Razan al-Najjar só queria salvar vidas. Acabou por perder a sua em Gaza

(dr)

Razan al-Najjar, a paramédica palestiniana assassinada a tiro na Faixa de Gaza

Uma médica palestiniana de 21 anos foi assassinada a tiro enquanto socorria os feridos junto à Faixa de Gaza. As autoridades israelitas, acusadas da sua morte, já garantiram que vão investigar.

Razan al-Najjar era uma paramédica palestiniana com presença assídua nos protestos na Faixa de Gaza, junto à fronteira com Israel. “Era” porque, na passada sexta-feira, a jovem foi alegadamente assassinada a tiro por um militar israelita quando socorria vários feridos.

No último sábado, milhares de pessoas juntaram-se no funeral da médica de 21 anos. Profissionais de saúde, vestidos com os seus uniformes brancos, marcharam na procissão, segurando bandeiras palestinianas e fotografias da colega. Segundo o Washington Post, o pai também esteve presente, com o seu uniforme nas mãos, outrora branco e agora manchado de vermelho pelo sangue da filha.

De acordo com o jornal norte-americano, as fotografias do local imediatamente depois de a paramédica ter sido abatida mostram um grupo de homens a carregar a voluntária. Testemunhas afirmam que a jovem foi abatida com um tiro no peito.

No dia do funeral, as autoridades israelitas asseguraram que vão investigar esta morte mas defenderam que o Exército trabalha “de acordo com os procedimentos operacionais”.

“As IDF (Forças de Defesa Israelitas) trabalham constantemente para desenhar operações e reduzir o número de baixas na faixa de segurança de Gaza”, afirmam num comunicado, citado pelo jornal. “Infelizmente, a organização terrorista Hamas deliberada e metodicamente coloca civis em perigo“, acrescentam.

No mês passado, o New York Times entrevistou a paramédica em Gaza, uma das únicas profissionais do sexo feminino que entrava em ação nas emergências durante os protestos.

“Nós só temos um objetivo: salvar vidas e evacuar as pessoas”, afirmava. “E enviar uma mensagem ao mundo: sem armas, podemos fazer qualquer coisa“.

Na mesma entrevista, Razan acrescentou que Gaza precisava de mais médicas como ela. “A força que mostrei como socorrista no primeiro dia dos protestos, eu desafio-vos a encontrar uma outra pessoa assim”.

Depois da sua morte, um outro voluntário médico, Izzat Shatat, contou à Associated Press que os dois estavam a planear anunciar o seu noivado no fim do Ramadão. Após ter sido transportada para o hospital, Razan acabaria por falecer na sala de operações.

Mais de 115 pessoas morreram desde que começaram os protestos na Faixa de Gaza, tendo-se intensificado, em maio passado, quando os EUA mudaram a sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém.

No dia da inauguração da embaixada morreram 60 pessoas, naquele que foi o dia mais negro em Gaza, desde a operação militar israelita “Margen Protector“, em que morreram mais de dois mil palestinianos em 50 dias.

O enviado especial da ONU ao território palestiniano, Michael Lynk, chegou mesmo a acusar Israel de ter levado a cabo uma “matança intencional”.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Esta morte era previsivel. O estado de israel sendo comprovadamente um estado criminoso e assassino, mandou de certeza que esta medica fosse assassinada, já que uma das especialidades destes terroristas é abater pessoas desarmadas e principalmente aquelas que salvam vidas. Portanto nada de admirar. O mundo é que nao pode continuar que um estado assassino ocupe territorios que nao lhe pertencem, que construa casas nesses terrenos, e pior de tudo assassine a seu bel prazer os donos desses territorios. Têm de ser parados, o Irão e outros paises arabes e muçulmanos têm que fazer alguma coisa.

RESPONDER

Cinco anos depois, Volkswagen nega reembolso a 125 mil portugueses lesados

A marca alemã Volkswagen respondeu à Deco Proteste, cinco anos após o caso "dieselgate", informando que não irá indemnizar mais consumidores, tendo em vista os processos judiciais em curso. Segundo noticiou esta sexta-feira a Madremedia, em …

Novo recorde em cinco meses. Mais 780 casos por covid-19 em Portugal

Portugal regista mais seis mortos e 780 casos de infeção por covid-19 esta sexta-feira, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Os números revelados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde …

"Podemos chegar a 1.000 novos casos por dia". Costa pede cautela

No final da reunião de emergência com o gabinete de crise para o acompanhamento da evolução da covid-19 em Portugal, Costa deixou conselhos e pediu cautela. A reunião, convocada na quinta-feira por António Costa, surgiu …

13 de Outubro em Fátima "sim, mas sem peregrinos". Delegada de Saúde espera que a Igreja se "porte bem"

A delegada de Saúde Pública do Médio Tejo defende que as cerimónias religiosas do 13 de Outubro no Santuário de Fátima decorram "sem peregrinos", esperando que a Igreja se porte "tão bem" como aquando do …

Espanha acusa hackers chineses de roubarem informações de vacina contra coronavírus

O Centro Nacional de Inteligência (CNI) espanhol argumenta que hackers chineses terão, alegadamente, acedido a informações confidenciais sobre o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus. A diretora do CNI, Paz Esteban, alerta para um aumento …

Tribunal de Loures. António Joaquim vai manter-se em liberdade

O Tribunal de Loures decidiu esta sexta-feira manter a medida de coação de termo de identidade e residência a António Joaquim, condenado pelo Tribunal da Relação pelo homicídio do triatleta Luís Grilo, após um pedido …

Mesmo com o aumento de infetados, diminuir a quarentena para 10 dias é uma hipótese

A DGS deverá decidir em breve se o período de quarentena pode ser reduzido de 14 dias para apenas 10 dias, mas não para todos os casos. Para ficar menos tempo isolado é necessário cumprir …

Porfírio Silva vê “papel positivo” na candidatura de Ana Gomes, mas critica farpas a Costa

O dirigente socialista Porfírio Silva considera que a candidatura presidencial de Ana Gomes pode ser positiva se não cair na "armadilha" de se centrar no ataque a António Costa e se não "atropelar" o Estado …

Operação Lex. Três juízes acusados de corrupção. Luís Filipe Vieira vai ser julgado por um crime

Os juízes Rui Rangel, Fátima Galante e Vaz das Neves e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, estão entre os 17 acusados da Operação Lex. Em causa estão crimes de corrupção, abuso de poder, …

Em tempos difíceis, Von der Leyen diz que “sempre vi em Portugal um forte aliado"

Numa entrevista, Ursula von der Leyen disse que Portugal terá “a tarefa de liderar” com a recuperação da pandemia quando chegar à presidência do Conselho da UE em 2021. E promete uma proposta “mais humana …