Durão Barroso assume que não teria apoiado invasão do Iraque com os “dados de hoje”

O ex-presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, reconheceu que a decisão de patrocinar a invasão do Iraque com a realização da Cimeira das Lages, a 16 de março de 2003, é “legitimamente controversa” e que, com os dados hoje disponíveis, “provavelmente” não teria apoiado os Estados Unidos (EUA).

Segundo noticiou o Expresso esta segunda-feira, na primeira edição do podcast “Atlantic Talks”, organizado pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), Barroso responsabilizou os EUA pelo que aconteceu depois da invasão ao Iraque, por não existirem armas de destruição maciça e porque foram cometidos “erros muito graves”.

“[O processo] foi muitíssimo mal gerido. Limpar toda a administração do Iraque foi um erro. Não foi sensato”, culpabilizou o também antigo primeiro-ministro.

Barroso sublinhou que Portugal foi então confrontado com uma decisão muito complexa: apoiar a estratégia de dois dos seus mais antigos aliados, EUA e Reino Unido, e de Espanha, ou manter uma posição mais neutral, acabando por optar pela primeira.

“A minha posição foi muito prudente desde o início. ‘Não queremos a guerra, mas não somos nós, Portugal, que decidimos se há uma guerra ou não. Se houver uma guerra entre o nosso maior aliado, uma grande democracia, e a ditadura de Saddam Hussein não podemos ser neutros'”, reforçou.

Barroso negou que a sua ascensão na Comissão Europeia tenha estado relacionada com a Cimeira das Lajes, recordando, precisamente, que França e Alemanha estiveram desde sempre contra a decisão. “[Essa ilação] não tem base. Pelo contrário, não se pode ser presidente da Comissão Europeia sem o apoio de França e Alemanha”, assegurou.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Durão Barroso, mesmo com os dados que tinha na altura, não devia ter apoiado a invasão do Iraque. Foi um erro crasso, mesmo não representando nada para além de um anfitrião cujo nome nem o Bush sabia. Mostrou ser um político medíocre e de pouca visão.
    Devia reconhecer o erro. Os relatórios de então, mesmo apimentados, não justificavam a intervenção militar americana. E se o objetivo era eliminar as armas biológicas ou de destruição maciça, nunca encontradas, então porque motivo foi decapitado o regime? Obviamente, o que Bush pretendia era aniquilar o ditador Saddam Hussein e o seu regime e criar uma nova ordem na região do Golfo. Q que não lhe saiu como esperava.

  2. Pois, provavelmente…
    E, provavelmente, o parasita covarde também não teria conseguido um tacho de luxo na máfia da Goldman Suchs!…

RESPONDER

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …

Operação Marquês. Ministério Público pede alargamento do prazo previsto na lei para recorrer

Depois da decisão instrutória tomada pelo juiz Ivo Rosa, os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto já entregaram um requerimento a pedir 120 dias para o recurso. O alargamento do prazo passaria assim a ser …

Duas mortes e 271 infetados em 24 horas. Rt continua a subir em Portugal

O boletim da DGS desta segunda-feira dá conta de mais 271 novos casos. Registaram-se ainda mais duas mortes por covid-19. Segundo a DGS existem 25.784 casos ativos, menos 176 do que na véspera, e há mais …

Maioria dos pobres em Portugal trabalha (os "três D" da pobreza e 4 perfis que são uma "supresa")

Um quinto da população portuguesa é pobre e a maior parte das pessoas em situação de pobreza trabalha, mantendo vínculos laborais sem termo. As conclusões são de um estudo promovido pela Fundação Francisco Manuel dos …