Protesto contra a destituição do Presidente faz dois mortos no Peru

Aldair Mejia / EPA

Dois manifestantes morreram em confrontos com a polícia, este sábado, em Lima, no Peru, agravando a contestação ao Presidente Manuel Merino, que assumiu o cargo depois da destituição de Martín Vizcarra.

Segundo a agência espanhola EFE, a violência policial nas manifestações deste sábado fez dois mortos, um jovem, de 25 anos, com ferimentos de arma de fogo na cabeça e um outro, de 24 anos, alvejado quatro vezes.

Na segunda-feira, o Parlamento do Peru destituiu o Presidente, Martín Vizcarra, por “incapacidade moral”, no seguimento da segunda moção de censura apresentada noutros tantos meses contra o líder deste país sul-americano.

A moção para destituir o chefe de Estado, popular pela sua intransigência contra a corrupção, teve como motivo alegados subornos recebidos, entre 2011 e 2014, quando era governador do departamento de Moquegua.

O presidente do Parlamento, Manuel Merino, assumiu um dia depois o comando do Governo até ao final do mandato de Vizcarra, a 28 de julho de 2021. Mas o novo chefe de Estado, um engenheiro agrícola de centro-direita, de 59 anos, enfrenta uma enorme contestação no país.

No sábado, milhares de manifestantes, na sua maioria jovens, saíram novamente às ruas em várias cidades do país para exigir a demissão de Merino e rejeitar o que consideram ser um golpe de estado parlamentar. Os jovens empunhavam cartazes dizendo “Merino, tu não és o meu Presidente” ou “Merino impostor”.

Segundo a agência France-Presse, um grupo aproximou-se da casa do governante para protestar, ao som de panelas e tambores. A polícia voltou a utilizar gás lacrimogéneo, lançado também a partir de helicópteros, além de balas de borracha e projéteis não identificados, para dispersar manifestantes.

O presidente do Parlamento peruano, Luis Valdez, que substituiu Merino à frente da assembleia legislativa, pediu a sua “renúncia imediata” do cargo, antes de uma reunião de urgência, convocada para este domingo, para discutir a sua destituição.

“Não se pode ignorar a vontade da população”, disse Valdez, que também anunciou que deixará o cargo de presidente do Parlamento, segundo a EFE.

As críticas de Valdez, que votou a favor da destituição de Vizcarra na origem da crise política, somam-se às de vários políticos peruanos, face à contestação nas ruas de milhares de pessoas desde terça-feira e à violenta repressão policial, já denunciada pela Amnistia Internacional (AI).

“Os vídeos verificados digitalmente pela Amnistia Internacional são provas contundentes da violência perpetrada pela polícia contra a população que devia proteger”, disse a organização não-governamental em comunicado, na tarde de sábado, apontando pelo menos 15 feridos por armas de fogo, incluindo três em estado grave.

Nessa altura, a AI denunciou igualmente que “vários agentes da polícia dispararam diretamente contra pessoas durante uma manifestação”, na noite de 12 de novembro, perto do Tribunal Superior de Justiça de Lima.

No Twitter, o presidente deposto já condenou as mortes de cidadãos que protestam contra o regime, classificando o Governo presidido por Merino de “ilegal e ilegítimo”.

Apesar dos apelos à renúncia de Merino, o primeiro-ministro Ántero Flores Araoz, um conservador de 78 anos, defendeu que este conta com o apoio de “milhões de peruanos”. “Ele não considerou afastar-se porque milhões de peruanos o apoiam. Infelizmente, eles ficam em casa. Eu não os convidaria a sair”, disse Araoz, citado pela AFP.

O presidente da Conferência Episcopal exortou o Governo a dialogar e a respeitar o direito de manifestação. “É essencial ouvir e ter em conta os gritos e clamores da população para recuperar a confiança, a tranquilidade e a paz social”, apelou o arcebispo Miguel Cabrejos de Trujillo, em comunicado.

Vizcarra, que estava no cargo desde 2018, é o segundo Presidente do Peru em apenas dois anos. Antes, era vice de Pedro Pablo Kuczynski, que renunciou ao cargo após denúncias de compra de votos de legisladores para evitar a destituição (também motivada por alegados subornos recebidos da empreiteira brasileira Odebrecht).

Esta crise política ocorre numa altura em que o país enfrenta instabilidade económica e social, para além de ter sido gravemente afetado pela pandemia de covid-19.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Checkmate". Rússia apresenta o seu novo jacto de combate revolucionário

O novo jacto é a aposta do governo russo para as exportações e pode vir a ditar o fim da supremacia (aérea e no mercado) do F-35 norte-americano. A Rússia apresentou o protótipo do novo jacto …

"É demasiado tarde". As palavras dos médicos aos doentes com covid-19 que recusaram a vacina

Estados Unidos da América contam com 48.49% da população totalmente vacinada, apesar de o processo ter estagnado nas últimas semanas. Os números de novas infeções crescem, assim como as mortes face ao crescimento galopante da …

"Pingdemic". Há uma nova "pandemia" a causar escassez de comida e combustível no Reino Unido

As medidas de distanciamento social no Reino Unido caíram e, como consequência, centenas de milhares de pessoas estão a ser notificadas para cumprir isolamento. A partir desta segunda-feira o uso de máscara e outras medidas de …

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …