Redução do IRS pode só acabar em 2019 (a tempo das próximas eleições)

Clara Azevedo / portugal.gov.pt

Primeiro-Ministro António Costa conversa com deputada Catarina Martins (BE) antes do encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2016

Primeiro-Ministro António Costa conversa com deputada Catarina Martins (BE) antes do encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2016

A reforma dos escalões do IRS pode afinal, ser faseada e só se concretizar em 2018 e em 2019, com o beneplácito do Bloco de Esquerda e do PCP, devido ao elevado custo da aplicação da medida de uma só vez, e a tempo das próximas eleições legislativas.

O Programa de Estabilidade e Crescimento aprovado pelo Governo em Conselho de Ministros, na passada quinta-feira, colocou em cima da mesa uma redução de 200 milhões de euros no IRS em 2018. Mas o número é considerado demasiado elevado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP.

Assim, o Governo poderá avançar com a redução faseada do IRS em dois anos, ou seja, em 2018 e em 2019, conforme avança o jornal Público.

Mário Centeno, ministro das Finanças, tinha avançado em Março passado que o IRS baixará “para os que mais necessitam” já em 2018.

A ideia do Governo é reverter a eliminação de três escalões de IRS implementada pelo governo anterior, durante a liderança de Vítor Gaspar na pasta das Finanças.

O Executivo de António Costa pretende proceder à redução dos impostos, reformulando os escalões, e poderá fazê-lo de forma “faseada” se a medida ultrapassar a margem orçamental prevista para 2018, conforme nota o Público.

O Bloco de Esquerda já deu mostras de estar de acordo com esta ideia da aplicação gradual da redução, conforme declarações de Catarina Martins.

“Não nos parece que seja possível esta margem orçamental num único orçamento para fazer esse caminho” da redução do IRS, referiu a líder bloquista à saída da audição convocada pelo Presidente da República para medir a avaliação que os partidos fazem do Programa de Estabilidade.

Catarina Martins nota que a revisão dos escalões do IRS é “uma medida cujo custo ascende a dois mil milhões de euros (que já passou pelo fim da sobretaxa)” e que “por isso, terá de ser feita em mais do que um orçamento”. “Só faltam dois orçamentos”, acrescenta, concluindo que “esse caminho terá de ser iniciado no Orçamento do Estado para 2018”.

A redução acabará assim, em 2019, precisamente o ano das próximas eleições legislativas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Que coincidência do caraças !!!!!
    Mais uma das imensas promessas de reversão que têm de ficar a aguardar …… pelas Eleições !!!!
    Afinal o “enorme aumento de impostos” até parece que era(é) necessário !!!!

  2. Estes senhores que sempre foram contra os PEC, apresentados pelos anteriores governos e debatidos no parlamento.
    Agora apoiam um PEC como nas ditaduras, sem ser do conhecimento publico ou ser debatido no parlamento. Onde vão ser efectuados os aumentos de impostos e cortes na Função Pública.
    Assim é mais fácil porque os partidinhos PC E BLOCO, já não têm que ir ao Parlamento votar a favor da medida contrariando o que sempre fizeram na oposição.
    Poucos Portugueses acreditavam nestes 2 partidos PC E BLOCO, nas próximas eleições desaparecem.
    A EN 125, está uma miséria, como nunca tinha estado!
    Onde param estes meninos que me fizeram ir a manifestações na EN.125, para acabar com as Portagens na A 22 enquanto não houvesse alternativa.
    Apareçam e expliquem a quem é obrigado a circular na EN 125 porque não há mais manifestações de protesto.
    Cambada de hipócritas.
    Cheguei a votar PC e Bloco e sempre defendi a esquerda, sinto-me revoltado e enganado.
    Não existem Políticos, verdadeiros, dignos ou honestos é tudo a mesma cambada.

  3. Bem, voltemos então ao Passos. Esse é que foi bom (com a tal estratégia do empobrecimento que arrasou pobres e classe média), mentir? Isso é palavra que não tem no dicionário, cumpriu todas as promessas. Dizer hoje uma coisa e amanhã fazer exatamente o contrario também foi coisa que Passos nunca fez, etc, etc.
    É preciso mesmo muita paciência para aturar este povinho, que não sabe o que quer.
    Estes entraram e estão a tentar gradualmente repor rendimentos. É devagar? Pois é, isto não dá para ser tudo de repente, pensava eu que todos percebiam isso, afinal enganei-me. Prometeram mais cedo, pois é, não sonhavam era ter de levar com os embrulhos deixados pela Marilu e Passos (Banif por resolver, CGD por resolver, BES por resolver, enfim, só trampa debaixo do tapete para fazer de conta que havia “saída limpa”)…
    Que povo estranho este. Dassss!

RESPONDER

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …

Cavaco fala em "democracia amordaçada" (e na "vergonha" dos números da pandemia)

Este sábado, numa participação na Academia de Formação Política das Mulheres Sociais-Democratas, Cavaco Silva deixou duras críticas ao Executivo de António Costa, sublinhando que a pandemia mostrou um "SNS fragilizado por decisões erradas do governo". O …

Remédio contra piolhos está a ser usado contra covid-19. Infarmed e DGS investigam

"Centenas" de doentes de covid-19, em Portugal, têm sido tratados com o antiparasitário Ivermectina que é usado contra piolhos e lombrigas. Há médicos que o prescrevem e que também o tomam a título preventivo, embora …