Professores “aceitam o desafio” e iniciam hoje greve de 4 dias

José Sena Goulão / Lusa

Não há acordo entre professores e Governo. A greve de quatro dias que os professores vão concretizar de forma faseada pelo território nacional começa esta terça-feira.

Os professores vão “aceitar o desafio” do Governo e iniciar esta terça-feira uma greve de quatro dias, distribuída por regiões. O secretário-geral da Fenprof admite, face o desenrolar das negociações, que a seguir a esta paralisação de quatro dias os docentes vão fazer “outras coisas”.

“Nós tivemos uma expectativa de que o Governo tivesse alguma coisa de novo para dizer, mas não, marca uma reunião para a véspera da greve e a única coisa que se limita é dizer o que já tinha dito antes, ou seja, que a maioria do tempo de serviço dos professores é para apagar”, disse à Lusa Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof.

A greve de quatro dias vai acontecer de forma faseada pelo território nacional, e tem como grande motivação o desacordo com o Governo em relação à contabilização do tempo de serviço congelado, matéria sobre a qual não saíram avanços ou novidades na reunião de segunda-feira entre as estruturas sindicais e a tutela.

Na reunião estiveram as secretárias de Estado adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, e da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca.

O Governo reafirmou, na reunião, a proposta que já tinha sido apresentada aos sindicatos e que as estruturas rejeitam: contabilizar apenas cerca de dois anos e 10 meses de tempo de serviço, dos nove anos, quatro meses e dois dias que os professores reclamam.

“Dá ideia até de que o Governo o que faz hoje é lançar um desafio aos professores: ‘vão lá fazer greve para eu ver se realmente estão insatisfeitos’. Pois os professores vão aceitar esse desafio e vão fazer greve, e, se calhar, a seguir a essa greve vão fazer outras coisas, porque na verdade esta discriminação é inaceitável”, argumenta Mário Nogueira.

Os sindicatos colocavam algumas expectativas na reunião de segunda-feira para uma eventual desconvocação da paralisação. No entanto, perante os resultados, que não alteraram em nada a proposta inicial, decidiram manter a greve planeada.

A greve arranca hoje nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira e termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte – Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança – e na região autónoma dos Açores.

No dia 14 a greve concentra-se na região sul – Évora, Portalegre, Beja e Faro – e no dia 15 na região centro – Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco.

Se o Governo quer desafios, vamos ao desafio, porque isto não é aceitável. É limpar tempo de serviço para a carreira e é também não querer marcar reuniões para discutir os aspetos da aposentação, dos horários de trabalho, que são outras matérias que vêm de novembro. Isto é completamente inaceitável”, aponta Mário Nogueira.

A 18 de novembro, depois de uma maratona negocial de 10 horas que se seguiu a longas reuniões em dias anteriores, Governo e sindicatos da educação chegaram a uma declaração de compromisso para dar início em 15 de dezembro às negociações de matérias importantes para os professores.

Entre elas, a contabilização do tempo de serviço, a reposição salarial, mas também matérias específicas da carreira que são reivindicações antigas dos sindicatos, como a revisão dos horários de trabalho e a criação de um estatuto de aposentação próprio para os docentes.

Em relação à exigência de contabilização integral do tempo de serviço congelado, os sindicatos escudam-se na resolução 01/2018 da Assembleia da República, aprovada com os votos favoráveis das bancadas parlamentares de esquerda, incluindo a do PS, na qual se recomenda a contabilização de todo o tempo de serviço congelado nas carreiras da função pública.

A explicação dada pelo Governo para a proposta que apresenta para a recuperação do tempo na carreira docente é a da “criação de uma lógica de equidade” com as carreiras gerais.

A greve é convocada pelas 10 estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, entre as quais as duas federações – FNE e Fenprof – e oito organizações mais pequenos: ASPL, Pró-Ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB E SPLIU.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a nova lei da paridade (mas com alguns parêntesis)

O Presidente da República promulgou a nova Lei da Paridade. A lei estabelece que as listas para a Assembleia da República, para o Parlamento Europeu e para as autarquias locais têm de assegurar a representação …

Cientistas descobrem o que provocou três eras glaciais na Terra

Cientistas estadunidenses calcularam que um evento geológico repetido deu origem às três últimas eras glaciais no nosso planeta, a última das quais ainda mantém o seu gelo nas regiões polares. Segundo a revista Science, a responsável …

A Terra pode guardar um Oumuamua no seu interior

Uma parte da terra que pisamos poderia vir, literalmente, de outras regiões da galáxia - áreas muito distantes do local onde o planeta está localizado e que para chegar até aqui teriam que viajar anos-luz …

Há um planeta mais próximo da Terra do que Vénus

A partir do Sol, a ordem dos primeiros planetas começa com Mercúrio, depois Vénus e depois a Terra. Então, Vénus é o planeta mais próximo do nosso? A resposta é: depende. Uma equipa de cientistas acaba …

O fim das consolas está à vista. Google lança serviço de videojogos na "nuvem"

A Google apresentou o seu novo serviço de jogos na "nuvem", Stadia, na Game Developers Conference (GDC), em São Francisco. O serviço não precisa de nenhuma consola e pode ser jogado em qualquer plataforma. O CEO …

Câmaras escondidas em hotéis filmavam hóspedes sem consentimento

O escândalo foi revelado na Coreia do Sul, onde dois homens foram presos por esconder câmaras em hotéis, que transmitiam as imagens em direto para um site, onde havia quem pagasse dinheiro para ver as …

Mesquita Nunes quer ser feliz (e que haja espaço nos partidos para quem tem vida profissional)

Adolfo Mesquita Nunes defende que "tem de haver espaço nos partidos para quem tem vida profissional". O antigo vice-presidente do CDS/PP apresentou a sua demissão do partido para assumir funções na administração da Galp. "Tem a …

Finlandeses são o povo mais feliz do mundo

A Finlândia lidera, pelo segundo ano consecutivo, um ranking da ONU das populações mais felizes, onde os investigadores dizem que os níveis de felicidade no mundo estão a diminuir. O Relatório Mundial sobre a Felicidade de …

Condenado por homicídio com provas semeadas pela Polícia vai receber 13 milhões de dólares

O Conselho de Supervisores de San Francisco, nos Estados Unidos (EUA), aprovou na terça-feira uma indemnização de 13,1 milhões de dólares (cerca de 11,5 milhões de euros) a um homem que passou mais de seis …

Manhattan vai crescer para se proteger das mudanças climáticas

O responsável de Manhattan, Bill de Blasio, anunciou o seu plano de expandir o litoral de Manhattan até o East River para proteger a parte baixa de Manhattan, centro dos mercados financeiros da cidade, dos …