“Tenho muita Pena”. Santana Lopes sai do PSD e cria novo partido liberal

Miguel A. Lopes / Lusa

Ex-primeiro ministro, ex-presidente da câmara de Lisboa e da Figueira da Foz, ex presidente do PSD e do Sporting, ex provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Pedro Santana Lopes

Pedro Santana Lopes já comunicou à liderança social-democrata que vai sair do PSD e formar um novo partido, decisão que explica numa carta aberta aos militantes.

O histórico social-democrata Pedro Santana Lopes vai mesmo sair do PSD e formar novo partido. Segundo o Observador, a decisão foi comunicada na sexta-feira à tarde, por telefone, ao líder do partido, Rui Rio, e ao secretário-geral, José Silvano.

Santana Lopes põe assim fim a 40 anos de militância no PSD, dos quais guarda recordações de “momentos únicos” e “extraordinários”, mas também de alguma desilusão, sobretudo por sentir que os seus discursos eram ouvidos, mas as suas ideias pouco atendidas.

“Um texto difícil”. É assim que Pedro Santana Lopes começa a carta aberta aos militantes do PSD para se despedir do partido, a que o jornal teve acesso.

Santana Lopes considera que “não faz sentido continuar numa organização política só porque já estamos há muito, ou porque em tempos alcançamos vitórias e concretizações extraordinárias se, no passado e no tempo que importa, no tempo presente, não conseguimos fazer vingar ideias e propostas que consideramos cruciais para o bem do nosso país”.

Entre os exemplos de ideias que defendeu, e das quais “o PSD nunca quis saber”, para a Política Agrícola Comum, a desertificação do interior ou ainda as críticas ao poder “discricionário” de demissão do Governo atribuído ao Presidente da República.

Adeus, menino guerreiro

Recordando o episódio em que foi demitido de primeiro-ministro pelo então Presidente da República Jorge Sampaio, Pedro Santana Lopes reconhece que talvez se devesse ter desfiliado na altura, mas não deixa de apontar o dedo ao PSD.

“Quando destacadíssimos militantes do partido tudo fizeram para que Jorge Sampaio abolisse a maioria parlamentar legítima e estável por motivos que se ‘absteve de enunciar’. Ou, no ano seguinte, quando o PSD impediu a recandidatura à Câmara Municipal de Lisboa que conquistáramos, a pulso, à maioria de esquerda, 4 anos antes”, especifica.

Para o ex-provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, todas estas decisões “graves” têm consequências políticas até hoje.

Sobre a liderança atual, Santana Lopes não poupa Rui Rio, o “pensamento económico ortodoxo” e a “aproximação ao PS”, e lembra os avisos que fez durante as diretas.

“Vinha aí uma estratégia de condescendência para com o PS, para mim, um erro grave. Disse, e repeti, que os militantes deveriam rejeitar a via que, de modo mais ou menos explícito, admitia o Bloco Central”, escreve Santana Lopes, citado pelo Observador.

Elogio a Passos Coelho

Em contrapartida, Santana Lopes elogia Pedro Passos Coelho, de quem diz ser uma “pessoa com grandes qualidades, em vários domínios da vida” e que “como líder político mostrou ser sério, competente, coerente”.

Lembrando que nunca calou “diferenças” com o antigo primeiro-ministro, como “no congresso de 2014 e no dia da resolução do BES”, Santana num patamar de excelência Lopes não deixa de considerar que Passos Coelho “fez um trabalho notável a conduzir o país num período de emergência nacional, tendo conseguido a ‘saída limpa’ que iniciou a recuperação económica”.

Foi a saída de Passos Coelho que fez com que deixasse a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, para se candidatar à liderança do PSD. O novo caminho que agora vai seguir é o de criar uma nova formação partidária liberal, para a qual ainda não tem nome escolhido.

A política deve ser lutar por aquilo em que acreditamos ser o melhor para a comunidade de que fazemos parte. Sonho com um país em que a Cultura, o Ambiente, a Inovação, a Investigação, o Mar, sejam verdadeiras prioridades, orçamentalmente assumidas e, antes disso, assumidas na consciência nacional”, escreve, lançando as primeiras pistas sobre os assuntos pelos quais o seu partido se vai bater.

O objetivo de Santana Lopes é “contribuir para dar força à alternativa de que Portugal precisa para substituir a maioria de esquerda”.

“Quero intervir politicamente num espaço em que não se dê liberdade de voto quando se é confrontado com a agenda moral da extrema–esquerda”, diz Santana Lopes, que se manifestou, por exemplo, contra a liberdade de voto dada por Rui Rio aos deputados do partido na votação sobre a eutanásia.

Pedro Santana Lopes sublinha, ainda, que o caminho que e segue é o que o faz estar de bem com a sua consciência.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Depois de passar a vida a fazer (e a dizer) asneiras, o Santana vai finalmente formar um partido – pela amostra do líder já se está a ver a “qualidade” do partido!…

  2. Não sou do PSD, mas se fosse apenas diria que Santana já vai tarde.
    A sua vaidade e mediocridade provavelmente só encontram paralelo em Sócrates. O menino guerreiro tinha e tem uma grande ambição, mas ela nunca foi acompanhada por especial inteligência, conhecimento, humildade democrática e capacidade de aprender. Fez-me lembrar sempre a fábula da rã que queria ser boi.
    E quanto ao chamado poder “discricionário” de Sampaio, ele deve estar a ver mal e com memória curta. Apenas duas questões: quem o tinha eleito, a nível partidário e nacional, para ocupar a vaga de Durão Barroso? se está tão certo da sua razão, por que motivo é que o povo conferiu nessa altura a maioria absoluta ao PS e o presenteou com uma estrondosa derrota?
    O seu breve consulado caraterizou-se por um exercício de poder entre o penoso e o cómico: amador, errático, sem autoridade e sem capacidade de decisão. Lembro-me bem do fiasco do concurso informático dos professores, dos seus discursos atabalhoados, das pegas dos seus ministros, que considerava tudo primeiras escolhas. E nem um mea culpa. O homem não tem emenda. Só sabe mirar-se ao espelho!

  3. O Santana quer é tacho e estava tão bem instalado na SCML tão dedicada ao bem estar dos portugueses logo a começar pelo viciamento no jogo e a destruição de muitas famílias.

  4. Ai Santana Santana que bem te podes reformar! Depois do teu governo achas mesmo que ainda alguém acredita em ti?!!!

Responder a MMQ Cancelar resposta

Jesus explica saída de Florentino e fala sobre a "cantera do Seixal"

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Moreirense, a contar para a 2.ª jornada da Liga NOS, Jorge Jesus falou um pouco sobre tudo, desde a saída de Florentino para o Mónaco …

"Ataques falsos e graves". Manuel Vicente rejeita acusações de gestor de Isabel dos Santos

O ex-vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, classificou a queixa que o antigo assessor de Isabel dos Santos na Sonangol, Mário Leite da Silva, apresentou junto de reguladores internacionais como "ataques falsos e graves" que visam servir …

Centros de instalação do SEF lotados. Migrantes colocados em cadeias e quartéis

Os centros que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) tem para instalar os migrantes que aguardam execução das decisões de expulsão estão lotados. O Diário de Notícias adianta esta sexta-feira que os quatro espaços que …

Estrutura do Montepio é "insustentável a prazo". Reestruturação avança em Outubro

O Banco Montepio vai avançar com uma reestruturação em Outubro. Para já, ainda não se sabe quantos funcionários deverão deixar a instituição, mas é certo que a actual estrutura é "insustentável a prazo". Nas reuniões do …

Enquanto estava em coma, bens de Navalny foram congelados pela justiça russa

Oficiais de justiça russos congelaram as contas e uma parte do apartamento do opositor ao governo Alexei Navalny quando este permanecia em coma após um presumível envenenamento no final de agosto, indicou esta quinta-feira a …

Mais cinco mortes e 899 novos casos de covid-19 em Portugal

Portugal regista, esta sexta-feira, mais cinco mortes e 899 novos casos de infeção por covid-19 em relação a quinta-feira, mostra o boletim mais recente da Direção-Geral de Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da …

Governo de Bolsonaro bate recorde de aprovação durante a pandemia

A aprovação do Governo brasileiro, presidido por Jair Bolsonaro, subiu para 40%, a maior percentagem desde o início do seu mandato, iniciado em janeiro de 2019, segundo uma sondagem do Instituto Ibope divulgada na quinta-feira. A …

Número de casos baixa nos EUA. Na Bélgica, deixa de ser obrigatório usar máscara na rua

A pandemia tem assolado toda a população mundial, mas há países que têm sofrido mais com o aumento de número de infetados e com mortes. Apesar de serem um dos países mais afetados, os EUA …

Seis enfermeiros infetados e cirurgias canceladas no hospital de Beja

O hospital de Beja detetou esta quinta-feira seis enfermeiros do bloco operatório infetados com Covid-19 e cancelou algumas cirurgias programadas por questões de segurança, disse à agência Lusa a presidente da Unidade Local de Saúde …

Reformas na função pública subiram para 43% (e um quinto são professores)

Mais de 6.500 trabalhadores das administrações públicas aposentaram-se na primeira metade deste ano, o que representa um crescimento de 43% face ao mesmo período de 2019. A maioria das saídas deriva de áreas como a …