SIRESP “não é seguro”. Melhorar rede custa entre 20 a 25 milhões de euros

Filipe Farinha / Lusa

O relatório do grupo de trabalho do Governo sobre o futuro da rede de emergência nacional recomenda alterações de fundo para que esta cumpra os requisitos de segurança internacionais.

Vão ser precisos entre 20 a 25 milhões de euros para melhorar o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) e, mesmo assim, será necessário criar uma rede nova. Segundo a notícia avançada esta quinta-feira pelo Público, esta é uma das conclusões do relatório do grupo de trabalho do Instituto de Telecomunicações que, a pedido do Governo, analisou o estado da rede.

Um mês depois de o Estado ter comprado a empresa que gere este sistema, as conclusões do relatório revelam que a rede, como está, não é segura, sobretudo “em situações extraordinárias”, uma vez que não permite grandes atualizações tecnológicas.

“A segurança do SIRESP não está em conformidade com os requisitos, adotados a nível internacional, exigíveis a sistemas de radiocomunicações de proteção pública e recuperação de desastre (PPDR), utilizados para o cumprimento de operações de proteção civil, de segurança interna ou de planeamento civil de emergência, em especial em situações extraordinárias”, cita o diário que teve acesso ao documento.

Por este motivo, o grupo de trabalho propõe ao Governo que comece a pensar numa alteração da estrutura da rede, baseada em estruturas públicas, que seja moderna e flexível para se poder adaptar às evoluções tecnológicas, ficando assim menos dependente das empresas privadas.

O grupo sugere que seja criada uma rede de “cabos de fibra ótica (enterrados) e/ou feixes hertzianos, sempre com redundância”, a instalar “em cerca de dois anos”, que custará cerca de “8-10 milhões de euros”.

De acordo com o jornal, até que esta rede seja implementada, deverá manter-se a atual. Assim que o novo sistema estiver pronto e operacional, a antiga será abandonada. Contudo, a atual rede exige um conjunto de melhorias que implicam um investimento de “entre 20 e 25 milhões de euros”.

Apesar de o Estado português ter comprado a empresa SIRESP SA, o funcionamento do sistema mantém-se dependente da Altice e da Motorola, que continuam como fornecedores. Neste âmbito, o grupo propõe também que o Estado desista de usar as estruturas da Altice e prefira infraestruturas próprias.

“A utilização de infraestruturas de telecomunicações de empresas públicas como o IP Telecom possibilita o uso mais eficiente de bens públicos e reduzir a dependência do Estado de interesses de privados, cujo princípio de orientação para o lucro se poderá encontrar desalinhado com o interesse público”, é referido.

O grupo de trabalho diz ainda que a “rede deve ser robusta, redundante e resiliente” e, por isso, “a cadeia de fornecimento, deve ser assegurada por fornecedores de confiança e evitando a dependência de um único fornecedor”, como acontece atualmente (Altice e Motorola)”.

O grupo sugere ainda que o SIRESP tenha um conselho de administração, que decida estratégias e procedimentos de longo prazo e um “órgão de gestão operacional, no âmbito da administração central do Estado, automatizado em termos financeiros, administrativos e patrimoniais, dotado de recursos adequados, que assegure, de forma diária, o funcionamento” da rede.

No documento, é ainda proposto que se estudem “alternativas de comunicação entre aeronaves e pessoal de terra”, que estejam previstas “frequências na banda FM para comunicação com toda a população em situação de emergência” e um investimento para o aumento do nível de cobertura nos distritos de Viana do Castelo, Vila Real e Bragança”.

A parceria público-privada que existe desde 2006 para o SIRESP cessa a sua vigência em 30 de junho de 2021. O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no SIRESP, ficando com 100%, numa transferência que vai acontecer em dezembro, decidiu o Governo em Conselho de Ministros, em 13 de junho.

A parceria público-privada vai prolongar-se até 2021, quando termina o contrato, continuando a Altice e a Motorola a fornecer o sistema até essa data.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. e já vão em 32M?!

    e não havia qq salvaguarda para a incompetência das empreas contratadas?

    realmente é fácil usar o dinheiro dos outros, dos portugueses.

  2. Era bom agora já não presta e pior ainda é necessário investir dezenas de milhões no sistema que no final esperamos todos nós que não fique pior que o anterior; já agora porque não investir na eliminação de políticos aldrabões.

RESPONDER

Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio …

Mulher cai de carro em movimento enquanto grava vídeo para o Snapchat

Uma mulher, que ocupava o lugar do passageiro de um carro em movimento, caiu numa auto-estrada enquanto filmava um vídeo para a rede social Snapchat, no Reino Unido. Segundo a CNN, a mulher estava pendurada na …

Nos Estados Unidos, a venda de discos em vinil ultrapassou a de CD pela primeira vez desde 1986

Pela primeira vez desde 1986, as vendas de discos de vinil ultrapassaram as vendas de CD nos Estados Unidos em 2020. Os números foram apresentados na semana passada pela Associação Americana da Indústria de Gravação, …

Mourinho espera ganhar sem jogar

Tottenham iria defrontar o Leyton Orient mas também no Reino Unido há jogos de futebol em causa por causa do coronavírus. O encontro entre Leyton Orient e Tottenham, relativo à terceira eliminatória da Taça da Liga …

A máfia italiana tem uma nova arma de recrutamento: o TikTok

Os jovens membros da Camorra, organização criminosa aliada à máfia siciliana, estão a recorrer ao TikTok para divulgar o seu estilo de vida e recrutar novos membros. Em maio, um vídeo foi publicado no TikTok que …

Os três segredos para ter um bom sistema imunológico são gratuitos, avisa Fauci

Manter o sistema imunológico saudável é um dos fatores-chave para lidar com a covid-19, o que não implica necessariamente a toma de suplementos vitamínicos. Há uns tempos, quando confrontado com o facto de a atriz Jennifer …

Pinguim encontrado morto no Brasil com uma máscara inteira no estômago

Um espécime de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foi encontrado morto numa popular praia brasileira e a autópsia ao corpo revelou que o animal tinha no seu estômago uma máscara de proteção facial N95. O animal foi …

Trump quer restabelecer sanções ao Irão. ONU rejeita apoiar posição norte-americana

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que somente apoiará a restituição de sanções ao Irão, exigidas pelos Estados Unidos (EUA), se receber luz verde do Conselho de Segurança. Numa carta dirigida …

Designer holandês desenvolve "caixão vivo" feito com fibras de fungos

Um corpo humano pode demorar cerca de uma década a decompor-se dentro de um caixão. Com o Living Cocoon, o tempo é reduzido para dois ou três anos. Bob Hendrikx, biodesigner fundador da Loop, desenvolveu e …

Relógio em Nova Iorque mostra o tempo restante para reverter efeitos do aquecimento global

O Metronome, icónico relógio digital de Nova Iorque, deixou de mostrar o tempo do dia-a-dia e mostra agora o tempo restante que o nosso planeta tem para reverter os efeitos do aquecimento global. O relógio digital …