O Governo “sentou-se à sombra” e a economia portuguesa “não sairá da cepa torta”

António Cotrim / Lusa

O partido Aliança considerou que a economia portuguesa “não sairá da cepa torta” e que Portugal “não vai prosperar” nos próximos quatro anos, acusando o Governo de governar para Bruxelas, ao comentar o Programa de Estabilidade.

Num comunicado enviado às redações, a Comissão Executiva do partido aponta que “retira uma certeza do Programa de Estabilidade 2018-2022”, que “o desempenho da economia portuguesa não sairá da cepa torta e o país não vai prosperar”.

“Se a frente de esquerda continuar a governar-nos, não temos dúvidas sobre o que será Portugal nos próximos quatro anos”, lê-se no documento, elencando que “o crescimento será insuficiente”, o que não permitirá ao país “sair da cauda da zona euro”.

A Aliança refere também que, “nos últimos quatro anos, a frente de esquerda governou para Bruxelas e para os que julga serem os seus grupos clientelares eleitorais”, agravou “as desigualdades entre os trabalhadores públicos e privados e, sobretudo, faliu, através do garrote das cativações, os serviços públicos essenciais, de que o mais grave exemplo é o setor da saúde”.

O Governo apresentou na segunda-feira o Programa de Estabilidade para 2019-2023, no qual mantém a meta de défice de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2019 e prevê um excedente para 2020 (0,3% do PIB).

Na ótica da Aliança, o executivo, liderado pelo socialista António Costa, “não soube aproveitar as tréguas da austeridade e da baixa das taxas de juro, para promover um grande programa de incentivo ao investimento”, e, ao invés, “sentou-se à sombra e contentou-se com as receitas do turismo”.

“Este Programa de Estabilidade mostra bem a visão curta do Governo para o país, uma visão limitada e submissa”, critica o partido liderado pelo antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes. Para a Aliança, “com este programa, o futuro de Portugal não tem por base nem estratégia nem visão, muito menos um plano com métricas suscetíveis de escrutínio, salvo, como sempre, para o défice orçamental”.

Assim, alegou aquela força política, “o futuro de Portugal, a economia portuguesa, ficarão à mercê das ocorrências, do desempenho e das contingências da economia europeia e mundial”, considerando que esta é “uma forma de governar passiva e acomodada, omissa em ambição”. “Portugal tem de crescer mais, não basta acompanhar o crescimento médio que se espera para a zona euro”, salienta a nota.

Indicando que “Portugal precisa de mais receita fiscal virtuosa, por via do crescimento e não à custa do rendimento disponível das famílias”, a Comissão Executiva do partido salienta também que “a carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho atingiu uma dimensão que contribui para o flagelo social que hoje existe no universo dos portugueses que trabalham”.

Cabe-nos agir e não só reagir. A carga fiscal sobre as empresas tem de baixar, tem de haver um forte apoio ao investimento privado e sobretudo estabilidade fiscal”, remata.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mas quem disse que eles estao la pra governar um país? Eu pensei que eles tivessem la se governarem a eles a as suas familias …e acreditando na maçonaria para controlar obras publicas

RESPONDER

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …

Avaria nos ventiladores em hospital na Roménia causa três mortes

Pelo menos três pacientes infetados com covid-19 morreram esta segunda-feira no hospital Victor Babes, em Bucareste, na sequência de uma falha no sistema de oxigénio na unidade móvel de cuidados intensivos em que se encontravam, …

Polícia mata a tiro um jovem negro durante julgamento do assassinato de Floyd. Multidão protesta

Um subúrbio de Minneapolis, EUA, onde decorre o julgamento do polícia acusado de matar o afro-americano George Floyd, foi colocado esta madrugada sob recolher obrigatório, após a morte de um jovem na noite de domingo. Um …

Marcelo promulga alterações do Governo a apoios sociais e realça "cabimento orçamental"

O Presidente da República promulgou hoje alterações do Governo ao acesso a apoios sociais, realçando que ao alargar as medidas recentemente aprovadas no parlamento se reconhece "a sua importância também social e o seu cabimento …

Portugal e Espanha vão ter base aérea transfronteiriça para combate a incêndios

A primeira base aérea transfronteiriça entre Portugal e Espanha vai ficar em Verín, no lado espanhol, e permitir o combate aos incêndios florestais na fronteira, num investimento de nove milhões de euros, anunciou hoje a …

Covid-19. Unilabs e Uber disponibilizam serviço de testes no domicílio

A Uber e a Unilabs uniram-se para disponibilizar um serviço de testes de rastreio à covid-19 ao domicílio. A iniciativa arranca esta segunda-feira e permitirá "melhorar a experiência e comodidade dos nossos clientes", disse o …

Mais de 700 civis mortos em Myanmar desde o golpe militar

As forças militares de Myanmar mataram mais de 700 civis desde o golpe de 01 de fevereiro, fazendo pelo menos 82 vítimas na sexta-feira na cidade de Bago, durante uma ofensiva contra os manifestantes. Segundo a …