Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Mário Cruz / Lusa

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser “muito elevado”. Isto porque temos a lição mais bem estudada e porque os novos infectados são mais jovens.

“A letalidade será inferior, em consequência das idades das pessoas infectadas e do que os médicos aprenderam sobre a doença e os tratamentos”, considera no Expresso o professor de Epidemiologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Manuel Carmo Gomes.

Este especialista repara que “a maior lentidão no avanço deste ressurgimento deve-se ao facto de grande parte da população já ter interiorizado a utilização de recomendações de higiene, distanciamento e uso de máscaras, e também por haver uma pequena fracção de pessoas que já contactou com o vírus e terá desenvolvido imunidade“.

A média de novos casos diários anda, agora, entre os 600 e os 800, valores muito próximos dos de Março. Contudo, agora, os internamentos e as mortes estão mais baixos.

Proporcionalmente teremos menos mortos“, repara também no Expresso o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia.

A taxa de letalidade é de momento de 2,7% quando em Junho rondava os 4,4%, situando-se abaixo da verificada em países como Espanha (4,5%), França (6,7%) e Alemanha (3,6%).

“A principal explicação para a redução da mortalidade é termos menos doentes com mais idade, doença crónica cardíaca, obesidade ou diabetes”, explica ao Expresso a infecciologista do Hospital de São João, no Porto, Margarida Tavares.

“Temos mais experiência, conseguimos actuar mais cedo e conhecemos melhor a doença, as complicações cardíacas, o aumento da coagulação do sangue e do risco de enfarte cerebral, cardíaco ou de outros órgãos”, acrescenta a infecciologista.

“Este Inverno vai ser difícil”

O especialista em Saúde Pública Internacional no Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) Tiago Correia também nota, no mesmo semanário, que “temos mais respostas sobre o vírus, mais camas e ventiladores, além de um maior conhecimento dos medicamentos para controlar as vertentes mais agudas da doença”.

Estamos mais bem preparados para garantir que os internamentos não resultam em mortes”, afiança ainda Tiago Correia que diz que não está “muito preocupado com o SNS [Serviço Nacional de Saúde] nem com os casos graves de doença”.

Todavia, “haverá um número de infecções muito elevado, que exigirá enorme intervenção dos decisores políticos”, acredita o especialista em Saúde Pública.

Também Ricardo Mexia é da mesma opinião. “Este Inverno vai ser difícil. Receio que seja uma questão de tempo até a situação se degradar, em parte porque vamos deixar de conseguir proteger os mais vulneráveis como até agora”, aponta.

Há uma preocupação também por causa da gripe, pelo facto de este vírus circular em simultâneo com o vírus da covid-19. Na época de gripe 2018/2019, morreram cerca de 3 mil pessoas em Portugal por complicações relacionadas com esta doença.

Contudo, também há quem acredite que as medidas de distanciamento e de higienização implementadas por causa da covid-19 podem ajudar a reduzir a propagação da gripe.

Manuel Carmo Gomes acredita que se deve considerar o pico de 1200 internamentos verificado em Abril como uma linha vermelha do SNS que não pode ser ultrapassada.

“É possível irmos além disso sem o sistema colapsar, mas esse nível sabemos que aguentamos”, atira o professor de Epidemiologia, reparando que “a situação é mais séria” se “80% dos internamentos estiverem concentrados numa região”.

A Direcção Geral de Saúde (DGS) já anunciou que está a definir linhas vermelhas locais, com a realização de mapas regionais com o risco da infecção. Estes mapas terão em conta o número de casos nos últimos 14 dias, o Rt (o número médio de pessoas que cada infectado contagia), a capacidade hospitalar local e o tipo de surtos, como explica ao Expresso Carmo Gomes.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PCP propõe estender moratórias por seis meses. BE quer ouvir Centeno

O PCP quer estender as moratórias bancárias, que vão terminar dentro de algumas semanas, por seis meses. O Bloco de Esquerda entregou um requerimento, com carácter de urgência, para ouvir o Governador do Banco de …

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre. Se um átomo de um elemento químico tiver um …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Espanha vai proibir viagens durante a Páscoa. França, Hungria e Brasil com novas restrições

Espanha prepara-se para aprovar um plano de desconfinamento para as próximas semanas, particularmente para a Páscoa, que prevê a proibição de viajar entre as suas comunidades autónomas e um recolher obrigatório entre as 22h00 e …

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …

Padres, provedores e autarcas. MP investiga casos de vacinação indevida

A investigação do Ministério Público (MP) e da Polícia Judiciária (PJ) conta já com 33 casos suspeitos de vacinação indevida, estendendo-se a padres, provedores de misericórdias, administradores hospitalares e autarcas. Desde o início da campanha da …

Atrasos na vacina da Pfizer condicionam vacinação de doentes de risco entre os 65 e os 79

A vacinação de doentes de risco entre 65 e os 79 anos está condicionada pela chegada de mais vacinas da Pfizer. Na união Europeia, Portugal é o quinto país com a percentagem mais elevada de doses …

Há uma geringonça (sem Bloco) a discutir quinzenalmente a execução orçamental

No ano passado, a abstenção do PCP de um empurrão na aprovação do Orçamento do Estado. O partido de Jerónimo de Sousa não desiste de exercer influência e de se consolidar como parceiro do Governo, …