarinos de ataque tradicionais tinham originalmente que emergir à superfície para lançar mísseis, mas o USS Michigan é capaz de os lançar submerso, graças a um sistema de lançamento vertical, VLS. Apesar da conversão para mísseis de cruzeiro, a embarcação pode ainda usar mísseis balísticos intercontinentais com ogivas nucleares.

U.S.Navy / Wikimedia

Os submarinos da classe Ohio são equipados com o sistema VLS de lançamento vertical de mísseis e podem transportar até 154 Tomahawks.

Os submarinos da classe Ohio são equipados com o sistema VLS de lançamento vertical de mísseis e podem transportar até 154 Tomahawks.

Os 22 tubos lançadores do USS Michigan podem também ser usados para lançar outro tipo de cargas, como mini-submarinos autónomos (UUVs), drones ou aeronaves não tripuladas (UAVs) e equipamento de suporte às forças especiais da marinha norte-americana. A embarcação está preparada para transportar até 66 Navy Seals em operações especiais.

Exercícios militares vs. ataque real

O envio do submarino ocorre no mesmo dia em que o Exército norte-coreano participou num exercício de artilharia para marcar os 85 anos da sua fundação. Segundo a imprensa sul-coreana, o líder do país, Kim Jong-Um, participou nos exercícios, que envolveram o teste de artilharia de longo alcance.

Em Seul, altos funcionários dos governos sul-coreano, japonês e norte-americano reuniram-se esta terça-feira para discutir a escalada de tensão bélica na região. Numa conferência de imprensa colectiva, os responsáveis diplomáticos dos três países anunciaram que vão trabalhar juntos em três frentes: diplomática, económica e militar.

A imprensa chinesa, entretanto, tem dado voz a críticas internas sobre os exercícios militares conjuntos do Japão e dos EUA na região. O governo chinês já pediu algumas vezes a ambos os países mais diálogo e menos “artilharia”.

Internamente, o governo norte-americano está a concertar posições com o Congresso e o Senado para discutir um eventual ataque militar à Coreia do Norte. Esta quarta-feira está prevista uma reunião na Casa Branca entre o presidente Donald Trump, o secretário de Estado, Rex Tillerson, e uma comitiva de 100 senadores.

Os senadores receberam um relatório táctico do cenário na região e das opções de acção dos norte-americanos e seus aliados. Se a Casa Branca decidir lançar um ataque à Coreia do Norte, Donald Trump precisará da aprovação do Congresso.

Entretanto, na Coreia Norte, o governo recebeu como provocação a notícia de uma reunião extraordinária das Nações Unidas para discutir novas sanções ao país.

Num comunicado divulgado na cadeia de TV estatal, o governo norte-coreano disse que os “Estados Unidos já alçaram a espada contra o país” e que “a Coreia do Norte vai também puxar da sua espada e lutar até ao fim”, contra o que chamou de “imperialismo” dos norte-americanos e sues aliados, Japão e Coreia do Sul.

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Acredito que esta guerra é inevitável. Pois é questão de tempo da louca coreana construir uma bomba atomica que chegue de fato aos EUA. E isto eles não poderão permitir de jeito nenhum. Por isso, apertemos nosso cinto.

    • Deixe que lhe conte uma coisa. A Coreia do Norte nunca invadiu país algum mas já foi invadido por vários, inclusive pelos EUA (https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_Coreia). Acham eles que os paises que possuem a bomba nuclear nunca foram invadidos, razão pela qual eles a querem…
      Seria mais prudente lutar para que os que a têm deixassem de a possuir, estaríamos todos mais seguros e com mais razão para exigir que os norte coreanos a não fizessem.
      Claro que aquele corte de cabelo e aquela pronuncia “agressiva”, não dá para revelar muita simpatia… Mas muito cuidado porque a figurinha e o comportamento de Trump podem não lhe dar tempo para apertar cinto nenhum!

      • Não se pode apagar a história. Não se pode desinventar uma arma nuclear.

        Todos iriam mentir e dizer que não têm ogivas, mas estariam apenas escondidas como aliás, acontece com o arsenal químico e biológico.

        A única forma é criar contra-medidas que tornem as armas nucleares obsoletas ou até desvantajosas.

        Eu preferia a segunda hipótese:
        Se possuir armas nucleares no meu país, fizesse o meu país ficar exposto a uma arma que detonasse essa ogiva no silo, ou outra plataforma, tal inverteria a lógica estratégica e transformaria o dissuasor (ou tecnologia de ataque) em calcanhar de Aquiles.
        É importante desenvolver essas contra-medidas. A continuidade da humanidade poderá depender disso.

        Doutra forma, jamais irá ocorrer um desarmamento voluntário e verdadeiro até porque nunca tal ocorreu.

        Eu diria que o caminho é desenvolver a tecnologia de detecção e intercepção, complementada por um contra-ataque que transforme o agressor em ruínas. Se ambos os lados deterem tecnologia cujo poder destrutivo apenas ficar ampliado a atacar um alvo nuclear e não um convencional, a vantagem destrutiva do arsenal nuclear é eliminada. Aí sim, o desarmamento nuclear seria, não só, possível, como necessário.

        Cumprimentos.

  2. Já há muito que vivemos «sentados» num «gigantesco» «barril» de «pólvora» que é os EUA….. Desde a WWII que tal foi firmado e continuará assim para sempre. Está toda a humanidade dependente das loucuras destas duas potências…. ver que vai ser o primeiro pressionar o botão.

RESPONDER

Pintura de Van Gogh de Paris nunca antes vista exibida pela primeira vez

Uma pintura de Vincent Van Gogh de uma rua de Paris foi exposta pela primeira vez depois de passar mais de 100 anos "escondida" pelos seus proprietários. Uma cena de rua em Montmartre, em Paris, pertenceu …

Imagens mostram construção de instalação nuclear secreta em Israel

Está a ser construída uma instalação nuclear secreta em Israel, diz a Associated Press depois de analisar imagens de satélite. Os trabalhos estão a decorrer a poucos metros do antigo reator do Centro de Pesquisa …

Supremo confirma prisão efetiva de cinco anos e oito meses de João Rendeiro

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou a nulidade do acórdão que proferiu em janeiro e confirmou, assim, a condenação do antigo presidente do BPP. Num acórdão datado da passada quarta-feira, e a que a agência …

Portugal regista mais 33 mortes e 1071 novos casos de covid-19

Portugal registou, este sábado, mais 33 mortes e 1071 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 1071 novos …

Ana Gomes revela que Europol está pronta para investigar o Chega

A Europol está disponível para "ajudar as autoridades portuguesas" a investigar eventuais ligações do Chega de André Ventura a "actividades criminais internacionais". É Ana Gomes quem o revela depois de ter enviado uma participação ao …

João Almeida termina Volta aos Emirados no pódio, o seu primeiro numa prova do World Tour

O ciclista português, da equipa Deceuninck-QuickStep, assegurou, este sábado, o primeiro pódio numa prova do World Tour, ao ser terceiro na Volta aos Emirados Árabes Unidos, após a sétima e última etapa. João Almeida concluiu a prova …

Alemanha vai autorizar vacina da AstraZeneca a maiores de 65 anos

A Comissão Permanente para a Vacinação na Alemanha vai alterar a recomendação que limitava o uso da vacina da farmacêutica AstraZeneca para maiores de 65 anos. O anúncio foi feito, este sábado, por Thomas Mertens, chefe da …

Éter, Teia e Tutti-Frutti. PS e PSD decidem "os bons e os maus" entre uma centena de autarcas suspeitos

PS e PSD estão na recta final da escolha dos candidatos às próximas eleições autárquicas e os dois partidos coincidem na forma como estão a avaliar os potenciais candidatos que estão envolvidos em processos judiciais. …

"Lei Khashoggi". Estados Unidos restringem vistos a 76 cidadãos sauditas

Os Estados Unidos anunciaram a restrição à atribuição de vistos a 76 cidadãos da Arábia Saudita acusados de "ameaçar dissidentes no estrangeiro", nomeadamente o jornalista saudita assassinado, em outubro de 2018, na Turquia. Segundo o secretário …

OMS quer isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reclamou, esta sexta-feira, o uso de "todas as ferramentas" para aumentar a produção de vacinas contra a covid-19, incluindo a transferência de tecnologia e a isenção de direitos de …