Rastreio nas escolas. Em 82 mil testes, 80 estavam positivos

Mais de 82 mil trabalhadores docentes e não docentes do ensino pré-escolar e 1.º ciclo foram testados na semana passada, num rastreio que revelou 80 casos de covid-19, informou esta segunda-feira o Ministério da Educação.

A campanha de testagem nas escolas do pré-escolar e 1.º ciclo, arrancou na terça-feira, um dia depois de voltarem a abrir portas, e nessa semana foram realizados mais de 82 mil testes a trabalhadores docentes e não docentes dos setores público e privado.

No primeiro varrimento, como lhe chamou o ministro Tiago Brandão Rodrigues, foram detetados 80 casos positivos de covid-19, o que representa uma taxa de positividade inferior a 0,1%, de acordo com a tutela.

Em comunicado, o Ministério da Educação refere ainda que os mais de 82 mil testes realizados incluem os profissionais da chamada “Escola a Tempo Inteiro”, ou seja, atividades de animação e de apoio à família no pré-escolar, atividades de enriquecimento curricular (AEC) e componente de apoio à família no 1.º ciclo.

Depois do primeiro rastreio, o “Programa de Rastreios laboratoriais para a SARS-CoV-2 nas creches e estabelecimentos de educação e ensino” prevê a repetição dos testes 14 dias depois, apenas nos concelhos com um nível de incidência de casos positivos acima de 120 em 100 mil habitantes.

Os testes rápidos voltam a realizar-se com uma periodicidade ajustada ao número de casos identificados nos primeiros, de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde. Nessa altura, será o executivo a suportar os custos, como acontece atualmente com as escolas públicas.

Nos restantes níveis de ensino, os rastreios começam no primeiro dia do regresso, ou seja, de 5 a 9 de abril para o 2.º e 3.º ciclo, e de 19 a 23 no secundário, em que, além dos professores e funcionários, também serão testados os alunos.

Esta é já a segunda fase de um processo de testagem que começou em 20 de janeiro, ainda antes da suspensão do ensino presencial, e que continuou nas escolas de acolhimento que se mantiveram abertas. “Nessa primeira fase foram realizados mais de 65 mil testes, com uma taxa de casos positivos de 0,15%“, recorda a tutela.

No fim de semana, o Governo anunciou as diretrizes para o regresso às aulas presenciais no ensino superior, recomendando testes rápidos de antigénio regulares, pedindo às instituições para garantirem condições para que possam acontecer.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.716.035 mortos no mundo, resultantes de mais de 123 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal, morreram 16.784 pessoas dos 817.778 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS).

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE