Santos Silva lamenta que Durão Barroso tenha demorado 17 anos a “reconhecer erro” de defender invasão do Iraque

António Cotrim / Lusa

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, lamentou esta terça-feira que José Manuel Durão Barroso, então na qualidade de primeiro-ministro, tenha demorado 17 anos a reconhecer o erro que cometeu, ao defender a invasão do Iraque na cimeira das Lajes.

“O reconhecimento de um erro é sempre bem-vindo. Eu já errei também muitas vezes na vida. Pena é que, neste caso, tenha demorado 17 anos”, respondeu Santos Silva à questão da agência Lusa sobre a “confissão” de José Manuel Durão Barroso.

O jornal Público noticiou esta terça-feira que, numa entrevista ao novo podcast da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), o também ex-presidente da Comissão Europeia (CE) afirmou que, se fosse hoje, “provavelmente não teria a mesma posição” que tomou, de apoio à invasão do Iraque.

Lembrando que Durão Barroso “não gosta de fazer julgamentos hipotéticos”, o diário refere que, na entrevista à FLAD, o também antigo presidente da Comissão Europeia recordou um dos momentos mais tensos da sua passagem pelo Governo português.

Na entrevista, o atual chairman do banco Goldman Sachs, para onde entrou após deixar a presidência da CE, ressalvou que, com a informação que tinha na altura, em 2003, “manteria a mesma posição”. Se soubesse o que sabe hoje, prosseguiu, “provavelmente não tinha tomado a mesma posição no encontro que esteve na origem da guerra contra o regime do então Presidente iraquiano, Saddam Hussein.

Na reunião, Durão Barroso foi anfitrião do então Presidente norte-americano, George W. Bush, e dos, na altura, primeiros-ministros britânico, Tony Blair, e espanhol, José Maria Aznar. A 20 de março de 2003, quatro dias depois da cimeira das Lajes, começou o ataque que levaria ao fim do regime de Saddam Hussein.

Durão Barroso reconhece “erros graves”

Hoje, Durão Barroso considera que “houve muitos erros graves na forma como foi gerido o processo”. “A ideia de querer ‘limpar’ toda a administração do Iraque foi um erro completo. É uma ideia que vem da desnazificação, que os alemães e os Aliados fizeram na Alemanha a seguir a [Adolf] Hitler, mas não era sensato fazê-lo ali” disse Durão Barroso, ressalvando, porém, que não tem “pena nenhuma” de Saddam Hussein.

“A situação foi mal gerida. (…) Na altura, eu várias vezes perguntei ao então Presidente dos Estados Unidos, quando é que me garantia a mim e aos outros que a vitória estava garantida: então e ‘after’? E no dia a seguir?”, contou o também antigo líder do Partido Social Democrata (PSD) português.

De George W. Bush, disse, ouviu a resposta: “as coisas estariam mais ou menos garantidas”, Durão Barroso sublinhou que “não foi uma posição ideológica ou belicista, mas sim “ponderada”. “Sei que é legitimamente controversa, até porque, infelizmente, não se concretizou aquilo que nos tinha sido comunicado”, afirmou.

Durão Barroso descartou, por outro lado, que o seu envolvimento na Cimeira das Lajes o tenha catapultado para a presidência da CE, contrapondo que talvez “até tenha sido uma dificuldade” acrescida. “Não se pode ser presidente da CE sem o apoio forte da França e da Alemanha”, argumentou, lembrando que, Jacques Chirac, que se opunha à intervenção militar dos Estados Unidos no Iraque, era o então Presidente francês.

“É importante notar que, apesar dessa posição que eu tomei na questão dos Açores, não se opuseram. Não é fácil ser eleito presidente da CE, e sobretudo duas vezes. Até agora ninguém foi mais”, recordou ainda.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Suspensas marchas populares em Lisboa

As marchas populares em Lisboa, que decorrem em junho, foram suspensas "tendo em conta o atual contexto pandémico e devido às restrições de saúde pública que ainda se mantêm", anunciou esta quinta-feira a Câmara Municipal …

CDS-PP quer manter corridas de touros na RTP e contrariar a “política de gosto”

A bancada parlamentar do CDS-PP questionou hoje o Governo sobre o eventual fim das transmissões televisivas de corridas de touros nos canais públicos da RTP, mostrando-se contra a “tutela política” a ditar “uma política de …

Cabeceiras de Basto recua no desconfinamento. Quatro concelhos podem agora avançar

A ministra Mariana Vieira da Silva apresentou um quadro geral da situação em Portugal e revela que há um concelho que vai recuar no desconfinamento: Cabeceiras de Basto. A ministra de Estado e da Presidência acrescentou …

Aeroporto no Montijo pode levar à perda das principais áreas de alimentação das aves migratórias

Caso o Montijo venha mesmo a receber um novo aeroporto, poderá levar à perda de até 30% das principais áreas de alimentação das aves migratórias que passam o Inverno no estuário do Tejo. A conclusão está …

Príncipe de Liechtenstein acusado de matar Arthur, o maior urso da Roménia

Grupos ambientalistas acusaram um príncipe da família real de Liechtenstein de matar o maior urso da Roménia, violando a proibição da caça de grandes carnívoros. Em comunicado citado pelo jornal britânico The Guardian, a ONG romena …

França e Reino Unido mobilizam navios para Jersey e aumentam a tensão no Canal da Mancha

A Marinha francesa respondeu esta quinta-feira ao envio de dois navios-patrulha britânicos para Jersey, na véspera, e mobilizou as suas próprias embarcações militares para as imediações da ilha, contribuindo, dessa forma, para o aumento da …

Governo aprova a criação da tarifa social de internet. Preço ainda vai ser definido

O Governo aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, a criação de uma tarifa social de acesso a serviços de internet em banda larga, conhecida como tarifa social de internet, anunciou o ministro de Estado …

Cerca sanitária em Odemira diminuiu casos para menos de metade, garante Governo

O ministro da Administração Interna salientou hoje que a cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio permitiu baixar os casos de infeção por covid-19 em Odemira para menos de metade e acusou a direita de …

Joshua Wong condenado a mais dez meses de prisão por participar em vigília que lembrava "massacre de Tiananmen"

O ativista de Hong Kong Joshua Wong foi condenado a dez meses de prisão por participar em 4 de junho de 2020 numa vigília para lembrar o chamado "massacre de Tiananmen", que Pequim não reconhece. A …

Um polícia morto e vários feridos em tiroteio durante operação no Rio de Janeiro

Um polícia morreu e várias outras pessoas ficaram feridas num tiroteio esta quinta-feira durante uma operação da polícia contra o tráfico de droga na comunidade de Jacarezinho, no Rio de Janeiro, Brasil, noticiou a imprensa. Segundo …