Em 2019, Amelia Earhart teria dificuldade em desaparecer

AD / Wikimedia

A lendária aviadora Amelia Earhart junto ao seu Lockheed Electra, 6 de junho 1937

Com os avanços da tecnologia, os sistemas de navegação atuais poderiam ter ajudado a salvar, ou pelo menos encontrar, a lendária aviadora Amelia Earhart.

Quando Amelia Earhart descolou em 1937 para voar ao redor do mundo, as pessoas pilotavam a apenas 35 anos, pelo que a experiência de furar os céus era muito pouca. Quando tentou voar pelo Pacífico, Amelia – e o mundo – sabiam que era muito arriscado.

A aviadora acabou por não conseguir cumprir a sua missão, tendo sido declarada morta em janeiro de 1939. Desde então, muitos outros aviões foram perdidos em todo o mundo, como é o caso do desaparecimento, em 2014, do Voo 370 da Malaysia Airlines sobre o oceano Índico.

As tecnologias inerentes à indústria da aviação estão cada vez mais avançadas. Os sistemas de monitorização dos aviões, mesmo a grandes extensões e muitos deles em tempo real, permitem que as aeronaves naveguem com muita mais facilidade.

Até 2000, os pilotos eram obrigados a usar equipamentos de localização de rádio para seguir uma rota de um aeroporto para um farol de transmissão de rádio num local fixo, e, depois, de farol em farol até chegar ao aeroporto de destino. Este era um processo demasiado complicado que, ao longo dos anos, foi facilitado à medida que as novas tecnologias iam surgindo.

Nos primeiros anos do século XXI, os pilotos das principais companhias aéreas começaram a usar o Sistema de Posicionamento Global dos Estados Unidos e outros sistemas similares que usam sinais de satélites em órbita para calcular a posição do avião.

Segundo o Phys.org, o GPS é muito mais preciso e permite que os pilotos pousem mais facilmente em condições meteorológicas adversas, sem haver a necessidade de transmissores de rádio terrestres. A navegação por satélites permite também que os pilotes voem diretamente entre os destinos, já que não precisam de seguir rotas de um radiofarol para outro.

Existem seis sistemas de navegação por satélite: o GPS, administrado pelos EUA; o Galileo, gerido pela União Europeia e pela Agência Espacial Europeia; o GLONASS russo, que cobre todo o planeta, o NAVIC da Índia que cobrre o oceano Índico, o sistema QZSS que o Japão começou a operar para melhorar a navegação no Pacífico e o BeiDou da China, que se espera que alcance o mundo inteiro até 2020.

Os sistemas operam independentemente uns dos outros, mas alguns recetores de navegação por satélite podem mesmo juntar os dados de muitos deles, fornecendo informações adicionais e preciosas aos pilotos. Assim, quando os aviões se perdem nos ares, a empresa ou o país responsável começa a procurar a aeronave, num processo que, muitas vezes, reúne esforços internacionais.

A maioria dos aviões é monitorizada por radar, mas quando os aviões voam além do alcance do radar terrestre, como em viagens de longo curso sobre os oceanos, as aeronaves são monitorizadas através de um método criado há mais de 70 anos: os pilotos têm de transmitir periodicamente o controlo do tráfego aéreo com relatórios sobre onde se encontram, a altitude e qual o próximo marco de navegação.

Nos últimos anos, foi lançado o método “Vigilância Dependente e Automática – Transmissão (ADS-B)” que envia relatórios automáticos sobre a posição dos aviões para os controladores de tráfego aéreo e para as aeronaves próximas, para que seja possível evitar colisões.

Por este motivo, GPS, ADS-B e outro sistemas de navegação poderiam ter ajudado a salvar ou, pelo menos, encontrar, Amelia Earhart e o seu navegador, Fred Noonan, impedindo-os de se perderem ou direcionando ajuda para a sua localização exata após o avião ter caído.

A verdade é que, oito décadas depois, os aviões continuam a desaparecer, apesar de ser cada vez mais difícil sair do mapa.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Tal como é dito no artigo, se ocorreu o “desaparecimento, em 2014, do Voo 370 da Malaysia Airlines sobre o oceano Índico”, sem ter sido encontrado até hoje os seus destroços, nem, tampouco, se sabe qual foi a rota depois do desvio, é questionável o título deste artigo.

  2. Tanta tecnologia e ainda desaparecem aviões enormes que nunca se saberá o seu paradeiro. Já se esqueceram do heli do INEM que se despenhou e ninguém sabia bem onde?

RESPONDER

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …

Depois dos incêndios, Austrália está prestes a experimentar uma "bonança" de aranhas mortais

Depois dos incêndios florestais que assolaram o país, os australianos começaram a implorar por chuva. O bónus de aranhas mortais não estava incluído no pedido, mas os especialistas do Australian Reptile Park acreditam que é …

Governo admite retirar cidadãos nacionais de Wuhan

As autoridades portuguesas estão a cooperar com outros países europeus para reforçar o apoio aos cidadãos nacionais que se encontram em Wuhan, onde ocorreram os primeiros casos do novo coronavírus, admitindo a possibilidade de retirá-los …

Os cogumelos podem ser muito mais antigos do que pensávamos

Os cogumelos podem ser mais antigos do que pensávamos, concluíram cientistas que dataram vestígios de micélio (constituinte dos cogumelos) com 800 milhões de anos, divulgou esta quarta-feira a Universidade Livre de Bruxelas, na Bélgica. Estudos anteriores …

Comer iogurte natural pode ajudar a reduzir o risco de cancro da mama

Uma das causas mais apontadas para o cancro da mama é a inflamação causada por bactérias nocivas. Esta tese ainda não foi provada, mas é apoiada pelas evidências até agora disponíveis de que a inflamação …

Primeiro caso suspeito de infeção por coronavírus detetado em Portugal

Foi detetado o primeiro caso suspeito de infeção infeção pelo novo coronavírus , em Portugal, anunciou este sábado a Direção-Geral de Saúde. “Este doente, regressado hoje [este sábado] da China, onde esteve na cidade de Wuhan …

Slava Semeniuta transforma chuva em atmosfera néon

O artista e fotógrafo russo Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, mistura elementos naturais e faz mágica com eles. Slava Semeniuta, também conhecido como Visual Scientist, retoca fotografias de poças de água para criar composições …

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …