/

Robert Ballard encontrou o Titanic em 1985. Agora, está à procura do avião de Amelia Earhart

NASA / Wikimedia

Robert Ballard já encontrou o inafundável Titanic, o porta-aviões USS Yorktown perdido durante a Batalha de Midway e o famoso PT-109, barco-patrulha pilotado pelo então tenente John F. Kennedy, que se afundou no Mar de Salomão. Agora, tem uma nova missão.

O explorador Robert Ballard vai viajar a 7 de agosto para Nikumaroro, ilha desabitada do Pacífico, para tentar resolver o mistério do desaparecimento da aviadora Amelia Earhart.

Earhart desapareceu em 1937, juntamente com o navegador Fred Noonan, ao tentar tornar-se a primeira mulher a circum-navegar o globo. Desde então, exploradores e investigadores têm andado obcecados com o desaparecimento, um dos maiores mistérios não resolvidos do século XX.

“Amelia Earhart está no ecrã do meu sonar há muito, muito tempo”, disse o explorador ao The Washington Post esta quarta-feira. “O meu negócio é encontrar coisas. Não quero não encontrar coisas.”

Mas as oportunidades de investigação na região, segundo o explorador, levaram-no a Nikumaroro, aproximadamente a meio caminho entre o Havai e a Austrália, num dos lugares mais remotos do planeta.

Ballard disse que as suas equipas, em terra e no leito oceânico, vão operar com base na teoria mais popular: que Earhart pousou o avião num coral recortado no lado noroeste de Nikumaroro e enviou inúmeras mensagens de rádio, cada vez mais desesperadas, até a maré arrastar o avião para longe.

De acordo com esta teoria, Earhart morreu na ilha, deixando alguns a especular incessantemente se os ossos recuperados na zona seriam seus. O Lockheed Model 10 Electra de Earhart, sustenta a teoria, terá sido levado pelo mar e arrastado para o abismo do oceano. A conclusão oficial da Marinha dos EUA é que Earhart e Noonan morreram pouco depois de colidirem com o Oceano Pacífico.

Se Earhart teve de fazer uma aterragem de emergência, teria visto Nikumaroro como um dos poucos locais possíveis para o fazer na região.

Na busca de Ballard, uma equipa irá explorar Nikumaroro com cães farejadores de ossos. Ballard e Allison Fundi irão vasculhar as profundezas do oceano em redor da ilha. Os tripulantes a bordo do Nautilus irão mapear a área com equipamentos de imagem montados no casco, que conseguem distinguir a dureza dos objetos .

O sonar normal não será usado nesse terreno. Nikumaroro é um conjunto de cumes vulcânicos que saltam da crosta terrestre, transformando a região num emaranhado de vales. Quando a área for mapeada, dois navios robóticos equipados com uma câmara percorrerão o fundo do mar.

Ballard, fundador do Ocean Exploration Trust, disse que a sua missão vai aproveitar grande parte da evidência da teoria do pouso reunida por outro grupo, o Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves. A expedição de Ballard é financiada em conjunto pela National Geographic Partners e pela National Geographic Society.

A missão também é um evento televisivo para a National Geographic, que exibirá um especial sobre a expedição e o legado de Earhart em outubro.

Doze anos depois de as mulheres terem conquistado o direito a votar, em 1932 Earhart tornou-se a primeira mulher a atravessar o Oceano Atlântico. Cinco anos mais tarde, teria sido a primeira mulher a voar à volta do mundo — se tivesse terminado o seu voo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.