Amelia Earhart pediu socorro (mas ninguém a conseguiu salvar)

NASA / Wikimedia

Amelia Earhart à frente do Lockheed Electra em que desapareceu, em 1937

Mais de 80 anos volvidos após a morte da pioneira da aviação, que desapareceu com o seu navegador sobre o Pacífico, uma nova investigação descreve o que podem ter sido os seus últimos e angustiantes dias – Amelia Earhart pediu socorro, mas ninguém a conseguiu ajudar.

Na semana após o desaparecimento do seu avião – a 2 de julho de 1937 – foram relatadas mais de 120 denúncias. Pessoas de todo o mundo alegavam ter captado sinais de rádio e pedidos de socorro de Amelia Earhart depois de o avião ter desaparecido dos radares – 57 foram considerados confiáveis.

Richard Gillespie, diretor executivo do Grupo Internacional para Recuperação Histórica de Aeronaves, analisou as transmissões finais, pintando um cenário da situação que mostra o desespero da aviadora ao longo dos sete dias que podem ter antecedido a sua morte. Neste novo estudo, que desafia as justificações até agora apontadas, o especialista esboça uma cronologia, hora a hora dos acontecimentos posteriores à queda do avião.

“Avião caído numa ilha que não está nos mapas. Pequena e desabitada. Parte do avião em terra”, esta é umas das comunicações que Earhart terá feito numa das transmissões.

A primeira grande conclusão de Gillespie aponta que Earhart não terá morrido assim que o avião caiu, nem que a aeronave terá desaparecido imediatamente no mar, ao contrário do que foi apontado como mais provável causas durante os últimos anos.

Pedidos de ajuda e desespero

Segundo o especialista, a aviadora terá feito vários pedidos de ajuda após o seu Lockheed Electra ter caído. Numa das transmissões, intercetada por uma mulher do Texas, no dia da queda do avião, Earhart diz que o seu navegador, Fred Noona, estava gravemente ferido e precisava de assistência médica.

Numa outra transmissão, intercetada no mesmo dia, Nina Paxton, uma mulher de Ashland, no Kentucky, diz ter ouvido Earhart dizer que o avião se encontrava “no oceano, perto de uma ilha pequena“. Prosseguindo: “Daqui é KHAQQ [o código de identificação do seu avião]. O nosso avião está quase sem gasolina. Há água a cercar tudo que está à sua volta. Está muito escuro”, relata o Daily Mail.

A aviadora norte-americana continuou, mencionando uma tempestade que estava prestes a assolar a ilha e, por isso, continuava a dizer: “Temos que sair daqui. Não podemos ficar muito mais tempo”.

Esta é a gravação considerada mais credível atribuída à aviadora. Paxton, a mulher que intercetou a comunicação, ligou ao jornal local para contar a história, mas apenas sete dias depois após a ter ouvido.

Quase todos os sinais considerados credíveis podem ser rastreados até à ilha de Gardner, onde o avião terá despenhado, isolando-os, provavelmente num recife.

Como explica Gillespie na pesquisa, e reconstruindo uma investigação anterior do seu colega Bob Brandenburg, os sinais só poderiam ter sido enviados à noite, quando a água estivesse a 30 centímetros do avião, deixando a hélice fora de água.

O especialista concluiu que os períodos de angústia, nos quais Earhart pedia ajuda, correspondiam ao período em que a água no recife estava baixa, permitindo assim fazer as comunicações.

“Os rádios dependiam das baterias do avião, mas as baterias eram necessárias para dar a partida no motor de estibordo que é equipado com um gerador que recarrega as baterias”, escreve o pesquisador. “Se os pilotos perdidos descarregassem as baterias ao enviar chamadas de socorro, não seriam capazes de ligar o motor”, sustenta.

“A única coisa sensata a fazer era enviar chamadas de rádio quando o motor estava a funcionar e a carregar as baterias. Mas no recife, a maré sobe e a maré baixa”, continuou. Por isso, os sinais só poderiam ser enviados quando a maré estivesse baixa, a cerca de 30 centímetros.

A maioria das comunicações eram feitas à noite, provavelmente porque a escuridão trazia temperaturas mais baixas depois de longos e quentes dias de sol na ilha.

Cada período de transmissão ativa durava cerca de uma hora, seguindo-se um período de silêncio que durava cerca de uma hora e meia. De acordo com Gillespie, este momento repetia-se todos os dias até a maré alta ou a luz do dia.

No dia seguinte, a 4 de julho, uma jovem de 16 anos, Dana Randolph, do estado de Wyoming, ouviu alguém dizer: “Quem fala é Amelia Earhart. O avião está um pouco a sul do equador”. Logo a seguir, segundo o relato de Randolph, Earhart começou a detalhar a sua localização, mas a voz foi-se perdendo.

Nos dias seguintes, as transmissões continuavam a ser intercetadas, mas com muito ruído e cada vez mais inelegíveis. “Ainda vivos. Têm que vir rápido. Digam ao meu marido que estou bem”, diz ter ouvido Howard Coons, em São Francisco.

Já no dia 5, Betty Klenk, em São Petersburgo, na Flórida, garantiu ter ouvido Earhart a pedir ajuda médica para o seu navegador que se encontrava ferido e com um comportamento “irracional”.

No dia 7 – dia onde foi intercetada a última mensagem percetível – Thelma Lovelace, em New Brunswick, no Canadá, relatou ter ouvido: “Alguém me consegue ouvir? Alguém me consegue ouvir aí? Daqui Amelia Earhart. Por favor respondam”.

“Apesar de nenhuma destas pessoas se conhecer, todas contam uma história bastante consistente sobre uma situação que se estava a deteriorar. A linguagem que Earhart usa vai mudando ao longo dos dias, à medida que as coisas pioram”, disse o investigador citado pelo USA Today.

Depois desta quarta-feira, dia 7, não houve qualquer outro sinal confiável, deixando em mistério os últimos dias de Earhart e o seu navegador, Noonan.

“Em algum momento, entre a 01h30 da manhã de quarta-feira, quando foi enviada a última transmissão credível, e a manhã de sexta-feira, dia 9, o Electra foi arrastado do recife para o oceano, onde se partiu e acabou por afundar“, escreveu Gillespie no artigo.

“Quando os três aviões da Marinha dos EUA sobrevoaram a ilha na manhã de sexta-feira, já nenhum avião foi encontrado”.

Para Gillespie, esta é a primeira vez que é possível contar a história, ainda que em fragmentos, daquilo que terão sido os últimos dias da pioneira aviadora norte-americana. O especialista publicou a pesquisa nesta terça-feira – dia que Earhart completaria 121 anos.

Em 1940, três anos após a queda do avião, um conjunto de ossos foi descoberto na Ilha Gardner, agora conhecida como ilha de Nikumaroro.

Segundo Richard Jantz, um especialista em biologia óssea da Universidade do Tennessee que analisou o esqueleto, os restos mortais encontrados têm 99% de probabilidade de pertencerem à mítica aviadora.

Há ainda uma teoria que defende que a aviadora foi capturada pelos japoneses, e que acabou por morrer durante o período de detenção.

Amelia Earhart foi a primeira mulher a voar sozinha acima dos 4.000 metros e a primeira a voar de costa a costa, sem paragens, nos EUA.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …

A maior entrada de sempre em bolsa. Saudi Aramco garante 25,6 mil milhões de dólares

Para além de fazer uma entrada em estilo na bolsa de Riade na próxima semana, com a maior IPO de sempre, a Saudi Aramco torna-se na empresa mais bem avaliada do mundo. A Saudi Aramco, petrolífera …

Novo livro revela provas de que Albert Camus foi assassinado pelo KGB

Giovanni Catelli é autor da teoria que o prémio Nobel da literatura Albert Camus foi assassinado pelo KGB. No seu novo livro, reitera essa ideia e revela algumas provas. O romancista Albert Camus foi vencedor do …