O Governo “sentou-se à sombra” e a economia portuguesa “não sairá da cepa torta”

António Cotrim / Lusa

O partido Aliança considerou que a economia portuguesa “não sairá da cepa torta” e que Portugal “não vai prosperar” nos próximos quatro anos, acusando o Governo de governar para Bruxelas, ao comentar o Programa de Estabilidade.

Num comunicado enviado às redações, a Comissão Executiva do partido aponta que “retira uma certeza do Programa de Estabilidade 2018-2022”, que “o desempenho da economia portuguesa não sairá da cepa torta e o país não vai prosperar”.

“Se a frente de esquerda continuar a governar-nos, não temos dúvidas sobre o que será Portugal nos próximos quatro anos”, lê-se no documento, elencando que “o crescimento será insuficiente”, o que não permitirá ao país “sair da cauda da zona euro”.

A Aliança refere também que, “nos últimos quatro anos, a frente de esquerda governou para Bruxelas e para os que julga serem os seus grupos clientelares eleitorais”, agravou “as desigualdades entre os trabalhadores públicos e privados e, sobretudo, faliu, através do garrote das cativações, os serviços públicos essenciais, de que o mais grave exemplo é o setor da saúde”.

O Governo apresentou na segunda-feira o Programa de Estabilidade para 2019-2023, no qual mantém a meta de défice de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) para 2019 e prevê um excedente para 2020 (0,3% do PIB).

Na ótica da Aliança, o executivo, liderado pelo socialista António Costa, “não soube aproveitar as tréguas da austeridade e da baixa das taxas de juro, para promover um grande programa de incentivo ao investimento”, e, ao invés, “sentou-se à sombra e contentou-se com as receitas do turismo”.

“Este Programa de Estabilidade mostra bem a visão curta do Governo para o país, uma visão limitada e submissa”, critica o partido liderado pelo antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes. Para a Aliança, “com este programa, o futuro de Portugal não tem por base nem estratégia nem visão, muito menos um plano com métricas suscetíveis de escrutínio, salvo, como sempre, para o défice orçamental”.

Assim, alegou aquela força política, “o futuro de Portugal, a economia portuguesa, ficarão à mercê das ocorrências, do desempenho e das contingências da economia europeia e mundial”, considerando que esta é “uma forma de governar passiva e acomodada, omissa em ambição”. “Portugal tem de crescer mais, não basta acompanhar o crescimento médio que se espera para a zona euro”, salienta a nota.

Indicando que “Portugal precisa de mais receita fiscal virtuosa, por via do crescimento e não à custa do rendimento disponível das famílias”, a Comissão Executiva do partido salienta também que “a carga fiscal sobre os rendimentos do trabalho atingiu uma dimensão que contribui para o flagelo social que hoje existe no universo dos portugueses que trabalham”.

Cabe-nos agir e não só reagir. A carga fiscal sobre as empresas tem de baixar, tem de haver um forte apoio ao investimento privado e sobretudo estabilidade fiscal”, remata.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mas quem disse que eles estao la pra governar um país? Eu pensei que eles tivessem la se governarem a eles a as suas familias …e acreditando na maçonaria para controlar obras publicas

RESPONDER

Sob risco de expulsão, Fidesz de Orbán deixa bancada do Partido Popular Europeu pelo próprio pé

O partido Fidesz, liderado pelo primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán, vai deixar a bancada do Partido Popular Europeu no Parlamento Europeu. De acordo com a agência Reuters, o partido Fidesz, que governa a Hungria, anunciou esta quarta-feira …

Varandas move mundos e fundos por João Mário, que ganha dobro do teto salarial

Frederico Varandas está disposto a investir na contratação em definitivo de João Mário. O médio do Inter ganha quase o dobro do teto salarial em Alvalade. "João Mário é para ficar", lê-se esta quarta-feira na capa …

Moedas é a cara de uma megacoligação em Lisboa. PSD tenta fechar Santana em Sintra

Aliança, RIR, MPT e PPM também estão fechados. Carlos Moedas vai encabeçar a candidatura PSD/CDS à Câmara Municipal de Lisboa, uma megacoligação de centro-direita. O Público avança que a participação do Aliança, do Reagir, Incluir e …

Neandertais tinham a capacidade de falar e perceber a linguagem humana

Um novo estudo mostra que os nossos parentes Neandertais tinham a capacidade de ouvir e produzir os sons da fala dos humanos modernos. Nos últimos anos, várias evidências científicas provaram que os Neandertais eram muitos …

Maria José Valério morre vítima de covid-19 ao 87 anos

A cançonetista Maria José Valério, que deu voz à "Marcha do Sporting", morreu esta quarta-feira em Lisboa, aos 87 anos, vítima de covid-19, disse fonte da Casa do Artista. A intérprete de "Menina dos Telefones" (1961) …

Mais impostos e incentivos. Governo avança com reforma fiscal verde (e tem o apoio de Bruxelas)

O Governo está a trabalhar com a Comissão Europeia para aprofundar a primeira vaga reformista, lançada pelo anterior Governo PSD-CDS em 2015, para avançar com uma nova reforma fiscal verde. O Diário de Notícias avança esta …

Costa dá guião a deputados do PS sobre bazuca e promete plano nacional

António Costa reuniu-se com deputados do PS para elucidar sobre a aplicação da bazuca europeia. O primeiro-ministro prometeu um plano nacional para os setores mais afetados. Com as eleições autárquicas à porta e 16 mil milhões …

"Mini cérebros" criados em laboratório sugerem mutação que revolucionou a mente humana

A mudança de uma única letra no nosso código genético pode ter desencadeado um novo nível de função cerebral em humanos modernos, sugere um novo estudo. Como é que nós, humanos, nos tornamos o que somos …

6% da população já recebeu uma dose da vacina. 3% tem a vacinação completa

Portugal já vacinou 603.486 pessoas com a primeira dose da vacina contra a covid-19, com 168.798 a serem vacinadas na última semana, das quais 265.281 pessoas já têm a vacinação completa, informou o Ministério da …

Costa avisa: "A ideia de que as tragédias não se repetem é uma ideia falsa"

O primeiro-ministro fez, esta terça-feira, um veemente apelo à manutenção da disciplina individual para a contenção da covid-19, dizendo que Portugal não pode esquecer o que aconteceu no mês de janeiro. "Apelo ao sentido cívico de …