Macron anuncia mais 100 euros de salário mínimo. Popularidade não pára de cair

Ludovic Marin / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron

Emmanuel Macron criticou a “inadmissível violência” dos protestos em França, prometeu utilizar “todos os meios para restaurar a calma”, e anunciou em simultâneo uma subida do salário mínimo e uma redução nos impostos.

O presidente francês anunciou uma série de medidas económicas em resposta ao movimento dos “coletes amarelos”, que há quatro semanas realiza manifestações no país contra as políticas económicas do governo.

Foi o primeiro discurso de Macron desde a eclosão do movimento, que teve como ponto de partida um plano do governo para aumentar os impostos sobre combustíveis. A medida enfureceu os franceses que dependem dos automóveis particulares para se deslocar, muitos deles habitantes de cidades pequenas.

Nas últimas semanas, a popularidade do presidente despenhou-se. Na semana passada, uma sondagem mostrou que o seu governo só é aprovado por 21% da população.

No início do discurso, Macron condenou a violência dos protestos, que, no sábado passado, resultaram na detenção de mais de duas mil pessoas. “Quando a violência corre, a liberdade cessa”, disse o presidente, que apontou que a “violência não será tolerada”.

Macron, no entanto, disse reconhecer que a raiva da população é “mais profunda” e vai além do aumento dos impostos sobre combustíveis, que já foram suspensos.

O presidente pediu desculpas e disse que o governo não soube responder de forma adequada. “Entendo que possa ter frustrado alguns com as minhas propostas. Mas acredito que possamos encontrar uma nova via para que possamos sair disto juntos”, disse.

Logo em seguida, Macron anunciou um “pacote de bondades” em resposta aos protestos. Entre as medidas estão um aumento de 100 euros no salário mínimo – hoje, o valor bruto é de 1.498 euros e 1.185 euros líquido -, a suspensão de impostos sobre horas extras pagas a funcionários até 2019 e os reformados que recebem menos de dois mil euros por mês ficarão de fora da elevação de uma contribuição social em 2019.

O presidente ainda disse que as empresas que decidam pagar bónus aos funcionários no fim do ano poderão fazê-lo sem impostos.

Macron ainda declarou um “estado de emergência económica e social” e prometeu realizar um debate sem precedentes sobre uma profunda reforma do estado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Um idiota que entre outras coisas nas comemorações da 2ª guerra andou a mandar bocas ao Trump que era preciso evitar nacionalismos em favor do globalismo. E a invenção do problema do CO2 que serve de desculpa para aumentos de combustivel, foi a ultima gota para os franceses. Por cá fizeram o mesmo ninguem diz nada

  2. Vive La France.
    Vive La Democracie
    Vive l’intelligence
    Vive les jaunes
    Enfin, vivez l’intelligence des politiciens et l’ignorance de la répression contre le peuple.

  3. Estes é que são inteligentes! Aumentam mais 100 euros nos ordenados que é para os que protestam pagar! Os verdadeiros coletes amarelos não são os funcionários públicos são o povo que trabalha e muitos deles não tem um ordenado mas sim o que sobrar no fim do mês!

  4. Agora só lhe falta anunciar onde irá buscar o dinheiro para tal ou quais as regalias que serão cortadas para cobrirem tais despesas.

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …