PSD quer mais hospitais geridos por privados. “Estamos a quebrar um tabu”

Carlos Barroso / Lusa

Rui Rio acompanhado por Luis Filipe Pereira

A aposta do PSD para a “grande reforma” do Serviço Nacional de Saúde (SNS) passa por generalizar progressivamente as Parcerias-Público-Privadas (PPP) em hospitais e em unidades de cuidados primários.

O objetivo do PSD é tornar a gestão da Saúde mais eficiente e, ao mesmo tempo, reduzir as listas de espera. Assim, o partido liderado por Rui Rio defende que o Estado deve generalizar, através de concursos públicos, a contratualização da gestão de hospitais e outras unidades de saúde aos setores privado e social, como forma de ter um SNS mais eficiente e mais barato.

A reforma foi divulgada pelo documento Uma política de saúde para Portugal, do qual só foram reveladas nesta quinta-feira as linhas gerais, adianta o jornal Público. O texto coloca a questão se esta ideia é uma forma de privatização da saúde, respondendo negativamente.

O texto na íntegra só será disponibilizado na próxima segunda-feira, mas sabe-se que o PSD propõe a integração do setor público, privado e social, em termos em que seja indiferente para o utente onde é tratado.

Assim, o Estado deve adquirir e desenvolver “as competências necessárias para passar de, praticamente, único produtor, empregador e financiador para, também, contratualizador, pagador de resultados para a população, e controlador e fiscalizador da prestação de cuidados de saúde contratados”. Em suma, a função do Estado será a de ter “um poder de fiscalização e de regulação no setor da saúde”.

O documento reitera que o Estado não está a dar mais recurso aos privados, porque, “nesta reforma estrutural, o Estado contratualizará com as outras iniciativas – privada e social – a gestão de unidades de saúde mas continuará a garantir a prestação de cuidados de saúde à população (melhor do que hoje) de forma universal e tendencialmente gratuita”

Além disso, é ainda referido que o “tipo de custos são os mesmos que o Estado já hoje suporta com as unidades de saúde que gere” e que “a contratualização da prestação de cuidados de saúde permite que existam poupanças para o Estado e para o contribuinte”.

de acordo com o diário, são ainda dados dois exemplos de hospitais em Parceria Público-Privados (PPP) (Braga e Cascais), em que são referidos os “baixos custos” ou “menores encargos” do que se a gestão fosse pública, citando o Tribunal de Contas e outras unidades de acompanhamento de gestão.

O documento deixa clara a sua posição: não se trata de uma revolução, mas de um reforma, ou até de uma “evolução” no setor da saúde – uma nova visão “sem tabus ideológicos”.

Em conferência de imprensa, Luís Filipe Pereira, coordenador do PSD para a saúde, não quantificou um teto para a contratualização de unidades de saúde, referindo apenas que seria “um caminho progressivo” e que, “pelo menos para já, “o Estado continuaria a ser maioritário”.

Para Luís Filipe Pereira e David Justino, presidente do CEN, o powerpoint apresentado esta quinta-feira na sede do partido não altera significativamente a versão do documento que foi apresentada na Comissão Política Nacional em Julho.

Esse documento gerou várias reações negativas no seio da direção do PSD, levando a que dois elementos da comissão política nacional falassem em abandonar este órgão caso o documento avançasse.

O principal receio era o de que a proposta fosse entendida como uma privatização da saúde e que venha a ser mesmo essa a consequência do modelo proposto. Os dois dirigentes negaram, esta quinta-feira, essas reações noticiadas em no dia 20 de agosto pelo jornal Público.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Não estão a quebrar tabu nenhum, estão a propor de novo o que fizeram há anos com Luís Filipe Pereira, com resultados pouco satisfatórios, situação que se arrasta até aos nossos dias, e que quase acabou com o Serviço Nacional de Saúde. É verdade que Luís Filipe Pereira prefere a designação de sistema nacional de saúde e percebe-se a diferença.

  2. La vem os partidos com ideias hipocritas … nenhum partido tem ou teve capacidade para gerir o SNS… se querem defenir um novo SNS entao meus caros deem o voto ao povo deixem o povo decidir o que sera melhor atravez de um referendo …

    • O problema é que este SNS é caríssimo e quando precisamos dele vemo-nos sempre na obrigação de recorrer ao privado. Essa é que é a verdade meu caro. Um sistema caríssimo que não funciona a não ser que tenha a sorte de a sua doença poder esperar 3 ou 4 anos em listas de espera. Infelizmente a minha não podia e tive de recorrer ao privado. Desejo-lhe tudo de bom

      • Pois, não funciona… por isso é que andam por aí uns “tubarões” que lhe querem deitar a mão…
        E quando dá para o torto no privado, já se sabe onde vão parar os doentes!…

  3. Ui!…
    Já vimos o que “excelente” gestão privada tem feito no novo hospital de Braga…
    Já para não falar nos gestores de alto gabarito da PT ou do BES…

  4. Nada de novo. Desde início que se adivinha o que querem. Argumentar que com o recurso às PPPs «haverá menores encargos do que se a gestão for pública» só pode ter uma intenção: contribuir ainda mais para que os males da população – a doença – sejam lucrativo negócio para uns quantos.
    As dificuldades financeiras que o sector enfrenta deixariam de ser problema? Será que a gestão privada de hospitais e de outras unidades de saúde passará a ser gratuita?
    Não é de agora a intenção de desfazer o Serviço Nacional de Saúde. Desde sempre que a mais valiosa herança do 25 de Abril teve opositores. Basta recordar que o CDS e o PPD votaram contra a Lei que o criou, em 15 de Setembro de 1979, faz daqui a algumas horas 39 anos que isso aconteceu.

RESPONDER

Novo "cocktail inteligente" combate cancro da mama mais agressivo

Investigadores norte-americanos desenvolveram um novo medicamento que revela eficácia no tratamento do cancro da mama triplo-negativo, considerado particularmente agressivo, e com uma redução dos efeitos tóxicos associados.  Este novo medicamento foi desenvolvido por cientistas do Hospital …

Santana Lopes desafia Rio e Cristas para coligação contra a "frente esquerda"

Pedro Santana Lopes considera que a única forma de derrotar a aliança de esquerda nas próximas eleições legislativas é formar uma "frente centro-direita" com PSD, CDS e Aliança juntos. Declarações efectuadas pelo presidente do Aliança em …

Igreja católica destruiu documentos sobre abusos sexuais a menores

A igreja católica destruiu os dossiês sobre abusos sexuais perpetrados no seu seio, admitiu este sábado o cardeal alemão Reinhard Marx, um assessor próximo do papa Francisco, falando na cimeira que decorre no Vaticano. Os processos …

Tomás Correia vai impugnar multa de 1,5 milhões do Banco de Portugal

O antigo presidente da Caixa Económica Montepio Geral e atual presidente da Associação Mutualista, Tomás Correia, vai impugnar a multa de 1,5 milhões de euros do Banco de Portugal. A notícia foi avançada pela TSF esta …

"O click foi a ADSE". Marcelo pressionou Costa a negociar, mas Centeno não abre a torneira

Marcelo Rebelo de Sousa puxou os cordelinhos para convencer o primeiro-ministro a negociar com professores e enfermeiros. António Costa só cedeu depois do "click" do "conflito na ADSE". Mas as negociações batem no obstáculo Mário …

Sporting pagou 1,7 milhões a empresa do sogro de Bruno de Carvalho (e 60 mil em brindes)

O presidente do Sporting revelou esta sexta-feira que o clube leonino gastou, em três anos, 1,7 milhões de euros em assuntos de advocacia, valor pago a uma empresa que tem ligações a um ex-sogro de …

Ajuda humanitária em risco. Governo da Venezuela encerra parcialmente fronteira com a Colômbia

O Governo da Venezuela vai encerrar parcialmente a fronteira com a Colômbia perante "as ameaças" contra a sua soberania, a poucas horas da esperada entrada de ajuda humanitária internacional através da cidade de Cúcuta. Numa publicação …

"Um funeral-sequestro". Filho de Arnaldo Matos acusa PCTP/MRPP de raptar corpo do pai

Um dos filhos de Arnaldo Matos, Pedro Matos, acusou este sábado o PCTP/MRPP de ter “montado” um velório e “funeral-sequestro” ao seu pai, recusando participar nas cerimónias fúnebres do político. Numa nota enviada à Lusa, Pedro …

Donativos "escondidos" em Pedrógão são "mentiras orquestradas"

O presidente da Câmara de Pedrogão Grande reagiu à reportagem da TVI, que dava conta de donativos "escondidos" em armazéns na câmara que seriam desviados para familiares ou amigos dos autarcas. Valdemar Alves repudia aquilo …

Adolescente acorda de um coma de quatro dias e descobre que deu à luz sem saber que estava grávida

Uma adolescente desmaiou em casa e foi levada para o hospital, em Oldham, no Reino Unido, depois de uma noite de convulsões. Já internada e num coma que durou quatro dias, os médicos descobriram que …