Shutdown de Trump já é o mais longo da história dos EUA

Kevin Dietsch / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

A paralisação parcial do Governo dos EUA tornou-se hoje a mais longa da história, cumprindo 22 dias, afetando numerosas agências federais e deixando mais de 800 mil funcionários sem salários.

O impasse político que separa o Presidente dos EUA, Donald Trump, e o Congresso criou o mais longo ‘shutdown’ da história dos EUA, batendo o recorde de 21 dias estabelecido durante a Presidência de Bill Clinton, em 06 de janeiro de 1996.

Donald Trump continua a dizer que não assinará o projeto de orçamento para o ano fiscal em curso se o Congresso não incluir o financiamento de 5,7 mil milhões de dólares (cerca de cinco mil milhões de euros) para a construção de um muro ao longo de toda a fronteira com o México.

O ‘shutdown’ é o encerramento ou interrupção do funcionamento do governo federal, por bloqueio de financiamento, sendo afetados todos os serviços considerados não essenciais.

Isso acontece quando o Congresso não aprova o financiamento para todas as atividades do Governo e as agências federais, e decorre de um mecanismo legislativo, o “Antideficiency Act”, que existe nos EUA há mais de 40 anos e já provocou pelo menos 21 vezes o encerramento parcial do Governo.

Na sexta-feira, cerca de 800 mil trabalhadores não receberam o seu cheque salarial Nos EUA, o salário dos funcionários federais é pago quinzenalmente, e muitos serviços têm falhas, em setores como inspeções de alimentos, parques nacionais, aeroportos e finanças.

Ao longo dos últimos dias, multiplicam-se os relatos de atrasos nos aeroportos, parques nacionais com infraestruturas fechadas e contribuintes que não recebem as suas devoluções de impostos atempadamente, devido a esta paralisação do Governo.

Neste momento, não há qualquer solução fácil para terminar este ‘shutdown’, com Donald Trump a dizer que a construção do muro é condição essencial para garantir a segurança nacional e com os congressistas Democratas a assegurarem que não aprovarão o financiamento desse muro.

A saída para o impasse pode estar na declaração de emergência nacional, que permitirá ao Presidente reunir os 5,7 mil milhões de dólares dos cofres federais, contornando a oposição Democrata no Congresso. Contudo, depois de ter ameaçado repetidamente decretar o estado de emergência nacional, Trump declarou na sexta-feira que não tenciona fazê-lo tão cedo.

Alguns legisladores Democratas anunciaram que contestariam em tribunal essa eventual decisão, alegando que Trump estaria a exceder a sua autoridade e a abusar do conceito de emergência nacional.

A alternativa será Donald Trump assinar as contas, nas condições dos Democratas (que têm o controlo da maioria na Câmara de Representantes), que apenas cedem 1,3 mil milhões de dólares para as questões de vigilância de fronteiras e controlo de imigração, mas que não podem ser usados para a construção do muro.

A dificuldade para esta solução está no facto de a construção do muro ter sido uma das promessas eleitorais mais emblemáticas de Donald Trump e também no facto de, nas últimas semanas, vários dirigentes Republicanos terem pressionado o Presidente a não abandonar essa mesma promessa.

Uma outra possibilidade é os Republicanos colocarem-se ao lado dos Democratas, isolando Trump na sua posição. Nos últimos dias, alguns senadores Republicanos deram sinais de desconforto com a paralisação parcial do Governo e mostraram-se dispostos a votar ao lado dos Democratas, mencionando o facto de várias sondagens indicarem que os norte-americanos culpam mais o Presidente do que o Congresso, neste impasse político.

Do lado Democrata, as fileiras estão cerradas à volta da porta-voz da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, que já disse que não cederá na recusa em financiar o muro, pelo que é mínima a possibilidade de uma reabertura do Governo por uma alteração de posição da oposição.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Anúncios para crianças vão banir alimentos com mais açúcar, sal e gorduras

A publicidade a alimentos com elevado teor de açucar, sal e gordura como os chocolates, barras energéticas e refrigerantes, está proibida a partir de hoje num raio de 100 metros das escolas e em programas …

Eleições em Moçambique. Dirigente local da oposição e marido abatidos a tiro

Uma dirigente local da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição, e o seu marido foram abatidos a tiro por desconhecidos no interior de Moçambique, sendo o mais recente caso conhecido de homicídio de …

Johnson retira lote de pó de talco para bebé (mas insiste que é seguro)

A Johnson & Johnson decidiu mandar retirar um lote de pó de talco para bebé, vendido online nos Estados Unidos, depois de ter contestado várias vezes a existência de vestígios de amianto nos seus produtos. A …

Augusto Inácio abandona comando técnico do Desportivo das Aves

O treinador Augusto Inácio deixou hoje o comando técnico do Desportivo das Aves, informou em comunicado o 18.º e último classificado da I Liga de futebol. "Augusto Inácio já não é treinador do Clube Desportivo das …

"A Google sabe sempre onde são os primeiros surtos de gripe"

Hoje em dia, "há uma tendência para disponibilizar tudo na Internet", o que pode ser perigoso e ter consequências para toda a vida. O alerta é da presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados …

Queda de avião ligeiro causa três mortos no Brasil

Um avião ligeiro caiu hoje na cidade brasileira de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, deixando três mortos e três pessoas feridas, segundo informações do corpo de bombeiros divulgadas pela imprensa local. O acidente aconteceu em …

Austrália pressionada a restituir 5000 milhões de dólares a Timor-Leste

A Austrália deve devolver cinco mil milhões de dólares (4470 mil milhões de euros) a Timor-Leste, defenderam entidades que foram depor num inquérito no Parlamento australiano, responsável por examinar a conduta do país durante as …

Joacine deverá ter tolerância devido a gaguez

Uma fonte parlamentar disse ao Expresso que Joacina Katar Moreira, deputada eleita pelo Livre, deverá ter "flexibilidade" pela mesa da Assembleia da República durante o seu discurso. A entrada de novos partidos para no Parlamento traz …

"Gostaram da geringonça." Manuel Alegre diz que eleitores de esquerda estão "desiludidos"

Em entrevista à Rádio Renascença, Manuel Alegre disse que quem votou à esquerda pode sentir-se desiludido por não haver uma nova geringonça. Manuel Alegre considera que, para existir um novo acordo entre os partidos de esquerda, …

Em Portugal, há 153 idosos para cada 100 jovens

O retrato estatístico da Pordata revela que há em Portugal 153 idosos por cada 100 jovens, o que equivale ao terceiro maior rácio da União Europeia. São 10,2 milhões, mais velhos que novos, num país em …