Provas contra Trump “são claras”. “Ele usou o cargo para fins pessoais”, diz Nancy Pelosi

jstreetdotorg / Flickr

A líder dos democratas na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi

A presidente da Câmara dos Representantes e líder da maioria democrata na câmara norte-americana, Nancy Pelosi, declarou na quinta-feira que considera já haver provas suficientes para afirmar que o Presidente deve ser destituído.

Contudo, segundo avançou o Observador, não foi ainda tomada uma decisão final sobre o momento em que se avançará para essa acusação formal, já que ainda estão a decorrer as audições a testemunhas.

“As provas são claras”, afirmou Nancy Pelosi em conferência de imprensa, citada pela Reuters. “O Presidente usou o seu cargo para fins pessoais e minou a segurança nacional, mas ainda não foi tomada nenhuma decisão final sobre o impeachment, já que os democratas da Câmara continuam a sua investigação”.

E acrescentou, referindo-se ao Presidente norte-americano: “Ele violou o juramento que fez quando chegou ao cargo”.

Em causa está a investigação aberta pelo Comité de Informação da Câmara, de maioria democrata, para concluir se há bases para uma destituição de Donald Trump.

Os democratas têm suspeitas de que o Presidente terá exigido ao Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, que abrisse investigações judiciais à empresa Burisma, onde trabalhava o filho do seu adversário Joe Biden, e a suspeitas de ligações de ucranianos à campanha de Hillary Clinton em 2016. Em troca, disponibilizaria ajuda militar e financeira ao país – que já tinha sido previamente aprovada pelo Congresso.

Na quinta-feira, a ex-conselheira de Segurança Nacional, Fiona Hill, especialista sobre a Rússia, foi ouvida no Comité de Informação. Esta criticou o Partido Republicano, que acusou de estar a propagar uma “narrativa de ficção” sobre uma possível interferência de ucranianos nas eleições presidenciais de 2016 nos Estados Unidos (EUA).

usembassykyiv / Flickr

Volodymyr Zelensky, o Presidente da Ucrânia

“Recuso-me a ser parte de uma tentativa de legitimação de uma narrativa alternativa que diz que o governo ucraniano é um adversário dos EUA e que a Ucrânia – em vez da Rússia – nos atacou em 2016”, declarou a ex-conselheira.

Em causa está uma das teses defendidas pelos congressistas republicanos de que Trump poderia estar a pedir a Zelensky investigações legítimas. Na quarta-feira, o republicano Devin Nunes disse que “eles estavam a tentar apanhar o Presidente”, razão pela qual era legítimo duvidar dos ucranianos. Hill classificou esses argumentos de “ficções” e disse que são prejudiciais, “mesmo que utilizados por razões simplesmente de política interna”.

Fiona Hill aponta na direção de John Bolton

O testemunho da ex-conselheira de Segurança Nacional destacou-se ainda pelas referências ao seu antigo superior, o conselheiro de segurança John Bolton, que saiu da Casa Branca. Este, que recusou para já testemunhar, desconfiaria de algumas das ações  de pessoas dentro da Casa Branca no que diz respeito aos ucranianos, contou Fiona Hill.

Apontou um encontro com o embaixador na União Europeia (UE), Gordon Sondland, que sugeriu uma reunião para que determinadas investigações avançassem e que John Bolton terá “ficado tenso” e dado o encontro por encerrado.

Referiu ainda ter recebido instruções diretas do chefe para que não entrasse no “negócio da droga” que dizia estar a ser levado a cabo por Gordon Sondland e Mick Mulvaney (chefe de gabinete interino do Presidente), não dando mais pormenores.

Além disso, reiterou que John Bolton afirmou que o advogado pessoal do Presidente, Rudy Giuliani, tinha “uma granada de mão que iria rebentar com tudo”. Rudy Giuliani fez contactos em nome de Donald Trump junto de representantes ucranianos para promover essas investigações.

A audição de Fiona Hill é a última marcada neste processo pelos democratas até agora, mas não é certo se será a última. A dirigente dos democratas na Câmara, Nancy Pelosi, referiu que o processo “ainda não acabou”. “Nunca se sabe quando é que o testemunho de uma pessoa pode levar à necessidade de ouvir o testemunho de outrém”, frisou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A Bugatti está a vender um carro elétrico "para crianças". Chama-se Baby II e custa 30 mil euros

A Bugatti e a Little Car Company, sediada em Londres, uniram-se para criar 500 Bugattis elétricos em miniatura para crianças. Agora, fruto dos desenvolvimentos mundiais, alguns veículos ficaram disponíveis para compra. O mais recente brinquedo da …

50 anos de monarquia e uma guerra de dias. A pandemia "matou" a micronação mais antiga da Austrália

O reinado de 50 anos de uma micronação na Austrália chegou ao fim devido ao impacto económico da pandemia de covid-19, que fez com que o autodeclarado principado se rendesse ao país. Hutt River, um principado …

NASA vai rebatizar planetas e outros corpos celestes com nomes ofensivos

A agência espacial norte-americana (NASA) anunciou que vai rebatizar alguns planetas, galáxias e outros corpos celestes que possuem nomes "ofensivos". Em comunicado publicado esta quinta-feira, a NASA explica que vai abandonar os nomes "não-oficiais" a …

O maior parque de crocodilos da Índia está à beira da falência. Abriga mais de 2.000 animais

O maior parque de crocodilos da Índia, localizado perto da cidade de Chennai, no sul do país asiático, encontra-se à beira da falência depois de a pandemia de covid-19 ter obrigado a fechar o espaço …

Campanha científica acrescenta mais de 37 mil quilómetros quadrados ao mapa do mar português

A campanha científica que o navio hidro-oceanográfico D. Carlos I da Marinha Portuguesa realizou durante nove semanas nos Açores, para levantamentos hidrográficos, permitiu “acrescentar cerca de 37.500 quilómetros quadrados sondados ao mapeamento do mar português”. Numa …

Apesar dos alertas, houve quem plantasse as sementes misteriosas da China (e já começaram a crescer)

Durante as últimas semanas, pessoas em todo o mundo têm recebido, sem ter encomendado, nas suas caixas de correio sementes com origem na China. Apesar dos avisos em contrário, houve quem plantasse os misteriosos presentes. As …

Marcelo veta redução de debates sobre a Europa. Não foi uma "solução feliz"

O Presidente da República vetou esta segunda-feira a redução do número de debates em plenário para o acompanhamento do processo de construção europeia de seis para dois por ano, defendendo que não foi uma “solução …

Boris Johnson admite alargar quarentena a mais países

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, admitiu esta segunda-feira alargar o sistema de quarentena a pessoas que cheguem de países atualmente isentos para reduzir o risco de infeção com a doença covid-19 no Reino Unido. "No contexto …

Novo lay-off. Ajuda da Segurança Social para pagar subsídios de Natal pode chegar só em 2021

O apoio ao pagamento do subsídio de Natal previsto pelo Governo para apoiar as empresas no âmbito do novo regime de lay-off, que entrou em vigor em agosto, poderá só ser pago pela Segurança Social …

Trump abandona conferência de imprensa após ser confrontado por jornalista com mentira que disse 150 vezes

O Presidente norte-americano abandonou uma conferência de imprensa, este sábado, depois de ter sido confrontado por uma jornalista com uma mentira que já terá dito mais de 150 vezes sobre cuidados de saúde para os …