Professores “aceitam o desafio” e iniciam hoje greve de 4 dias

José Sena Goulão / Lusa

Não há acordo entre professores e Governo. A greve de quatro dias que os professores vão concretizar de forma faseada pelo território nacional começa esta terça-feira.

Os professores vão “aceitar o desafio” do Governo e iniciar esta terça-feira uma greve de quatro dias, distribuída por regiões. O secretário-geral da Fenprof admite, face o desenrolar das negociações, que a seguir a esta paralisação de quatro dias os docentes vão fazer “outras coisas”.

“Nós tivemos uma expectativa de que o Governo tivesse alguma coisa de novo para dizer, mas não, marca uma reunião para a véspera da greve e a única coisa que se limita é dizer o que já tinha dito antes, ou seja, que a maioria do tempo de serviço dos professores é para apagar”, disse à Lusa Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof.

A greve de quatro dias vai acontecer de forma faseada pelo território nacional, e tem como grande motivação o desacordo com o Governo em relação à contabilização do tempo de serviço congelado, matéria sobre a qual não saíram avanços ou novidades na reunião de segunda-feira entre as estruturas sindicais e a tutela.

Na reunião estiveram as secretárias de Estado adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, e da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca.

O Governo reafirmou, na reunião, a proposta que já tinha sido apresentada aos sindicatos e que as estruturas rejeitam: contabilizar apenas cerca de dois anos e 10 meses de tempo de serviço, dos nove anos, quatro meses e dois dias que os professores reclamam.

“Dá ideia até de que o Governo o que faz hoje é lançar um desafio aos professores: ‘vão lá fazer greve para eu ver se realmente estão insatisfeitos’. Pois os professores vão aceitar esse desafio e vão fazer greve, e, se calhar, a seguir a essa greve vão fazer outras coisas, porque na verdade esta discriminação é inaceitável”, argumenta Mário Nogueira.

Os sindicatos colocavam algumas expectativas na reunião de segunda-feira para uma eventual desconvocação da paralisação. No entanto, perante os resultados, que não alteraram em nada a proposta inicial, decidiram manter a greve planeada.

A greve arranca hoje nos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira e termina a 16 de março, sexta-feira, dia em que os professores paralisam na região norte – Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança – e na região autónoma dos Açores.

No dia 14 a greve concentra-se na região sul – Évora, Portalegre, Beja e Faro – e no dia 15 na região centro – Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco.

Se o Governo quer desafios, vamos ao desafio, porque isto não é aceitável. É limpar tempo de serviço para a carreira e é também não querer marcar reuniões para discutir os aspetos da aposentação, dos horários de trabalho, que são outras matérias que vêm de novembro. Isto é completamente inaceitável”, aponta Mário Nogueira.

A 18 de novembro, depois de uma maratona negocial de 10 horas que se seguiu a longas reuniões em dias anteriores, Governo e sindicatos da educação chegaram a uma declaração de compromisso para dar início em 15 de dezembro às negociações de matérias importantes para os professores.

Entre elas, a contabilização do tempo de serviço, a reposição salarial, mas também matérias específicas da carreira que são reivindicações antigas dos sindicatos, como a revisão dos horários de trabalho e a criação de um estatuto de aposentação próprio para os docentes.

Em relação à exigência de contabilização integral do tempo de serviço congelado, os sindicatos escudam-se na resolução 01/2018 da Assembleia da República, aprovada com os votos favoráveis das bancadas parlamentares de esquerda, incluindo a do PS, na qual se recomenda a contabilização de todo o tempo de serviço congelado nas carreiras da função pública.

A explicação dada pelo Governo para a proposta que apresenta para a recuperação do tempo na carreira docente é a da “criação de uma lógica de equidade” com as carreiras gerais.

A greve é convocada pelas 10 estruturas sindicais de professores que assinaram a declaração de compromisso com o Governo, entre as quais as duas federações – FNE e Fenprof – e oito organizações mais pequenos: ASPL, Pró-Ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB E SPLIU.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tony transformou autocarro em Arca de Noé para salvar animais do Florence

Enquanto muitos americanos fugiam do furacão Florence, um camionista de 51 anos fazia o percurso inverso com uma missão em mente. Dentro de um autocarro, Alsup transportou mais de 60 animais da costa da Carolina …

Mais de 500 rinocerontes mortos na África do Sul este ano

A caça furtiva na África do Sul causou a morte a 508 rinocerontes, entre janeiro e agosto deste ano, o que significa um decréscimo no número de espécimes caçados, em relação a 2017, anunciou o …

Número de mortos em naufrágio na Tanzânia sobe para 170

O número de pessoas que morreram no naufrágio de um navio de passageiros no lago Vitória, na Tanzânia, subiu para 170, de acordo com os meios de comunicação locais. As operações de resgate recomeçaram na manhã …

Há um satélite-pescador no espaço

O Satélite britânico RemoveDebris está a navegar no espaço desde junho e lançou com sucesso uma rede em órbita com o objetivo de capturar material que anda à deriva em redor da Terra. O satélite-pescador britânico …

Governo cumpriu “rigorosamente” acordo com setor do táxi

O Ministro Ambiente, João Matos Fernandes, disse este sábado que o governo cumpriu “rigorosamente” o acordo que assinou com a duas associações que representam os taxistas para a modernização do setor. "Não é verdade que se …

Juízes defendem acórdão que desvaloriza violação de mulher inconsciente

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses sai em defesa dos dois magistrados, um dos quais o presidente da entidade, que assinaram o acórdão que desvaloriza a gravidade da violação de uma mulher inconsciente, numa discoteca, …

Salas para maiores de 18 anos levam à demissão do director de Serralves

O director artístico do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, João Ribas, demitiu-se do cargo depois de a administração ter limitado a maiores de 18 anos uma parte da exposição dedicada ao fotógrafo norte-americano Robert …

Isabel do Santos desmente ação contra João Lourenço mas processo deu entrada no Supremo

Isabel do Santos, filha do antigo Presidente da Angola, desmente ter entrado com uma ação contra o atual Presidente João Lourenço. No entanto, o processo cível contra o Estado deu entrada no Supremo. De acordo …

Arqueólogos fazem "descoberta do Século" no Tejo (e tem pimenta)

Uma equipa de arqueólogos da Câmara Municipal de Cascais, do Projeto Municipal da Carta Arqueológica Subaquática do Litoral, descobriu uma nau que terá naufragado entre 1575 e 1625, e que é considerada a “descoberta do …

ADSE adia implementação de novas regras para tentar acordo com privados

Os hospitais privados e ADSE continuam com o braço de ferro, mas, por agora, os privados não vão deixar de operar beneficiários da ADSE. O boicote anunciado esta manhã foi adiado. Esta manhã, o o semanário …