Proposta no Parlamento propõe quotas em universidades para negros e ciganos

Um documento preliminar apresentado no Parlamento propõe a criação de quotas nas universidades para afrodescendentes e ciganos. A proposta procura combater as desigualdades e o racismo.

O documento foi redigido pela deputada socialista Catarina Marcelino, mas contou com a colaboração de todos os partidos. Intitulado Relatório sobre Racismo, Xenofobia e Discriminação Étnico-racial em Portugal, o documento prevê intervenções nas áreas da justiça, segurança, educação, saúde, habitação e trabalho.

A proposta foi apresentada esta manhã na Assembleia da República. Mariana Vieira da Silva diz que é altura de desocultar as discriminações e que o crescente número de denúncias sobre racismo e xenofobia é um sinal disso mesmo. De acordo com o jornal Público, as queixas aumentaram 98% de 2017 para 2018.

O relatório apresentado esta manhã surge após uma proposta do PS de setembro do ano passado. O Partido Socialista prevê no seu próprio programa eleitoral a criação de medidas de discriminação positiva, que procuram restabelecer a igualdade entre raça e género.

A criação de quotas nas universidades para negros e ciganos é apenas uma das várias medidas descritas no relatório. O vice-presidente da Assembleia da República, Jorge Lacão, realça que é importante ter atitude “de firmeza democrática” para evitar fenómenos de exclusão.

“Temos a perceção de que há poucas pessoas de origem africana e cigana nas universidades”, disse a autora do relatório Catarina Marcelino, em declarações ao Público. A deputada diz que têm de ser tomadas medidas devido à falta de igualdade de oportunidades no sistema educativo nacional.

Na área da educação, a proposta prevê também o fim de “escola ou turmas exclusivamente com crianças de minorias étnico-raciais, ou a integração das crianças destes grupos em percursos escolares alternativos”.

O relatório propõe ainda uma iniciativa inovadora na área da justiça e da segurança. Foi colocada a possibilidade de serem criadas campanhas para o recrutamento de agentes de segurança dentro das comunidades de afrodescendentes e ciganos. O documento realça a importância de reforçar a relação entra estas comunidades e a polícia, desenvolvendo projetos de proximidade, por exemplo.

No que toca à justiça e segurança, é proposto ainda um levantamento da origem étnico-racial da população prisional portuguesa e a implementação de body cameras em intervenções policiais.

Uma discriminação positiva no emprego é também uma das metas importantes deste documento. Para tal, é necessário combater a exclusão de pessoas na selecção de trabalhadores por motivos étnico-raciais. A proposta sugere, por exemplo, a promoção de projetos de emprego na administração pública para as comunidades ciganas.

A área da saúde também é visada, sendo proposta uma formação “sobre os direitos e as regras que se aplicam a utentes do SNS, imigrantes em geral e pessoas que estão indocumentadas ou em situação irregular”.

O direito à habitação é um dos tópicos de interesse, estando previstos mecanismos de apoio jurídico e social ao arrendamento para que proprietários não se recusem a arrendar casas a ciganos ou afrodescendentes.

PSD diz que quotas não são solução

A proposta foi recusada pelo deputado do PSD Duarte Marques, presidente da Comissão para as Diásporas do Conselho da Europa. Para ele a criação de quotas não basta, pelo que é necessário “perceber e combater a origem das discriminações“, remetendo para o abandono escolar nestas comunidades.

“Portugal não pode um dia ser apontado como o país da Europa onde a população melhor aceita imigrantes e refugiados e no dia seguinte ser acusado de ser racista”. Duarte Marques diz que a situação não é tão dramática como alguns querem fazer crer. Apesar de haver episódios de racismo em Portugal, não quer dizer que os portugueses sejam racistas.

O deputado referiu que está a haver “um aproveitamento político” desta matéria e que o combate ao racismo está a servir “uma agenda mas não uma causa”.

“Fiquei baralhada com a sua intervenção, umas vezes é contra e outras a favor“, rematou Olga Mariano, ativista cigana da Letras Nómadas, uma das várias ativistas presentes na sala.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Sou de um tempo (ainda sou por enquanto) em que o acesso a uma universidade depende da nota do aluno, e das vagas disponíveis. Passar a depender da cor e raça, considerando que se trata de uma minoria, e com o intuito de combater o racismo, não é esta uma proposta controversa e de efeito adverso? Pois favorecer uma cor ou raça, não significa que se está a prejudicar outras? Não consigo entender certas lógicas nalgumas propostas de leis, a não ser a lógica do politiquismo rasca que procura votos a qualquer custo.

  2. O quê??!! Nesse caso deveriam também considerar quotas para os LGBT, os membros de igrejas alternativas, os ORH-, os praticantes de ténis de mesa, os adeptos do Sporting e todo o restante tipo de minorias!

  3. Mais um favorecimento? Discriminação positiva ou negativa é discriminação! Tratem mas é com IGUALDADE!! Quem tiver notas que entre…
    Já agora…
    – Segundo algumas teorias o berço da humanidade foi África, logo… afrodescendentes somos todos!
    – Igualdade também no pagamento de impostos!!! (sim, isto é especialmente para a etnia cigana… estou farto do politicamente correcto de agora, e de não se chamarem as coisas pelos nomes)

  4. e a igualdade de pagamento de impostos… Estou farto de pagar impostos para pagar o funcionamento do estado, depois eu que contribuo para o SNS quando lá vou tenho de pagar e os outros que em nada contribuem não pagam, nas escolas é a mesma coisa tenho uma filha que me pergunta ” Pai porque tenho de pagar as refeições, as outras meninas quase nenhuma paga” eu respondo “filha, porque o pai fez pela vida”…

  5. Tudo se resume a excesso de tempo livre.
    Se se preocupassem em garantir melhoria das condições de vida do cidadão trabalhador e cumpridor teriam todo o apoio dos Portugueses.
    Mas pelos vistos só se preocupam com as classes que mais prejudicam o povo trabalhador e cumpridor, ou seja a sua própria classe (politica) e a classe dos supostamente desfavorecidos que tem direito a tudo e não contribuem para nada.

  6. Qualquer Cidadão, branco, preto, amarelo, vermelho; cigano, asiático, africano, homo, deficiente ou até marciano “porque não”………normalmente não precisam de qualquer discriminação “positiva ou negativa”, para ter acesso aos direitos elementares de qualquer outro membro da Sociedade Portuguesa . Penso que a verdadeira questão, reside na aceitação dos (direitos e deveres) de todos estes indivíduos. Com ideias “luminosas destas”, aí Sim …. corre-se o risco de incentivar ainda mais o sentimento de xenofobia existente ou latente, de certos indivíduos !

RESPONDER

Cientista descobre espécie extinta de ganso através de uma pintura egípcia

Uma famosa pintura que estava originalmente no túmulo do príncipe egípcio Nefermaat levou um cientista a descobrir uma espécie de ganso já extinta. A cena "gansos de Meidum", originalmente pintada no túmulo do príncipe Nefermaat, encontra-se …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Hong Qin, do Laboratório de Física de Plasma de Princeton (PPPL) do Departamento de Energia dos EUA, criou um algoritmo de Inteligência Artificial que pode provar que a realidade é, na verdade, uma simulação. O algoritmo …

Quase 10 anos depois, avião de Gaddafi continua parado num aeródromo em França

Quase uma década depois de ter aterrado em solo francês, o avião presidencial do ex-ditador líbio continua parado num aeródromo no sul do país, estando no meio de vários processos judiciais que parecem não ter …

Governo recebeu 1.600 ideias para a bazuca. Costa agradece mobilização

Durante a fase de discussão pública, o Plano de Recuperação e Resiliência recebeu mais de 1.600 contribuições e mais de 65 mil consultas. O primeiro-ministro António Costa disse que, durante a fase de discussão pública, …

"Honjok" é o nome do movimento sul-coreano que reivindica a solidão

A solidão tornou-se um tema recorrente devido à pandemia de covid-19. Na Coreia do Sul, existe um movimento chamado "honjok", que promove um estilo de vida solitário. O isolamento imposto pela pandemia de covid-19 está a …

Do subsolo sírio à nomeação ao Óscar: hospitais em tempos de guerra numa "era de impunidade"

The Cave é o nome de uma produção que esteve nomeada para o Óscar de Melhor Documentário de 2020. É também o lugar onde hospitais sírios se escondem para salvar vidas longe de bombardeamentos e …

Patrícia Mamona sagra-se campeã no triplo salto em pista coberta

Esta tarde, Patrícia Mamona tornou-se a terceira atleta portuguesa a garantir a medalha de ouro para Portugal no Campeonato da Europa em pista coberta. A portuguesa Patrícia Mamona conquistou, este domingo, a medalha de ouro na …

Dias de aulas mais longos, férias mais curtas e cinco períodos. Em Inglaterra, já se equacionam formas de recuperar o tempo perdido

Há três medidas em cima de mesa que podem vir a ser adotadas para combater os atrasos na aprendizagem dos alunos. Na Inglaterra, as escolas reabrem para aulas presenciais esta segunda-feira, mas já se pensa …

Índia abre centro de bem-estar para hóspedes abraçarem vacas e "esquecerem todos os problemas"

Animais de conforto e apoio emocional são cada vez mais populares em todo o mundo. Embora a maioria das pessoas use cães ou gatos, há também algumas escolhas mais bizarras, incluindo pavões, macacos e cobras. Os …

Abel Ferreira tentou levar jogador do Benfica para o Palmeiras

O treinador português Abel Ferreira, no comando técnico dos brasileiros do Palmeiras, pediu a contratação de Franco Cervi, que alinha pelo Benfica, mas acabou por ver a sua proposta recusada pelo jogador argentino. A notícia …