/

Professor debaixo de fogo após dizer que “mulheres de conforto” no Japão eram “prostitutas com contrato”

2

John G. Mabanglo / EPA

Um professor da Universidade de Harvard despertou fúria internacional após afirmar que as mulheres coreanas que foram mantidas como escravas sexuais no Japão durante a II Guerra Mundial escolheram trabalhar como prostitutas.

Há um grande volume de estudos que exploram as formas pelas quais os militares japoneses imperiais forçaram ou coagiram meninas e mulheres a um sistema organizado de escravidão sexual para servir aos soldados japoneses antes e durante a II Guerra Mundial.

O controle sobre a narrativa histórica sobre as chamadas “mulheres de conforto”, a maioria das quais coreanas, continua a ser uma questão de discórdia entre os governos do Japão e da Coreia do Sul, uma vez que políticos conservadores japoneses tentaram, nos últimos anos, negar a responsabilidade do Estado e reescrever livros didáticos.

Recentemente, John Mark Ramseyer, professor de Estudos Jurídicos Japoneses na Faculdade de Direito da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, escreveu um artigo num jornal japonês, descrevendo a “história de mulheres escravas sexuais de conforto” como “pura ficção”. 

O docente também publicou um artigo na revista académica International Review of Law and Economics, caracterizando as mulheres de conforto como prostitutas, que eram capazes de negociar e exigir altos salários pelos seus trabalhos sexuais.

“Juntos, as mulheres e os bordéis concluíram contratos de escritura que combinavam um grande adiantamento com prazos de um ou dois anos. Até aos últimos meses da guerra, as mulheres cumpriam sos eus termos ou pagavam as suas dívidas antecipadamente, e voltavam para casa”, escreveu Ramseyer.

Estas declarações tornaram-se assunto de uma controvérsia internacional. Os estudiosos reclamaram, acusando Ramseyer de negligenciar as extensas evidências de que o sistema de “mulheres de conforto” equivalia à escravidão sexual patrocinada pelo Governo – e não a um contrato entre as partes consentidas.

A revista científica anexou uma expressão de preocupação à versão online do artigo de Ramseyer, intitulado “Contratação de sexo na Guerra do Pacífico”. Um porta-voz da Elsevier, a editora académica, disse que a revista vai atrasar  a publicação da próxima edição impressa, que contém o artigo, para permitir a impressão de respostas na mesma edição.

“A equipa editorial da International Review of Law and Economics emitiu uma expressão de preocupação ligada ao artigo acima mencionado, para informar os leitores de que foram levantadas preocupações em relação às evidências históricas do artigo. Essas alegações estão a ser investigadas e o jornal fornecerá informações adicionais assim que estiverem disponíveis”, disse. “A edição impressa está a ser temporariamente suspensa para que a expressão de preocupação e comentários/respostas possam ser publicados na mesma edição do artigo original para dar aos leitores acesso à imagem mais completa possível. ”

Alexis Dudden, professora de história da Universidade de Connecticut que disse ter sido solicitada a escrever uma refutação ao artigo de Ramseyer, descreveu o seu artigo como “fraude académica” análoga à negação do Holocausto.

“Tantas bolsas foram produzidas nos 30 anos desde que o primeiro sobrevivente apareceu e é quase como se a decisão do Professor Ramseyer fosse simplesmente ignorar todo o debate e dar uma condenação fulminante de todas as opiniões diferentes das suas mentiras “, disse Dudden, especialista em história moderna japonesa e coreana.

Andrew Gordon e Carter Eckert, historiadores da Universidade de Harvard, foram alguns dos académicos que se insurgiram contra o trabalho que, segundo eles, não assenta em quaisquer documentos históricos. “Não percebemos como é que Ramseyer pode fazer afirmações credíveis, com palavras tão enfáticas, sobre contratos que não leu”, disseram, citados pelo jornal britânico The Guardian.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Os argumentos do professor Ramseyer são factualmente imprecisos e enganosos“, lê-se numa declaração da Associação Coreana da Faculdade de Direito de Harvard e nove outros grupos. “Sem qualquer evidência convincente, o professor Ramseyer argumenta que nenhum governo ‘forçou as mulheres à prostituição’. Décadas de bolsas de estudos coreanas, fontes primárias e relatórios de terceiros desafiam essa caracterização”.

A questão das “mulheres de conforto” forçadas a trabalhar nos bordéis do Japão antes e durante a II Guerra Mundial e a questão de saber se as vítimas foram adequadamente compensadas não reúne consenso.

Décadas de investigação exploraram os abusos infligidos a mulheres da Coreia e outras nações anteriormente ocupadas pelo Japão. Na década de 1990, as mulheres começaram a partilhar relatos, detalhando como eram levadas para “estações de conforto” e forçadas a fornecer serviços sexuais aos militares japoneses.

O Japão considera o assunto “resolvido de forma irreversível” por um acordo de 2015 alcançado por Shinzo Abe e pelo presidente sul-coreano Park Geun-hye, segundo o qual Abe pediu desculpas e prometeu um fundo para apoiar as sobreviventes. Já o Governo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, declarou que o acordo estava defeito, anulando-o.

  Maria Campos, ZAP //

2 Comments

  1. Convenhamos… hoje em dia é proibido por leis subentendidas, dizer algo contra as mulheres… não importa o que seja… qualquer dia até se elimina do dicionário o termo prostituta por ser desfavorável contra mulheres e arranja-se alguma coisa mais queridinha para as descrever…

  2. A hestoria costuma ser escrita de Forma enganosa pelos vencedores ! neste situaçao sao os vencidos e a coisa complica-se ,raramente se ve em algo sobre a segunda guerra mundial ,sobre as atrocidades e violaçoes feitas pelas tropas alidas e comunistas,mas com grande detalhe as maldades do enimigo

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.