Submarino nuclear dos EUA chegou à Coreia

U.S. Pacific Fleet / Flickr

Mergulhadores das forças especiais Navy Seals nadam de regresso ao submarino USS Michigan após uma operação

O governo sul-coreano confirmou a agências de notícias em Seul que o USS Michigan, um submarino norte-americano armado com mísseis de cruzeiro, chegou esta terça-feira ao mar da Coreia do Sul.

O USS Michigan, um submarino classe Ohio movido a energia nuclear e armado com mísseis de cruzeiro, foi mobilizado para a península coreana pelos Estados Unidos como forma de pressionar o governo da Coreia do Norte a desistir do seu programa de armamento nuclear.

Até agora, nem a Coreia do Sul nem o governo norte-americano confirmaram se o USS Michigan se vai juntar ao porta-aviões USS Carl Vinson, mobilizado no início do mês para a região, e à esquadra japonesa que participam em exercícios conjuntos no Oceano Pacífico, próximo ao Japão.

O submarino foi projectado originalmente para transportar ogivas nucleares, mas em 2004, foi modificado e convertido para usar mísseis de cruzeiro. A embarcação tem capacidade para lançar até 154 mísseis Tomahawk, com um alcance de quase 2 mil quilómetros.

Os submarinos de ataque tradicionais tinham originalmente que emergir à superfície para lançar mísseis, mas o USS Michigan é capaz de os lançar submerso, graças a um sistema de lançamento vertical, VLS. Apesar da conversão para mísseis de cruzeiro, a embarcação pode ainda usar mísseis balísticos intercontinentais com ogivas nucleares.

U.S.Navy / Wikimedia

Os submarinos da classe Ohio são equipados com o sistema VLS de lançamento vertical de mísseis e podem transportar até 154 Tomahawks.

Os submarinos da classe Ohio são equipados com o sistema VLS de lançamento vertical de mísseis e podem transportar até 154 Tomahawks.

Os 22 tubos lançadores do USS Michigan podem também ser usados para lançar outro tipo de cargas, como mini-submarinos autónomos (UUVs), drones ou aeronaves não tripuladas (UAVs) e equipamento de suporte às forças especiais da marinha norte-americana. A embarcação está preparada para transportar até 66 Navy Seals em operações especiais.

Exercícios militares vs. ataque real

O envio do submarino ocorre no mesmo dia em que o Exército norte-coreano participou num exercício de artilharia para marcar os 85 anos da sua fundação. Segundo a imprensa sul-coreana, o líder do país, Kim Jong-Um, participou nos exercícios, que envolveram o teste de artilharia de longo alcance.

Em Seul, altos funcionários dos governos sul-coreano, japonês e norte-americano reuniram-se esta terça-feira para discutir a escalada de tensão bélica na região. Numa conferência de imprensa colectiva, os responsáveis diplomáticos dos três países anunciaram que vão trabalhar juntos em três frentes: diplomática, económica e militar.

A imprensa chinesa, entretanto, tem dado voz a críticas internas sobre os exercícios militares conjuntos do Japão e dos EUA na região. O governo chinês já pediu algumas vezes a ambos os países mais diálogo e menos “artilharia”.

Internamente, o governo norte-americano está a concertar posições com o Congresso e o Senado para discutir um eventual ataque militar à Coreia do Norte. Esta quarta-feira está prevista uma reunião na Casa Branca entre o presidente Donald Trump, o secretário de Estado, Rex Tillerson, e uma comitiva de 100 senadores.

Os senadores receberam um relatório táctico do cenário na região e das opções de acção dos norte-americanos e seus aliados. Se a Casa Branca decidir lançar um ataque à Coreia do Norte, Donald Trump precisará da aprovação do Congresso.

Entretanto, na Coreia Norte, o governo recebeu como provocação a notícia de uma reunião extraordinária das Nações Unidas para discutir novas sanções ao país.

Num comunicado divulgado na cadeia de TV estatal, o governo norte-coreano disse que os “Estados Unidos já alçaram a espada contra o país” e que “a Coreia do Norte vai também puxar da sua espada e lutar até ao fim”, contra o que chamou de “imperialismo” dos norte-americanos e sues aliados, Japão e Coreia do Sul.

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Acredito que esta guerra é inevitável. Pois é questão de tempo da louca coreana construir uma bomba atomica que chegue de fato aos EUA. E isto eles não poderão permitir de jeito nenhum. Por isso, apertemos nosso cinto.

    • Deixe que lhe conte uma coisa. A Coreia do Norte nunca invadiu país algum mas já foi invadido por vários, inclusive pelos EUA (https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_Coreia). Acham eles que os paises que possuem a bomba nuclear nunca foram invadidos, razão pela qual eles a querem…
      Seria mais prudente lutar para que os que a têm deixassem de a possuir, estaríamos todos mais seguros e com mais razão para exigir que os norte coreanos a não fizessem.
      Claro que aquele corte de cabelo e aquela pronuncia “agressiva”, não dá para revelar muita simpatia… Mas muito cuidado porque a figurinha e o comportamento de Trump podem não lhe dar tempo para apertar cinto nenhum!

      • Não se pode apagar a história. Não se pode desinventar uma arma nuclear.

        Todos iriam mentir e dizer que não têm ogivas, mas estariam apenas escondidas como aliás, acontece com o arsenal químico e biológico.

        A única forma é criar contra-medidas que tornem as armas nucleares obsoletas ou até desvantajosas.

        Eu preferia a segunda hipótese:
        Se possuir armas nucleares no meu país, fizesse o meu país ficar exposto a uma arma que detonasse essa ogiva no silo, ou outra plataforma, tal inverteria a lógica estratégica e transformaria o dissuasor (ou tecnologia de ataque) em calcanhar de Aquiles.
        É importante desenvolver essas contra-medidas. A continuidade da humanidade poderá depender disso.

        Doutra forma, jamais irá ocorrer um desarmamento voluntário e verdadeiro até porque nunca tal ocorreu.

        Eu diria que o caminho é desenvolver a tecnologia de detecção e intercepção, complementada por um contra-ataque que transforme o agressor em ruínas. Se ambos os lados deterem tecnologia cujo poder destrutivo apenas ficar ampliado a atacar um alvo nuclear e não um convencional, a vantagem destrutiva do arsenal nuclear é eliminada. Aí sim, o desarmamento nuclear seria, não só, possível, como necessário.

        Cumprimentos.

  2. Já há muito que vivemos «sentados» num «gigantesco» «barril» de «pólvora» que é os EUA….. Desde a WWII que tal foi firmado e continuará assim para sempre. Está toda a humanidade dependente das loucuras destas duas potências…. ver que vai ser o primeiro pressionar o botão.

RESPONDER

Revendedores de combustíveis ameaçam fechar bombas em protesto contra limites aos lucros

Os revendedores de combustíveis ameaçam "encerrar temporariamente os postos de abastecimento" como forma de protesto devido à nova lei, aprovada no Parlamento, que impõe limites às margens de lucro na comercialização de combustíveis. Após o alerta …

Libertação da sociedade antes das eleições não vai influenciar resultados autárquicos

Portugal está cada vez mais próximo de atingir os 85% de população vacinada, o que significa que a última fase do processo de desconfinamento está cada vez mais próxima. Mas poderá essa decisão ter alguma …

Aos 60 anos, vice-presidente do Suriname participou em jogo internacional (e distribuiu dinheiro no balneário)

Aos 60 anos, o vice-presidente do Suriname, Ronnie Brunswijk, jogou 54 minutos de uma partida internacional de clubes. No final, distribuiu dinheiro pelos jogadores no balneário. Ronnie Brunswijk, vice-presidente do Suriname, tem 60 anos e é …

Rui Costa é candidato à presidência do Benfica num "dos momentos mais desafiantes da história" do clube

Rui Costa vai candidatar-se à presidência do Benfica nas eleições para o quadriénio 2021-2025, marcadas para 9 de outubro, anunciou esta terça-feira o ex-futebolista internacional português, que assumiu a liderança do clube lisboeta após a …

Pirâmide Maia foi construída em resposta a uma erupção vulcânica

Uma equipa de arqueólogos que estava a fazer escavações perto da enorme pirâmide Maia no Vale Zapotitán, em El Salvador, descobriu algo impressionante. Os investigadores descobriram que a pirâmide Maia de San Andrés começou a ser …

Inédito: competição vai juntar todas as equipas de dois campeonatos

Já a pensar no Mundial 2026, a Leagues Cup vai ser realizada todos os anos, com os clubes da Major League Soccer e da Liga MX. Será um "capítulo monumental para o futebol norte-americano", seguindo palavras …

Estado paga 460 mil euros por mês em subvenções vitalícias. Ex-político recebe o valor mais alto

Há 310 ex-políticos e ex-juízes que têm direito a receber uma subvenção vitalícia do Estado. O número baixou um pouco relativamente a 2020, mas, ainda assim, representa um gasto mensal de 460 mil euros de …

Carlos Alexandre nega levantamento do arresto de bens de Salgado

O juiz Carlos Alexandre recusou o pedido de Ricardo Salgado de levantamento do arresto dos bens móveis, pensão e contas bancárias, no âmbito do processo do Universo Espírito Santos e do Monte Branco. A defesa de …

Bola de fogo de mil Hiroshimas destruiu cidade inteira (e pode ter inspirado história bíblica)

Um asteróide atingiu Tall el-Hammam há cerca de 3.600 anos, destruindo toda a cidade e matando toda a sua população. A explosão pode ter inspirado a história bíblica de Sodoma. Enquanto os habitantes de uma antiga …

António Costa sobre a Galp: "Era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta irresponsabilidade, tanta falta de solidariedade"

Intenção de "dar uma lição" à empresa foi manifestada por António Costa numa ação de campanha, o que gerou críticas por parte dos partidos da oposição que relembraram o seu estatuto de primeiro-ministro e o …