Rússia vai dar início à retirada de tropas perto da fronteira com a Ucrânia

Yuri Kochetkov / EPA

A Rússia anunciou que vai iniciar, esta sexta-feira, a retirada das suas tropas concentradas perto da fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada, referindo que os exercícios foram concluídos.

“As tropas demonstraram a sua capacidade em assegurar uma defesa fiável do país. Assim, decidi terminar as atividades de inspeção nos distritos militares do sul e do oeste”, fronteiriços com a Ucrânia, declarou o ministro da Defesa russo, Serguei Choigu, citado num comunicado.

A deslocação em massa de tropas para estas duas regiões, assinaladas por importantes exercícios militares na Crimeia que envolveram dezenas de navios, centenas de aviões e milhares de tropas, numa demonstração de força, suscitou apreensões no Ocidente e em Kiev.

Os Estados Unidos e a NATO referiram que as manobras militares russas junto da Ucrânia foram as mais significativas desde 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e iniciou o apoio aos rebeldes separatistas do leste ucraniano.

O ministro da Defesa russo disse que as manobras na Crimeia envolvem mais de 60 navios, 10 mil soldados, cerca de 200 aviões e 1.200 veículos militares.

Moscovo rejeitou as alegações ucranianas e ocidentais sobre estas manobras, ao argumentar que tem o direito de deslocar as suas forças para qualquer região do território russo e alegar que não constituam uma ameaça.

Em paralelo, a Rússia também anunciou que limitará entre 24 de abril e 31 de outubro a navegação de navios de guerra estrangeiros em águas territoriais russas do mar Negro.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo especificou que esta medida apenas abrange os vasos de guerra e não afetará a marinha mercante que atravesse o estreito de Kerch, que dá aceso ao mar de Azov e a diversos portos ucranianos e russos.

O Kremlin emitiu ainda um aviso às autoridades ucranianas contra um eventual uso da força para retomar o controlo do leste rebelde, onde sete anos de combate provocaram mais de 14 mil mortos, e assegurando que a Rússia poderia ser forçada a intervir para proteger a população civil russófona da região.

Além desta questão internacional, a Rússia está a lidar com a pressão dos próprios russos, mas também do Ocidente, por causa da situação do opositor russo Alexei Navalny. Esta quarta-feira, em vários pontos do país, a polícia deteve pelo menos 1.784 pessoas nas manifestações de apoio ao dirigente da oposição, indicaram organizações não-governamentais.

De acordo com os dados divulgados pela organização OVD-Info, cerca de 850 pessoas foram detidas em São Petersburgo, a segunda cidade da Rússia, onde se registaram atos de violência policial contra os manifestantes. Segundo a mesma fonte, 84 manifestantes passaram a noite nos calabouços da polícia de São Petersburgo.

Em Moscovo, as concentrações de apoio a Navalny localizaram-se perto do Kremlin e junto do edifício dos serviços de segurança e informações (FSB), não se tendo registado incidentes. Mesmo assim, de acordo com a OVD-Info, 30 pessoas foram detidas nos dois locais.

Verificaram-se detenções em 95 cidades da Rússia, principalmente em Oufa (119 detidos), Kazan (68) e Barnaoul (58).

Os manifestantes apelam à libertação de Navalny, que se encontra em greve de fome há mais de três semanas e cujo estado de saúde é considerado grave.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Qual quê? não que desta vez com o encorajamento dos americanos a colocar armas e soldados e mais as tropas da Europa na Ucrãnia, para enfrentaram esse assassino” Putin”, ele pensou duas vezes pois acho que era a queda dele definitivamente, que milhões de Russos esperam á anos.

  2. Os ucranianos têm todo o direito de defender o seu território, quanto aos rebeldes russos que habitam na parte leste só têm duas coisas a escolher, acatam as leis ucranianas e respeitam a integridade do país ou se não lhes agrada atravessam a fronteira e vão para território russo. Este problema vem da ocupação soviética e os ucranianos continuam a ser vítimas do ocupante e agressor.

  3. Este artigo é um modelo de “imparciallidade” no tratamento da Rússia. Para começar a Rússia não “anexou” a Crimeia, foi a Crimeia que solicitou a sua adesão à Federação Russa, por via de um referendo – nunca contestado – em que mais de 95% dos eleitores votaram a favor dessa adesão. E as tropas russas junto à fronteira com a Ucrânia foram apenas um sinal de que em poucas horas a Rússia estaria pronta a reagir a qualquer tentativa da Ucrânia para atacat o Donbass ou a própria Crimeia. Os americanos perceberam, agora vamos a ver se os extremistas ucranianos também perceberam.

    Quanto a Navalny decidiu abandonar a “greve da fome” a que se tinha vindo a sujeitar. É possível que estivesse com apetite e que tivesse percebido que na Rússia praticamente ninguém lhe dá qualquer importância.

RESPONDER

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve

Vacinas contra a covid-19 para menores de 16 anos podem ser aprovadas em breve. Contudo, os especialistas têm dúvidas em relação à necessidade de vacinar os mais jovens. Atualmente há apenas uma vacina contra a covid-19, …

Netanyahu não conseguiu formar Governo em Israel. Segue-se Lapid

Esta quarta-feira, Reuven Rivlin, Presidente de Israel, chamou Yair Lapid, líder do partido Yesh Atid, para lhe entregar a responsabilidade de formar um Governo que consiga o apoio do Knesset (Parlamento). O partido de Yair Lapid, …

Almofada de prevenção contra a pandemia. Câmara de Lisboa quer pedir 20 milhões à banca

A Câmara Municipal de Lisboa quer contrair um empréstimo de 20 milhões de euros junto do BPI, uma almofada de prevenção para fazer face às despesas correntes emergentes do combate à pandemia de covid-19. O Público …

Resort Zmar

BES, falência e um fundo abutre. Resort Zmar "deve 60 milhões de euros ao Estado"

Os proprietários das casas privadas do empreendimento turístico Zmar, na Zambujeira do Mar, em Odemira, continuam a protestar contra o alojamento de imigrantes por causa da covid-19. Isto numa altura em que se revela que …

Há estranhas rádios-fantasma na Rússia (e exploradores entraram numa delas)

Aos 14 anos, um jovem comprou um rádio de ondas curtas e estava a testá-lo quando encontrou a transmissão errada - uma rádio fantasma. Imagine que é um entusiasta da rádio, sozinho à noite, a trabalhar …

Deputado do Bloco acusado de violência doméstica avança com queixa em tribunal

Catarina Alves, ex-namorada do deputado Luís Monteiro, acusa-o de violência doméstica. O bloquista nega as acusações e diz que vai apresentar queixa no tribunal. Luís Monteiro vai apresentar queixa contra a ex-namorada que o acusou de …

Gestão do Novo Banco vai receber bónus de 3,9 milhões em 2022

A equipa de administração do Novo Banco tem à sua espera um bónus de 3,9 milhões de euros no próximo ano. O banco registou prejuízos de 1.329 milhões de euros no ano passado. O Novo Banco …

Ainda não há planos para vacinar voluntários com AstraZeneca e J&J (nem dados sobre combinação de vacinas)

A vacinação de voluntários com menos de 60 ou 50 anos que aceitem receber as vacinas da AstraZeneca ou da Johnson & Johnson ainda não tem planos ou datas para arrancar. A Comissão de vacinação …

Celebrar ou cancelar Napoleão? 200.º aniversário da morte do imperador desperta debate em França

No 200.º aniversário da morte de Napoleão Bonaparte, o presidente francês Emmanuel Macron optou por fazer o que os seus antecessores evitaram. Ao escolher colocar uma coroa de flores esta quarta-feira no túmulo de Napoleão sob …

Costa começa a namorar a esquerda. Negociações do Orçamento arrancam em julho

O Governo está a preparar-se para arrancar com as reuniões preliminares de negociação do Orçamento do Estado para 2022. O Público avança, esta quinta-feira, que os encontros formais vão ser realizados com os partidos de esquerda …