Em 2019, Amelia Earhart teria dificuldade em desaparecer

AD / Wikimedia

A lendária aviadora Amelia Earhart junto ao seu Lockheed Electra, 6 de junho 1937

Com os avanços da tecnologia, os sistemas de navegação atuais poderiam ter ajudado a salvar, ou pelo menos encontrar, a lendária aviadora Amelia Earhart.

Quando Amelia Earhart descolou em 1937 para voar ao redor do mundo, as pessoas pilotavam a apenas 35 anos, pelo que a experiência de furar os céus era muito pouca. Quando tentou voar pelo Pacífico, Amelia – e o mundo – sabiam que era muito arriscado.

A aviadora acabou por não conseguir cumprir a sua missão, tendo sido declarada morta em janeiro de 1939. Desde então, muitos outros aviões foram perdidos em todo o mundo, como é o caso do desaparecimento, em 2014, do Voo 370 da Malaysia Airlines sobre o oceano Índico.

As tecnologias inerentes à indústria da aviação estão cada vez mais avançadas. Os sistemas de monitorização dos aviões, mesmo a grandes extensões e muitos deles em tempo real, permitem que as aeronaves naveguem com muita mais facilidade.

Até 2000, os pilotos eram obrigados a usar equipamentos de localização de rádio para seguir uma rota de um aeroporto para um farol de transmissão de rádio num local fixo, e, depois, de farol em farol até chegar ao aeroporto de destino. Este era um processo demasiado complicado que, ao longo dos anos, foi facilitado à medida que as novas tecnologias iam surgindo.

Nos primeiros anos do século XXI, os pilotos das principais companhias aéreas começaram a usar o Sistema de Posicionamento Global dos Estados Unidos e outros sistemas similares que usam sinais de satélites em órbita para calcular a posição do avião.

Segundo o Phys.org, o GPS é muito mais preciso e permite que os pilotos pousem mais facilmente em condições meteorológicas adversas, sem haver a necessidade de transmissores de rádio terrestres. A navegação por satélites permite também que os pilotes voem diretamente entre os destinos, já que não precisam de seguir rotas de um radiofarol para outro.

Existem seis sistemas de navegação por satélite: o GPS, administrado pelos EUA; o Galileo, gerido pela União Europeia e pela Agência Espacial Europeia; o GLONASS russo, que cobre todo o planeta, o NAVIC da Índia que cobrre o oceano Índico, o sistema QZSS que o Japão começou a operar para melhorar a navegação no Pacífico e o BeiDou da China, que se espera que alcance o mundo inteiro até 2020.

Os sistemas operam independentemente uns dos outros, mas alguns recetores de navegação por satélite podem mesmo juntar os dados de muitos deles, fornecendo informações adicionais e preciosas aos pilotos. Assim, quando os aviões se perdem nos ares, a empresa ou o país responsável começa a procurar a aeronave, num processo que, muitas vezes, reúne esforços internacionais.

A maioria dos aviões é monitorizada por radar, mas quando os aviões voam além do alcance do radar terrestre, como em viagens de longo curso sobre os oceanos, as aeronaves são monitorizadas através de um método criado há mais de 70 anos: os pilotos têm de transmitir periodicamente o controlo do tráfego aéreo com relatórios sobre onde se encontram, a altitude e qual o próximo marco de navegação.

Nos últimos anos, foi lançado o método “Vigilância Dependente e Automática – Transmissão (ADS-B)” que envia relatórios automáticos sobre a posição dos aviões para os controladores de tráfego aéreo e para as aeronaves próximas, para que seja possível evitar colisões.

Por este motivo, GPS, ADS-B e outro sistemas de navegação poderiam ter ajudado a salvar ou, pelo menos, encontrar, Amelia Earhart e o seu navegador, Fred Noonan, impedindo-os de se perderem ou direcionando ajuda para a sua localização exata após o avião ter caído.

A verdade é que, oito décadas depois, os aviões continuam a desaparecer, apesar de ser cada vez mais difícil sair do mapa.

  ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Tal como é dito no artigo, se ocorreu o “desaparecimento, em 2014, do Voo 370 da Malaysia Airlines sobre o oceano Índico”, sem ter sido encontrado até hoje os seus destroços, nem, tampouco, se sabe qual foi a rota depois do desvio, é questionável o título deste artigo.

  2. Tanta tecnologia e ainda desaparecem aviões enormes que nunca se saberá o seu paradeiro. Já se esqueceram do heli do INEM que se despenhou e ninguém sabia bem onde?

RESPONDER

Novo ano letivo marcado pelo recorde de pedidos de bolsas de estudo no superior

Número crescente de alunos e perda de rendimentos das famílias são duas das razões apontadas para os pedidos recorde. O ano letivo 2021/22 ainda agora arrancou, mas já está a bater recordes no que respeita aos …

Urgências em Lisboa estão cheias. Situação pode piorar nas próximas semanas

As urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, estão em situação crítica, com tempos de espera elevados. A situação de calamidade multiplica-se em vários hospitais do país, de …

Portugal já tem 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19

A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com os dados …

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …