A promoção de Galamba e a despromoção de Centeno. Rio ao ataque no Parlamento

Rodrigo Antunes /Lusa

Já arrancou no Parlamento o debate do programa do Governo, com Rio Rio a assumir um tom mais crítico do que vem sendo habitual e António Costa a prometer “uma nova página de prosperidade”, depois de ultrapassada a da “austeridade”.

Depois da austeridade, a “prosperidade”. É a “nova página” que António Costa promete abrir no arranque do debate do programa do Governo que começou, nesta quarta-feira, no Parlamento, com Rui Rio a assumir um tom mais crítico do que vem sendo habitual.

Uma das primeiras farpas do líder do PSD a António Costa prende-se com a constituição do Governo que é o maior de sempre em democracia. “É o governo mais caro e maior da história toda de Portugal”, criticou Rio, salientando que é quase preciso “um roteiro para a gestão” do Executivo que é composto por 70 pessoas.

Em resposta a Rio, Costa aconselhou-o a preocupar-se com o que lhe compete, designadamente “com a redução do tamanho do seu grupo parlamentar“.

Na abertura do debate, Rio também referiu a “despromoção” do ministro das Finanças, referindo-se ao facto de Mário Centeno ficar de fora da discussão do programa do Governo. “O Ronaldo é despromovido na hierarquia do Governo”, apontou Rio, concluindo que Costa prescindiu do seu “emblema máximo”.

Pode dizer que o senhor ministro não vai sair do Governo durante o próximo ano, designadamente quando terminar a presidência do Eurogrupo e terminar o mandato do Governador do Banco de Portugal? Está de pedra e cal e não é um ministro a prazo?”, questionou Rio sobre Centeno.

O líder do PSD falou ainda da “promoção” de João Galamba na estrutura do Governo, lembrando o negócio do lítio e as suspeitas em torno da concessão da exploração “a uma empresa que tinha três dias, tinha sede numa freguesia do PS, constituída com 50 mil euros para um negócio de 350 milhões de euros, e concessionou sem estudo de impacto ambiental”.

Será que “está em condições de dizer a esta câmara e ao país que, no plano legal político e ético, o Secretário de Estado [João Galamba] agiu bem, sem qualquer mácula?”, perguntou Rio a Costa.

“Não transforme o Parlamento em julgamentos de tabacaria“, ripostou Costa.

Avisos à esquerda

No debate no Parlamento, notou-se também uma troca de palavras de desafio entre Costa e os parceiros da geringonça.

“Sem os votos de toda a esquerda e os votos do PAN, a direita não vence a esquerda nesta Assembleia da República e este dado não é aritmético, é político”, vincou o primeiro-ministro, reforçando que o PS tem a responsabilidade de “promover o diálogo e o compromisso”, mesmo sem um acordo escrito, mas denotando que Bloco de Esquerda (BE) e PCP não devem fugir às suas responsabilidades.

“A nossa responsabilidade é o nosso mandato, e nós cá estamos para negociar soluções concretas para melhorar a vida das pessoas, é nisso que estamos empenhados”, sustentou Catarina Martins. “A pergunta da legislatura é se o PS e o Governo estão dispostos a essa negociação”, desafiou a líder do Bloco.

“Obviamente, sim”, foi a resposta clara de Costa, apontando que não foi por ter “ganho mais lugares e encolhido o PSD” que o PS se desviou “para a direita”. “O nosso lugar é onde nascemos: da esquerda democrática”, afirmou.

Também Jerónimo de Sousa desafiou Costa a responder se “vai ou não o Governo convergir com as propostas do PCP“, falando de um programa “vago” e enumerando o aumento geral dos salários como uma “emergência nacional” e o salário mínimo de 850 euros como as grandes prioridades do seu partido.

Enquanto houver caminho para andar, vou andar, e espero não andar sozinho“, salientou Costa, abrindo a porta a entendimentos com os comunistas.

“Estamos aqui para dar continuidade à mudança que iniciámos em 2015”, acrescentou o primeiro-ministro.

Costa consciente de que não lhe basta “mais do mesmo”

Na abertura do debate do programa de Governo, Costa prometeu que, depois de “virar a página da austeridade”, é tempo de abrir “uma nova página de prosperidade”. E apresentou o “roteiro” do Governo nesse sentido, falando de travar as alterações climáticas, da modernização do Estado, do fim da precariedade, do desenvolvimento do Interior e do combate às desigualdades.

Prometendo reforços do investimento nos transportes, na Saúde e na Educação, a subida de todos os salários e o incentivo à contratação de jovens qualificados, Costa garantiu que vai governar “com humildade, mas ambição, sabendo que os desafios são muitos”, mas “com a confiança de os superar”.

Costa vincou também que está consciente de que não basta ao seu Governo “mais do mesmo” em relação à anterior legislatura e que é necessário obter melhores resultados, pelo que “o desafio é ainda maior“.

“Temos agora de fazer ainda mais e melhor“, declarou o líder do executivo, assumindo como como objectivos para o país alcançar “ainda mais crescimento, ainda melhor emprego, ainda maior igualdade e sempre com contas certas“.

O debate do programa do Governo encerra na quinta-feira com a intervenção do ministro de Estado e Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Com o GALAMBA (O Novo Sócrates do PS) – vamos ter mais casos tipo “Marquês).

    O que se passou com a assinatura (despacho do sr. Galamba) – é só…, uma vergonha.
    Nada que o PS não tenha já habituado os portugueses. É pura arrogância a retórica do primeiro ministro deste Grande Império: MINISTROS E SECRETÁRIOS DE ESTADO + ALCABALAS com subs e acessores.
    E eu a pensar que vivia num país de apenas “cerca de 11.000.000 de habitantes”.

      • Mas como é possível alguém defender este “larápios” que nos roubam Bem à frente dos nossos olhos… usando como argumentação “As Governações do PSD foram sempre perfeitas”????
        O problema está no facto de existir muita “roubalheira” em toda a classe política.
        Como é que se defende uns com os exemplos dos outros.
        Não podemos defender estes tipos.

        • “Só conversa fiada”? “Toda a classe política”? “Onde está ou onde vive a classe não política”? “Larápios, ladrões, roubalheira”… Onde? Já reparou que em todas as suas afirmações não apresenta um caso concreto…

  2. Sr. Francisco Soares, não lhe ficaria nada mal se adotasse uma postura nivelada por cima, não contribuindo com afirmações que nunca vai conseguir provar, se a isso for chamado.
    Além disso, os hábitos a que o senhor alude, vêm de todos os quadrantes políticos e não só do PS, como todos os portugueses confirmarão, sendo esse seu servilismo ao partido como se de clubite se tratasse, incomportável nos dias que correm. A informação hoje chega e rápidamente a todos os locais, e o povo já não é assim tão burro como o sr. pretenderia. Esse mesmo povo, ainda há pouco foi chamado a votar, e os que assim o entenderam, expressaram a sua opinião clara e maioritáriamente PS, por isso, respeite e aprenda a viver em democracia.
    Como diria a minha netinha com 2 anos: Juízinho.

    • Muito bem Sr. A.C.B.S.
      Esta gente que fala como o Sr Francisco Soares são os que mais fogem aos impostos e fazem mais falcatruas, só que ás vezes são pequenas porque não tem oportunidade de fazer maiores

  3. afinal tudo está desculpado.
    podem roubar á vontade que o povo gosta..vigarices a mais vigarices, mais não se passa nada, é tudo normal.
    pobre povo….e quem roubava e era fascista….morreu pobre.

    • “e quem roubava e era fascista….morreu pobre.”
      Pobre é o teu conhecimento!!
      Quem dera a muito rico que por aí andam, ter uma vida tão boa como teve esse que “coitadinho” que “morreu pobre”!…
      Isto, enquanto a maioria do população vivia como se sabe…

RESPONDER

PSD propõe solução ao Governo para reduzir injeção no Novo Banco

O PSD defende que o Governo tem um argumento jurídico que pode usar para limitar os pagamentos do Fundo de Resolução ao Novo Banco este ano. Em causa está um artigo do Código Civil que …

Quarentena de 21 dias, testes e fecho de casinos levam Macau a erradicar covid-19

Macau, um dos primeiros territórios a identificar o novo coronavírus, é agora um dos locais livres de covid-19, estando há cerca de 380 dias sem qualquer registo de infeção local, segundo os dados oficiais. O …

Costa preocupado com desconfinamento. Concelhos de risco dão dores de cabeça

Com a terceira fase de desconfinamento aí à porta, o Governo ainda tem dúvidas sobre o que fazer, mantendo algumas pontas soltas. A maior preocupação incide nos conselhos onde há mais casos. Durante a reunião do …

Para prevenir acidentes, China inaugura o primeiro semáforo para camelos do mundo

Autoridades do norte da China inauguraram este domingo o que dizem ser o primeiro sinal de trânsito para camelos do mundo perto da cidade de Dunhuang, província de Gansu. O semáforo para camelos entrou em operação …

PRR terá mecanismo de fiscalização no Parlamento. PSD quer bazuca durante a presidência portuguesa da UE

O ministro do Planeamento, Nelson Souza recebeu nesta terça-feira, os partidos com assento parlamentar e as deputadas não inscritas para conversas bilaterais sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Trata-se da chamada "bazuca" que virá …

Ministro da Saúde austríaco demite-se por falta de apoio na gestão da pandemia

O ministro da Saúde de Áustria, Rudolf Anschober, anunciou esta terça-feira a sua demissão, devido à falta de apoio na gestão da crise pandémica, cessando funções na próxima segunda-feira. "A situação é dramática nos serviços de …

OMS quer suspender venda de mamíferos selvagens vivos em mercados de alimentos

A Organização Mundial de Saúde defende a suspensão da venda de mamíferos selvagens vivos nos mercados de alimentos para evitar a propagação de doenças, avança a AFP. "Os animais, especialmente os selvagens, são a fonte de …

“Frescura, juventude e capacidade“. Coligação improvável em Penafiel junta PS e partido de Tino de Rans

O PS e o partido RIR, liderado pelo ex-candidato presidencial Vitorino Silva, formaram a coligação Penafiel Unido, que vai concorrer às autárquicas em Penafiel, distrito do Porto, com Paulo Araújo Correia como cabeça de lista, …

Marcelo, IL e Chega querem avanço do desconfinamento. PSD pede travão nos concelhos de maior risco

Marcelo Rebelo de Sousa ouviu os partidos ao longo desta tarde. A renovação de mais um Estado de Emergência está na mira, mas há quem não concorde. O Presidente da República começou por receber o Iniciativa …

MP "não nos ligava patavina. Zero", disse major Vasco Brazão

O major Vasco Brazão, ex-porta-voz da Polícia Judiciária Militar (PJM), disse esta terça-feira ao coletivo de juízes do Tribunal de Santarém que o Ministério Público (MP) não "ligava patavina" à investigação e às diligências sobre …