200 anos após a derrota de Napoleão, a Rússia e a França enterraram os seus soldados

David Chandler / Wikimedia

“O regresso de Napoleão”, de Charles de Steuben (1788–1856)

No ano do bicentenário da morte de Napoleão, os restos mortais dos soldados russos e franceses, que morreram durante a retirada da Rússia em 1812, foram enterrados perto do campo de batalha de Viazma, num momento incomum de unidade entre os dois países.

No último sábado, debaixo da neve e de temperaturas a rondar os -15 graus Celsius, os restos mortais de 120 soldados foram distribuídos em 8 caixões – cobertos com as bandeiras dos dois países – e enterrados ao som de uma saudação de canhão e na presença de cerca de 100 figurantes vestidos com trajes de época e dos descendentes de grandes chefes militares russos e franceses do século XIX.

Os corpos agora enterrados foram encontrados numa fossa comum entre Smolensk e Moscovo.

Entre os 120 corpos encontrados estão os de três mulheres, que provavelmente acompanharam os seus maridos durante a batalha, e os de três adolescentes. Acredita-se que todos morreram durante a batalha de Viazma.

A cerimónia deste sábado realizou-se em Viazma, cerca de 200 km ao oeste de Moscovo, e reflete um momento de unidade. numa altura em que as relações entre a Rússia e o Ocidente se encontram bastante tensas.

“A morte coloca todos em pé de igualdade: todos estão no mesmo túmulo”, afirmou Yulia Khitrovo, de 74 anos, descendente do general-chefe do czar, Mikhail Kutuzov.

“Emociona-me muito estar presente nesta cerimónia, símbolo do respeito mútuo das partes”, declarou à AFP o príncipe Joachim Murat, familiar do famoso marechal de Napoleão.

Pierre Malinowski, presidente da Fundação para o Desenvolvimento de Iniciativas Históricas franco-russas, e promotor do evento, agradeceu a presença dos familiares e “descendentes diretos dos principais atores do conflito” que juntos homenageiam estes soldados, “dirigidos pelos seus antepassados”.

Os restos mortais foram desenterrados em 2019 por uma equipa de arqueólogos russos e franceses, no sudoeste de Viazma, uma cidade com apenas 52 mil habitantes.

Vários historiadores acreditavam que esta era uma das muitas fossas comuns da Segunda Guerra Mundial, mas uma análise de especialistas da Academia de Ciências russa concluiu que se tratavam de vítimas de Napoleão, explicou à AFP a antropóloga Tatiana Chvedchikova.

A campanha de Napoleão na Rússia, conhecida neste país como a Guerra Patriótica de 1812, opôs 650 mil soldados gauleses a 900 mil russos. O conflito fez quase 400 mil mortos entre os franceses e cerca de 210 mil mortos nas hostes russas.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. “200 anos após a derrota de Napoleão, a Rússia e a França enterraram os seus soldados”
    O/A jornalista acaba a notícia focada no enterro dos mortos da campanha do Napoleão de 1812 na Russia concluindo “Os conflitos desencadeados pela Rússia fizeram milhares de mortos.” Afinal, o Napoleão era russo e ninguém sabia!

RESPONDER

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela …

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …

EUA e UE precisam "enfrentar juntos" a crise climática, diz Timmermans

O vice-presidente executivo da Comissão, Frans Timmermans, encarregado de supervisionar a acordo, pediu na segunda-feira uma atuação conjunta dos Estados Unidos (EUA) e da União Europeia (UE) para lidar com a crise climática e outras …

Transações com criptomoedas passam a ser ilegais na China

O banco central da China declarou ilegais todas as transações que envolvam a bitcoin e outras moedas virtuais, intensificando uma campanha para bloquear o uso de dinheiro digital não oficial. Após o anúncio, revelou esta sexta-feira …

Eduardo Bolsonaro e dois ministros de Estado testam positivo à covid-19

O filho do Presidente do Brasil, que também é deputado federal, é o terceiro membro da delegação brasileira que viajou para os EUA a testar positivo para a covid-19. O deputado federal brasileiro Eduardo Bolsonaro, filho …

Avião russo invade espaço aéreo da Estónia pela sexta vez este ano

A Estónia informou na quinta-feira que um avião da força aérea russa violou o seu espaço aéreo, sendo o sexto incidente do género este ano. A intrusão terá ocorrido ao meio-dia de quarta-feira, quando o avião …

Abel montou uma "equipa pequena, a jogar sempre com receio"

Opinião proveniente do Brasil lamenta a forma como o campeão sul-americano se apresenta em campo. É campeão sul-americano, por ter vencido a última Copa Libertadores, está a um jogo de estar novamente na final da Libertadores …

Pandemia com tendência decrescente nos serviços de saúde e na mortalidade

Portugal regista uma situação pandémica de “intensidade moderada”, mas com uma tendência decrescente da pressão sobre os serviços de saúde e na mortalidade associada à covid-19, refere o relatório das “linhas vermelhas” hoje divulgado. Segundo a …