“Risco mais alto do que nunca”. WWF alerta para risco de novas pandemias

Mahmoud Khaled / EPA

A associação ambientalista World Wide Fund for Nature (WWF) alerta para a possibilidade de novas pandemias como a de covid-19, porque há condições para tal, a menos que se tomem medidas urgentes.

O alerta é deixado num relatório esta quarta-feira divulgado, no qual a rede mundial de conservação da natureza identifica os fatores ambientais que impulsionam o aparecimento de doenças transmitidas aos humanos pelos animais (zoonoses), referindo a que só com uma grande mudança se pode preservar a saúde das pessoas.

Com o titulo “Covid-19: Apelo urgente para proteger pessoas e animais”, no relatório da WWF lembra-se que todos os anos surgem três a quatro novas zoonoses, algumas muito graves (como o VIH/Sida ou Síndrome Respiratória Aguda — SARS e a covid-19), e diz -se que as más normas de segurança alimentar estão a aumentar, como o comércio e consumo de animais selvagens, potenciando a exposição a doenças.

Segundo a WWF “o risco de surgir uma nova doença zoonótica no futuro é mais alto do que nunca, com o potencial de causar caos na saúde, nas economias e na segurança global”.

A covid-19, exemplifica, teve para já um impacto económico no mundo que representa quase o triplo do PIB do Reino Unido.

O comércio e consumo de animais selvagens, a desflorestação, a expansão da agricultura extensiva e a “intensificação insustentável da produção animal” são fatores que propiciam o aparecimento de zoonoses, segundo o documento.

Num comunicado divulgado pela Associação Natureza Portugal (ANP), que trabalha em associação com a WWF, lembra-se que o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19 (que já matou quase 500 mil pessoas e infetou mais de oito milhões em todo o mundo), deverá ser uma zoonose, segundo “todas as evidências disponíveis”.

E a doença não surgiu, diz-se no comunicado, por falta de avisos de cientistas e líderes de opinião. “Temos de reconhecer urgentemente a ligação entre destruição da natureza e saúde humana, ou assistiremos a uma nova pandemia em breve. Não há dúvida, e a ciência é clara, temos de trabalhar em conjunto com a natureza, e não contra ela”, disse a propósito do relatório a diretora executiva da ANP/WWF, Ângela Morgado.

Catarina Grilo, diretora de Conservação e Políticas da associação, defendeu a urgência de “restringir o comércio e o consumo de vida selvagem de alto risco, pôr fim à desflorestação e conversão de terra, assim como gerir a produção alimentar de forma sustentável”.

São medidas que, no entender da especialista, prevenirão a transmissão de agentes patogénicos para humanos.

WWF pede resposta coletiva

No relatório a WWF preconiza uma resposta coletiva que interrompa o atual ciclo, recuperando a natureza, acabando com o comércio ilegal de animais selvagens, parando com a desflorestação e a reconversão de terras. E deixa apelos nesse sentido a governos, empresas e indústrias e cidadãos.

Devido à covid-19, lembra a WWF, o Governo chinês proibiu o consumo de animais selvagens a 24 de fevereiro, e pode mesmo aprovar uma Lei de Proteção de Vida Selvagem, que será das mais “robustas e rigorosas”.

Mas é preciso mais, defendem os ambientalistas no documento, salientando que o atual sistema alimentar é insustentável e está a fazer com que muitos espaços naturais sejam convertidos para agricultura intensiva, “fragmentando ecossistemas naturais e aumentando as interações entre a vida selvagem, animais domésticos e humanos”.

E dão um exemplo: desde 1990 desapareceram 178 milhões de hectares de floresta, um número equivalente ao tamanho da Líbia, o 18.º maior país do mundo. A cada ano, acrescentam, cerca de 10 milhões de hectares de floresta estão a desaparecer, para dar lugar a terras para agricultura e outros usos.

“A crise da covid-19 demonstra que mudanças sistémicas devem ser feitas de forma a abordar os fatores ambientais das pandemias. A ANP|WWF advoga uma abordagem conjunta, que ligue a saúde das pessoas, dos animais e do ambiente e apela a que esta ligação seja incluída nas tomadas de decisão referentes à vida selvagem e ao uso de terras”, pode ler-se no mesmo comunicado.

A ANP/WWF considera a cimeira da ONU sobre diversidade biológica, agendada para setembro, um momento importante para “os líderes mundiais acelerarem a ação em relação à natureza”.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Interessante ser colocado agora tudo no mesmo saco e um alarmismo geral; não entendo é como não é difundido a sério o papel de encobrimento da divulgação de informação por parte da China, e a mesma ser sancionada, tal como a WHO e o conluio da mesma com a China.

    Ninguém acorda para esta realidade? Deixem-se de alarmismos e responsabilizem quem provocou a pandemia e a encobriu – Dúvidas? Existem várias provas factuais, basta uma simples busca nos motores de pesquisa.

    Este tipo de alarmismo além de prejudicar a economia mundial e cada um de nós, já cansa pela falta da inércia da responsabilização dos maus ‘atores’ das diversas organizações e países.

    Por exemplo: em Portugual continuamos com a HUAWEI felizes e contentes – no mínimo triste!
    (Não vê a relação? Pesquise! Informe-se!)

    • O Sr. está um pouco confuso. Os motores de busca também nos dão “provas factuais” de que a Terra é plana, se for essa a sua crença. Com mais ou menos conspiração chinesa, a verdade é que tanto o COVID-19 como muitas das epidemias recentes estão diretamente ligadas ao facto de não haver respeito pela natureza, nem um desenvolvimento humano em equilíbrio com a mesma. O resto é conversa politiqueira barata. E este artigo nem sequer menciona o problema da utilização massiva de antibióticos na produção animal, por vezes de forma totalmente irresponsável (caso da Índia) – que mais tarde ou mais cedo vai levar a um gravíssimo problema de saúde pública mundial devido a bactérias multiresistentes. O atual modelo de desenvolvimento é completamente insustentável, e se acha que este tipo de “alarmismo (…) prejudica a economia mundial”, imagine como ficará a economia mundial com uma pandemia ainda pior que esta ou quando não existirem mais recursos no planeta para explorar. Informe-se e pesquise, mas de preferência mais em sites com informação científica fidedigna, e menos em sites de politiquismo barato e de teorias da conspiração. E olhe que mudar ou evoluir a nossa opinião é sinal de inteligência, não de fraqueza.

RESPONDER

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …

Bastonário dos Médicos sugere uso obrigatório de máscara na rua (e em todo o país)

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, sugere que o Governo pondere decretar o uso obrigatório de máscara no espaços exteriores de todo o país, à semelhança do que fez a Região Autónoma da …