200 anos após a derrota de Napoleão, a Rússia e a França enterraram os seus soldados

David Chandler / Wikimedia

“O regresso de Napoleão”, de Charles de Steuben (1788–1856)

No ano do bicentenário da morte de Napoleão, os restos mortais dos soldados russos e franceses, que morreram durante a retirada da Rússia em 1812, foram enterrados perto do campo de batalha de Viazma, num momento incomum de unidade entre os dois países.

No último sábado, debaixo da neve e de temperaturas a rondar os -15 graus Celsius, os restos mortais de 120 soldados foram distribuídos em 8 caixões – cobertos com as bandeiras dos dois países – e enterrados ao som de uma saudação de canhão e na presença de cerca de 100 figurantes vestidos com trajes de época e dos descendentes de grandes chefes militares russos e franceses do século XIX.

Os corpos agora enterrados foram encontrados numa fossa comum entre Smolensk e Moscovo.

Entre os 120 corpos encontrados estão os de três mulheres, que provavelmente acompanharam os seus maridos durante a batalha, e os de três adolescentes. Acredita-se que todos morreram durante a batalha de Viazma.

A cerimónia deste sábado realizou-se em Viazma, cerca de 200 km ao oeste de Moscovo, e reflete um momento de unidade. numa altura em que as relações entre a Rússia e o Ocidente se encontram bastante tensas.

“A morte coloca todos em pé de igualdade: todos estão no mesmo túmulo”, afirmou Yulia Khitrovo, de 74 anos, descendente do general-chefe do czar, Mikhail Kutuzov.

“Emociona-me muito estar presente nesta cerimónia, símbolo do respeito mútuo das partes”, declarou à AFP o príncipe Joachim Murat, familiar do famoso marechal de Napoleão.

Pierre Malinowski, presidente da Fundação para o Desenvolvimento de Iniciativas Históricas franco-russas, e promotor do evento, agradeceu a presença dos familiares e “descendentes diretos dos principais atores do conflito” que juntos homenageiam estes soldados, “dirigidos pelos seus antepassados”.

Os restos mortais foram desenterrados em 2019 por uma equipa de arqueólogos russos e franceses, no sudoeste de Viazma, uma cidade com apenas 52 mil habitantes.

Vários historiadores acreditavam que esta era uma das muitas fossas comuns da Segunda Guerra Mundial, mas uma análise de especialistas da Academia de Ciências russa concluiu que se tratavam de vítimas de Napoleão, explicou à AFP a antropóloga Tatiana Chvedchikova.

A campanha de Napoleão na Rússia, conhecida neste país como a Guerra Patriótica de 1812, opôs 650 mil soldados gauleses a 900 mil russos. O conflito fez quase 400 mil mortos entre os franceses e cerca de 210 mil mortos nas hostes russas.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “200 anos após a derrota de Napoleão, a Rússia e a França enterraram os seus soldados”
    O/A jornalista acaba a notícia focada no enterro dos mortos da campanha do Napoleão de 1812 na Russia concluindo “Os conflitos desencadeados pela Rússia fizeram milhares de mortos.” Afinal, o Napoleão era russo e ninguém sabia!

RESPONDER

"Compromisso renovado da América". Cimeira da NATO em Bruxelas conta com a presença de Joe Biden

Os chefes de Estado e de Governo da NATO reúnem-se esta segunda-feira em Bruxelas para renovar os votos com a defesa coletiva e reforçar o compromisso de futuro da aliança transatlântica. Será o primeiro encontro com …

"Pior que os comunistas". Iniciativa Liberal arrasado após arraial de Santo António

O arraial de Santo António organizado pelo partido Iniciativa Liberal (IL), em Lisboa, levantou uma onda de críticas. Há quem fale em "tolice completa" e Rui Rio diz que ainda foi "pior que os comunistas", …

"Europa sem barreiras". Costa assina certificado digital que começa a ser emitido já esta semana

O primeiro-ministro, António Costa, considerou esta segunda-feira que o certificado covid-19 da União Europeia (UE) para facilitar a circulação cria uma “oportunidade de viajar em liberdade e em segurança”, avisando que se devem manter algumas …

Debandada de ingleses não fez baixar os preços no Algarve (que até podem subir)

Os preços dos alojamentos no Algarve não baixaram, apesar da debandada de turistas ingleses após Portugal ter saído da lista verde do Reino Unido. Ainda assim, a taxa de ocupação chegou mesmo aos 85% em vários …

Segurança Social transferiu 788 mil euros por engano. Conta de desempregado bloqueada

A Segurança Social enganou-se e transferiu 788 mil euros para a conta de um beneficiário de subsídio de desemprego. A transferência fez disparar alerta no sistema bancário, dando origem a processo por abuso de confiança …

Djokovic vence em Roland Garros, mas Tsitsipas teve uma palavra a dizer

O tenista sérvio Novak Djokovic impôs-se ao grego Stefanos Tsitsipas na final de Roland Garros e conquistou, pela segunda vez na carreira, o título do segundo 'major' da temporada, que terminou hoje em Paris. O número …

Boris Johnson deverá anunciar hoje adiamento do desconfinamento em Inglaterra

A última fase de desconfinamento estava prevista para 21 de junho, mas deverá ser adiada para 19 de julho em Inglaterra. O primeiro-ministro britânico deverá anunciar a decisão oficial em conferência de imprensa. O desconfinamento em …

Variante Delta deverá tornar-se dominante em Portugal (mas “não há razões para alarme")

A variante Delta está a crescer exponencialmente no Reino Unido. Em Portugal também já há "transmissão comunitária" e devido à elevada capacidade de transmissão é provável que este número cresça. Conhecida como Delta, a nova variante …

Sporting vence na Luz e sagra-se campeão português de futsal

O Sporting sagrou-se hoje campeão português de futsal pela 16.ª vez, ao vencer em casa do Benfica, que defendia o título, por 6-2, no quarto jogo da final. Pauleta (10 minutos), Tomás Paço (10), Pany Varela …

Centro-esquerda vence eleições regionais no Chile e conquista capital

O centro-esquerda chileno foi o grande vencedor da segunda volta das eleições regionais de domingo, conquistando a maioria dos cargos de governador, incluindo o de Santiago do Chile, quando estão contados 99,9% dos votos. A coligação …