/

Proibida circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana

6

António Pedro Santos / Lusa

A situação epidemiológica em Portugal é agora “mais preocupante”, pelo que “dificilmente” o país deverá desconfinar na próxima semana como estava previsto, anunciou esta quinta-feira a ministra Mariana Vieira da Silva.

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, começou a conferência de imprensa desta quinta-feira avisando que a “situação epidemiológica se tem vindo a deteriorar“. A incidência é agora de 90,5 e o R(t) é de 1.13, anunciou a governante, após a reunião semanal de Conselho de Ministros.

Estes dados poderão significar que o país não deverá desconfinar na próxima semana.

Face ao elevado número de casos na região de Lisboa, o Governo decidiu aplicar uma medida extraordinária: fica assim proibida a circulação de e para a área metropolitana de Lisboa (AML) durante o fim-de-semana.

As restrições de circulação aplicam-se a partir das 15h desta sexta-feira, dia 18 de junho, e dizem apenas respeito à AML como um todo. Ou seja, a circulação entre os concelhos na Área Metropolitana de Lisboa continua a ser permitida.

“Impedir que a elevada incidência da pandemia passe para fora” da capital é o principal objetivo desta medida do Governo.

Relativamente às exceções a esta proibição, a resolução do Conselho de Ministros remete para o artigo 11.º do decreto de 21 de novembro, salientando que “são aplicáveis com as necessárias adaptações”. O artigo 11.º estabelece 18 exceções à proibição de circulação.

Mariana Vieira da Silva revelou ainda que há um “número muito alargado” de concelhos em alerta face aos registados na avaliação da última semana, sendo que a maioria se localiza na região de Lisboa.

São eles: Alcochete; Águeda; Almada; Amadora; Barreiro; Grândola; Lagos; Loures; Mafra; Moita; Montijo; Odivelas; Oeiras; Palmela; Sardoal; Seixal; Setúbal; Sines; Sobral de Monte Agraço e Vila Franca de Xira.

Há ainda dez outros concelhos que não acompanham o país no desconfinamento, por terem registado, em duas avaliações consecutivas, uma incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes: Albufeira; Arruda dos Vinhos; Braga; Cascais; Lisboa; Loulé; Odemira; Sertã; Sintra e Sesimbra.

No caso deste último concelho, que registou outra vez 240 a 480 casos por 100 mil habitantes, a restauração e os estabelecimentos vão encerrar às 15h30 durante os fim de semana.

Apesar dos números, nem tudo são más notícias. A ministra anunciou que Alcanena, Paredes de Coura, Santarém e Vale de Cambra são concelhos a recuperar, “apesar da deterioração a nível nacional”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Também esta quinta-feira, o Conselho de Ministros decidiu que o certificado digital pode substituir a apresentação de testes em eventos.

A ministra lembrou, contudo, que “há uma diversidade de testes a preços mais reduzidos”, elogiando a possibilidade de existirem eventos com testes, para que não tenham de ser proibidos.

  Liliana Malainho, ZAP //

6 Comments

  1. Alguém faça o favor de DEFINIR: Área Metropolitana de Lisboa.
    e
    Se as restrições se aplicam a quem quer ENTRAR ou SAIR dessa Área Metropolitana, ou se é aplicável, também, à circulação entre Conselhos dentro dessa Área

  2. O comportamento dos estados em conluio com a OMS, VIOLA tanto o CÓDIGO DE NUREMBERGA e impõe aos médicos a violação da Declaração de Genebra:[§ 3 – “A saúde do meu paciente será minha primeira consideração”] como o Código Internacional de Ética Médica [Um médico deve agir no melhor interesse do paciente quando fornecer cuidados médicos.]! Até quando?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.