Russos também afirmam que Arafat não foi envenenado

Thomas Hawk / Flickr

Yasser Arafat, antigo líder da Autoridade Palestiniana

Yasser Arafat, líder da Autoridade Palestiniana falecido em 2004

Os peritos russos encarregados de analisar amostras do corpo de Yasser Arafat excluíram a hipótese de o líder palestiniano ter sido envenenado e concluíram que a morte foi natural.

“Concluímos todas as análises. A pessoa teve morte natural e não morreu por radiação”, disse Vladimir Uiba, chefe da Agência Federal de Análises Biológicas da Rússia, numa conferência de imprensa.

O cadáver de Arafat, morto em 2004, foi exumado em 2012 e cerca de 60 amostras foram distribuídas por três equipas de peritos – uma russa, uma suíça e uma francesa – a pedido da viúva do líder palestiniano, Suha Arafat.

O grupo francês também descartou a hipótese de envenenamento, mas a equipe suíça detectou altos níveis de polônio 210, substância altamente radioativa, nas amostras analisadas.

Vladimir Uiba disse à imprensa que a sua agência não recebeu qualquer pedido para repetir os exames: “Concluímos a avaliação e todos concordaram. Além disso, os suíços retiraram as suas conclusões e os franceses confirmaram as nossas”, acrescentou.

“Declaração política”

Um dos peritos suíços que analisou amostras do corpo de Yasser Arafat afirmou hoje que as conclusões da equipa russa excluindo o envenenamento do líder histórico palestiniano são uma “declaração política” sem fundamento científico.

“Os russos avançam coisas sem fornecer qualquer dado ou qualquer argumento científico, pelo que, para mim, não significa nada, é uma declaração política”, disse François Bochud, diretor do Instituto de Radiofísica de Lausanne, precisando que o relatório russo não lhe foi enviado.

Bochud é um dos autores de um relatório publicado a 07 de novembro que privilegia a tese do envenenamento de Arafat por polónio. Os peritos suíços indicaram no documento ter medido níveis de polónio até 20 vezes superiores aos normais, mas não afirmam categoricamente que a substância, altamente radioativa, tenha provocado a morte do dirigente palestiniano.

Investigações vão continuar

O embaixador da Palestina em Moscovo, Faed Mustafa, informou que, apesar das conclusões dos peritos russos, as autoridades do país não vão encerrar a investigação sobre a morte de Arafat. “Só posso dizer que já foi decidido continuar” a investigação, disse Mustafa. “Respeitamos a posição deles, valorizamos muito o seu trabalho, mas decidimos continuar a trabalhar”, acrescentou.

Arafat começou a ter problemas gastrointestinais em 12 de outubro de 2004 e, depois de uma série de complicações, foi transferido da Cisjordânia para um hospital militar de Paris, onde morreu em 11 de novembro. À época, o corpo não foi autopsiado a pedido da viúva, Suha Arafat. Em julho de 2012, no entanto, ela apresentou à Justiça francesa uma queixa contra desconhecidos, depois da descoberta de níveis anormais de polônio, uma substância radioativa altamente tóxica, nos objetos pessoais do marido.

ZAP / ABr / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Porto ganha força e pode mesmo acolher a final da Liga dos Campeões

A hipótese de o Porto receber a final da Liga dos Campeões começa a ganhar força, após a reunião entre a UEFA e o Governo britânico não ter corrido de feição. Londres era a opção favorita …

Cerca sanitária em Odemira revela lacunas na ligação entre entidades

O resultado da intervenção da GNR no controlo dos que pretendem trabalhar nas explorações agrícolas sem ter realizado teste à covid-19 não é comunicada à ACT. O porta-voz do Comando Territorial de Beja da GNR disse …

Jorge Costa responde a Pepe: "Deve ter-se esquecido de quem eu sou"

O treinador do Farense e ex-jogador do FC Porto respondeu a Pepe na flash interview, depois da troca de palavras entre ambos no final do jogo desta segunda-feira no Estádio do Dragão (5-1). "O Pepe deve …

Salgado começa a ser julgado em junho. Defesa recorre da decisão de separar processos

O antigo presidente do BES começa a ser julgado a 7 de junho por três crimes de abuso de confiança, no âmbito da Operação Marquês, mas a sua defesa já entregou um recurso por …

Onda de violência em Jerusalém não tem fim. UE considera ataques "inaceitáveis"

A situação continua a ser preocupante em Israel e a comunidade internacional já tem deixado alguns alertas para que seja posto fim à violência. Na noite desta segunda-feira, um incêndio rompeu na zona da Esplanada das …

Sporting já tem autocarro decorado e reclama 23.º título. A FPF só reconhece 18

A apenas uma vitória do título, o Sporting já tem o autocarro decorado para celebrar a conquista. Os 'leões' reclamam 23 títulos, embora a FPF só reconheça 18. O Sporting CP está a uma vitória de …

Descoberta vila da Idade do Bronze submersa num lago suíço

A descoberta de uma vila da Idade do Bronze, submersa num lago suíço, redefine a história da cidade de Lucerna e sugere que a área foi colonizada 2.000 anos antes do que se pensava. O lago …

"Já vimos este filme". Catarina Martins receia austeridade pós-bazuca (e está preocupada com a TAP)

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse temer a austeridade que possa surgir após a prometida bazuca de fundos europeus e confessou estar “muito preocupada” com a TAP. Em entrevista à TVI na noite de segunda-feira, …

Portugal continental atinge 4 milhões de doses administradas. Processo está a ser mais rápido do que o previsto

Portugal Continental vai atingir esta terça-feira as quatro milhões de doses de vacinas administradas. Segundo a task force, o processo está a acontecer mais rapidamente do que o previsto. De acordo com um fonte da task …

Descoberta nova espécie de tartaruga que viveu no final do Cretáceo

Em 2015, paleontólogos descobriram em Madagáscar um fóssil excecionalmente bem preservado, que agora se confirma ser de uma nova espécie de tartaruga, que remonta ao final do Cretáceo. A antiga tartaruga era uma espécie de água …