“Mulheres de conforto”. Tensão escala entre Tóquio e Seul devido a estátua semelhante a Shinzo Abe

O Governo do Japão denunciou, na terça-feira, uma estátua na Coreia do Sul que parece representar o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, a fazer uma vénia a uma “mulher de conforto”, um eufemismo para mulheres forçadas a trabalhar nos bordéis do Japão durante a guerra.

O secretário-chefe do gabinete do Japão, Yoshihide Suga, disse que, se os relatos da estátua em exibição fossem verdadeiros, seria uma violação “imperdoável” do protocolo internacional. “Se os relatórios forem precisos, haverá um impacto decisivo nas relações Japão-Coreia”, disse Suga em conferência de imprensa em Tóquio.

Por outro lado, o chefe de um jardim botânico de gerência privada que encomendou o trabalho disse que a figura ajoelhada deveria representar qualquer pessoa que possa estar em posição de se desculpar formalmente pelo erro histórico – e não Shinzo Abe em particular.

Em declarações à agência Reuters, Kim Chang-ryul disse que não previu que a estátua inflamaria uma questão diplomática já complicada.

O site do jardim, no condado rural de Pyeongchang, nomeia a estátua “Indemnização Eterna”. As “mulheres de conforto” são um eufemismo utilizado para designar mulheres forçadas à prostituição e escravidão sexual nos bordéis militares japoneses durante a II Guerra Mundial. Calcula-se que entre 50 e 200 mil mulheres tenham sido conscritas, mas ainda existem discordâncias sobre os números exatos.

A maioria delas provinham da Coreia e China, mas mulheres das Filipinas, Tailândia, Vietname, Malásia, Taiwan, Indonésia e outros territórios ocupados pelo Império do Japão também foram usadas nos “postos de conforto”, que se localizavam no Japão, China, Filipinas, Indonésia, Malásia Britânica, Tailândia, Birmânia, Nova Guiné, Hong Kong, Macau, e no que então era a Indochina Francesa.

O Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul disse que pode haver um protocolo internacional a ser considerado, mas recusou fazer mais comentários, dizendo que foi um ato de um cidadão particular.

A questão das “mulheres de conforto” forçadas a trabalhar nos bordéis do Japão antes e durante a II Guerra Mundial e a questão de saber se as vítimas foram adequadamente compensadas não reúne consenso.

O Japão considera o assunto “resolvido de forma irreversível” por um acordo de 2015 alcançado por Shinzo Abe e pelo presidente sul-coreano Park Geun-hye, segundo o qual Abe pediu desculpas e prometeu um fundo para apoiar as sobreviventes. Já o Governo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, declarou que o acordo estava defeito, anulando-o.

Os laços entre os dois país têm sido tensos. No ano passado, o Japão impôs restrições à exportação de materiais de alta tecnologia para a Coreia do Sul, após uma decisão sul-coreana que ordenava que as empresas japonesas pagassem uma compensação às coreanas forçadas a trabalhar em bordéis durante a guerra.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Em sessão acesa, primeiro-ministro polaco diz ao Parlamento Europeu que o país não cederá a chantagens

Guerra de palavras entre representantes do governo polaco e as instituições europeias tem vindo a escalar ao longo das últimas semanas, depois de o Tribunal Constitucional do país ter determinado que a lei nacional se …

China nega lançamento de míssil hipersónico - mas Estados Unidos estão “muito preocupados”

Em agosto, a China terá lançado um míssil com capacidade nuclear. Os Estados Unidos mostram-se muito preocupados com este tipo de atividade. Segundo noticia o Financial Times, o míssil terá sido lançado pelos militares chineses num …

O ex-Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Trump luta para manter sob sigilo documentos sobre ataque ao Capitólio (e avança para tribunal)

Donald Trump processou a comissão do Congresso responsável pela investigação do ataque ao Capitólio, alegando que fez um pedido ilegal dos seus registos da Casa Branca. O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump entrou com uma …

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, o governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, e o presidente do Partido Social Democrata, Rui Rio

Rio defendeu, Rangel atirou, Balsemão marcou e Montenegro fez o relato. A luta interna do PSD fez-se nas entrelinhas da posse de Moedas

Podia ter sido um jogo de futebol, mas foi só a tomada de posse de Carlos Moedas. Na Praça do Município, em Lisboa, Rio defendeu ao não ter notado a presença de um dos protagonistas …

Proposta Coba Consultores para nova ponte sobre o Douro

Nova ponte do Porto já tem desenho conhecido. Vai servir para metro, ciclovia e peões

A Metro do Porto recebeu 28 propostas para o concurso público de elaboração de projeto e execução da nova ponte sobre o rio Douro. Já foram selecionadas as três melhores. Esta segunda-feira, foram apresentados os três …

AC Milan não esconde: jogos com o FC Porto serão decisivos

Italianos recordam que vão defrontar uma equipa que está quase sempre presente na Liga dos Campeões. "Os nossos dois jogos contra o FC Porto vão ser decisivos para a classificação final do grupo". O treinador do …

Aristides de Sousa Mendes no Panteão Nacional. "Aqui permanecerá até ao fim dos tempos, se os tempos tiverem fim"

O antigo cônsul português Aristides de Sousa Mendes, que salvou milhares de judeus do regime nazi, recebe hoje honras de Panteão Nacional, em Lisboa, através de um túmulo sem corpo. Esta cerimónia acontece 67 anos após …

Besiktas avisa os adeptos: "Contra o Sporting...não se sentem nas escadas!"

Turcos e portugueses chegam à terceira jornada na Liga dos Campeões com zero pontos. "Isto não é um caminho fácil", admite o treinador Sergen Yalçın. Um dos primeiros jogos da terceira jornada da Liga dos Campeões …

Real Madrid está disposto a oferecer Hazard por Salah

Mohamed Salah, uma das estrelas do plantel do Liverpool, está a ser adorado pelo Real Madrid. Os merengues estão a pensar apresentar uma proposta que envolve Eden Hazard. Mohamed Salah termina contrato com o Liverpool em …

Rangel: Maioria absoluta é possível, crise política improvável e acordos com o Chega para descartar

Candidato à liderança do PSD diz não ter "estados de alma" sobre os próximos passos de Rio. É da opinião que os portugueses não compreenderiam uma crise política no contexto atual, mas também considera que …