Reino Unido enviou cartas com ameaça de detenção e deportação a cidadãos da UE

Eva Johanna Holmberg / Facebook

Eva Johanna Holmberg, finlandes, foi ameaçada de deportação no Reino Unido

O ministério do Interior do Reino Unido enviou cerca de uma centena de cartas a cidadãos da União Europeia residentes em território britânico, com a informação de que corriam o risco de serem detidos e deportados. O governo já se desculpou.

Brexit

Segundo a BBC, o governo veio a público confessar que se tratou de “um erro”. O erro foi detetado quando uma académica finlandesa, que vive no Reino Unido legalmente, recebeu uma das cartas.

Eva Johanna Holmberg, casada com um cidadão britânico, disse “não poder acreditar no que via” quando leu que tinha um mês para abandonar o país. No entanto, fonte do ministério do Interior confirmou que os direitos de residência dos cidadãos da UE “se mantinham inalterados”.

A mesma fonte não identificada acrescentou que todos os estrangeiros que receberam uma carta destas serão contactados para “clarificar que devem ignorá-la“.

“Um número limitado de cartas foram enviadas por erro e estamos a analisar com a maior celeridade possível a razão por que isso aconteceu”, garantiu ainda a mesma fonte, descrita como um porta-voz do ministério.

O caso emergiu depois de aquela professora universitária ter partilhado a sua história nas redes sociais. Pouco depois, a sua descrição do caso espalhava-se por diferentes contas no Twitter.

“Na quinta-feira recebi uma carta do ministério do Interior dizendo-me que ‘tinha sido tomada a decisão de me retirarem do Reino Unido, ao abrigo do artigo 10º da lei sobre Imigração e Asilo de 1999’… e que eu sou considerada uma ‘pessoa sujeita a deportação, dado que falhou em ter provado que exerce direitos protegidos por tratado no Reino Unido'”.

A professora finlandesa, especialista em História, que trabalha numa universidade londrina esclareceu ainda: “A carta dava-me um mês para sair, a contar da data da notificação”.

Trata-se de “uma decisão absurda, tomada apesar de eu pagar aqui impostos, ser casada com um britânico e atualmente estar empregada também na Universidade de Helsínquia. Este disparate sem sentido envelheceu-me pelo menos cinco anos desde quinta-feira e torna-me ainda menos capaz de confiar seja no que for que Amber Rudd, Theresa May ou David Davis digam para acalmar os cidadãos da UE”, remata a docente.

Esta quarta-feira a finlandesa foi contactada pessoalmente pelo Ministério do Interior, que lhe pediu desculpa – seis dias depois de ter recebido a carta.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Totalmente depauperado". Bruno de Carvalho pede dispensa das sessões de julgamento

O ex-presidente do Sporting, que disse ser comentador desportivo, pediu dispensa das sessões, alegando não ter meio de transporte e estar completamente "depauperado". Arrancou, esta segunda-feira, no Tribunal de Monsanto, em Lisboa, o julgamento de 44 …

Nike deixa de vender produtos através da Amazon

A marca desportiva Nike vai deixar de vender as suas peças de roupa e calçado diretamente através da Amazon, acabando com um contrato firmado em 2017, no qual concordava em vender uma variedade limitada de produtos …

Marco António Costa apoia Pinto Luz. Cavaco também era “improvável e desconhecido”

O antigo vice-presidente do PSD declarou, esta segunda-feira, o seu apoio ao candidato Miguel Pinto Luz, afirmando que, em 1985, Cavaco Silva também foi um vencedor "improvável e desconhecido". "Em maio de 1985, o Governo de …

Veneza com "centenas de milhões" de euros de prejuízo por causa das cheias

A cidade de Veneza, com inundações nos últimos dias, voltou este domingo a registar uma maré alta, mas de menor magnitude, tendo as chuvas intensas que afetam Itália levado a alertas para as cidades de …

Vila Galé abandona projeto que ameaçava reserva indígena no Brasil

O Vila Galé anunciou que vai abandonar o projeto para a instalação de um resort na região da Bahia, que tem estado debaixo de críticas por estar previsto para um local de potencial reserva indígena. Em …

Depois de ter sido expulsa da Hungria, universidade criada por George Soros reabre na Áustria

A Universidade da Europa Central, criada pelo bilionário George Soros em Budapeste, na Hungria, em 1991, foi expulsa do país depois que o primeiro-ministro Viktor Orbán a acusou de promover valores liberais no país, incluindo …

Bloco defende fim de portagens nas ex-Scut do interior

A coordenadora do BE defendeu esta segunda-feira, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de "rever" as parcerias público-privadas rodoviárias por serem "absolutamente lesivas para os cofres …

Jovem muçulmana de Tavira já tem equipamento para jogar basquetebol

A jovem atleta do Clube de Basquetebol de Tavira, impedida de alinhar num jogo no passado domingo, já possui o equipamento que lhe permite jogar segundo as regras da modalidade e da religião muçulmana. Fátima Habib …

Presidente da Catalunha começa a ser julgado por desobediência

O presidente do Governo regional da Catalunha reconheceu, esta segunda-feira, que não cumpriu a ordem da comissão nacional de eleições espanhola de remover os símbolos separatistas alegando ser "ilegal" e de cumprimento "impossível". "Sim, eu desobedeci", …

Um restaurante acabou de abrir a um quarteirão da Casa Branca. Chama-se "Comida de Imigrante"

Um restaurante chamado "Immigrant Food" ("Comida de Imigrante") abriu a um quarteirão da Casa Branca. O local quer fazer com que ajudar imigrantes seja tão fácil como pedir comida de um menu. Assim, além de comida, …