Presidente Gouveia e Melo? “Daria um péssimo político”

Tiago Petinga / Lusa

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, coordenador do plano de vacinação contra a covid-19

O vice-almirante Gouveia e Melo, coordenador do processo de vacinação contra a covid-19, prometeu abandonar o camuflado quando a “guerra” for ganha e manifestou-se contra a “sobrevacinação” de populações já vacinadas.

“Vou despir este camuflado quando sentir que de alguma forma ganhámos a guerra, ou pelo menos não a conseguimos fazer melhor. Em princípio será quando se atingir os 85% das segundas doses”, disse o coordenador da “task-force” à Lusa, numa entrevista a propósito do balanço sobre o processo de vacinação.

Esse marco deverá ser alcançado por estes dias, segundo disse, mas, até lá, não quer dar “sinal de descanso”, sublinhou Gouveia e Melo.

“Enquanto não tivermos todos com a segunda dose – todos os 84% ou 85% da população – há um trabalho a fazer, que é retirar espaço de manobra ao vírus”, acrescentou, referindo que essa tarefa compete ao Estado – que tem de dar as condições para que tal aconteça – e aos portugueses, acorrendo ao processo de vacinação.

Gouveia e Melo considerou, no entanto, que não faz sentido “sobrevacinar” populações já vacinadas, deixando outras à mercê do vírus, nomeadamente noutras zonas do globo. “Isso não me parece ético e não parece uma boa estratégia”, destacou.

“Há um princípio ético e moral, nós não devemos proteger-nos em detrimento de outras pessoas, que precisam também de proteção”, esclareceu, justificando que “devemos ser solidários, a solidariedade não é só com o irmão, ou com a mãe ou com a família, é dentro do Estado e, depois do Estado, para outros estados e na comunidade internacional”.

Por outro lado, o vice-almirante assinalou o “aspeto prático”: “Não é uma boa estratégia deixar zonas muito desprotegidas, onde o vírus se vai mutar naturalmente (…) e não é combatido”.

“Se o vírus se mutar mais rapidamente, mais tarde ou mais cedo, face à globalização, viremos a sofrer de uma reinfeção de uma estirpe já mutada muito mais resistente é muito mais difícil de combater”, afirmou.

Portugal perto do limite da população-alvo

Portugal está a chegar ao limite da população que pode ou quer ser vacinada contra a covid-19, afirma ainda o vice-almirante Gouveia e Melo.

“Estamos a chegar ao limite do público-alvo para ser vacinado”, indica, apontando que a meta de 85% da população portuguesa com vacinação contra a covid-19 completa deverá ser atingida até ao fim do mês“, esclareceu o coordenador da task force.

O processo está “mesmo já no fim, tirando as crianças dos 0 aos 12 anos, que são entre 11% e 12% da população, e havendo 3% a 4% de pessoas que recusam a vacina. Isso significa que não teremos muito mais população para vacinar”, referiu.

Olhando para o futuro, Gouveia e Melo defende que “não é necessária uma ‘task-force’” para além da missão que está prestes a finalizar, quer para fazer reforços de vacinação quer para a eventualidade de a vacinação contra a covid-19 se tornar uma rotina regular.

“O que está recomendado é uma vacinação reforçada para pessoas imunossuprimidas. Estamos a falar num universo de, no máximo, 100 mil pessoas, se calhar até inferior”, salienta Gouveia e Melo, que garante que “neste momento há reserva de vacinas para essa terceira dose”.

Com o novo ano letivo prestes a começar, o vice-almirante Gouveia e Melo admite que “este vírus gosta de ajuntamentos e que “é natural” que se assista a um aumento de casos, mas afirma-se otimista.

“Estou convencido que com a taxa de vacinação que nós temos na população, a incidência não aumentará muito, poderá aumentar temporariamente, mas vai cair naturalmente”.

Manifestantes precisam de “lição de democracia”

O coordenador do processo de vacinação contra a covid-19 defende que os manifestantes “negacionistas” que lhe chamaram “assassino” precisam de uma “lição de democracia” e garante não recear qualquer agressão, apesar de estar sob proteção policial.

“Todos os debates e conversas são interessantes e importantes”, salienta o vice-almirante

Mas, acrescenta, “quando nós dizemos que as vacinas salvam milhares de pessoas e as pessoas dizem que não salvam, não há aqui ponto de encontro para se discutir. Nós não conseguimos encontrar uma margem de discussão quando não concordamos com o facto básico que gera a discussão”.

Quando visitava um centro em Odivelas no dia 14 de agosto onde se concentravam jovens adolescentes, um grupo de manifestantes antivacinação chamou-lhe “assassino”, ao mesmo tempo que se declarava contra a inoculação de jovens, argumentando que “crianças não são cobaias”.

“As pessoas tentaram barrar-me o caminho e gritavam aos meus ouvidos. Não houve nenhuma tentativa de agressão, na realidade. Aquilo não é democracia. Democracia é discutirmos argumentos, mas não temos que os impor a ninguém”, relata.

“Houve miúdos que foram tomar as vacinas naquele momento e, quando iam a passar, os manifestantes diziam ‘Lá vai mais um morto!’. Isso é uma pressão, uma coação psicológica. Essas pessoas têm que ter uma lição de democracia”, defende.

Gouveia e Melo frisa que “ninguém é obrigado a ser vacinado, mas quem quer ser vacinado deve poder passar pela porta tranquilamente e deve poder sair pela mesma porta tranquilamente depois de ser vacinado. Não tem que ser molestado, amedrontado ou perseguido psicologicamente”, reforça.

“Acho que daria um péssimo político”

O coordenador da task force de vacinação contra a covid-19 considera que “daria um péssimo político” e que se sente “perfeitamente realizado enquanto militar”, assim respondendo à sugestão de uma candidatura à Presidência da República.

“Não sinto necessidade de dar o meu contributo enquanto político, primeiro porque não estou preparado para isso, acho que daria um péssimo político e também acho que devemos separar o que é militar do que é político, porque são campos de atuação completamente diferentes”, afirmou o vice-almirante Gouveia e Melo.

Além do mais, não se sente “inclinado para isso”, explicou o militar. “Já diversas vezes me perguntaram e eu tenho a certeza absoluta que há dentro do quadro democrático e da sociedade civil pessoas muito mais capazes para desempenhar esse papel”, sublinhou.

Para o vice-almirante, que exerce a coordenação do processo de vacinação desde fevereiro, os militares são mais vocacionados para a ação e são menos negociadores.

“A política é uma arte de negociação permanente, nós militares somos menos negociadores, na nossa maneira de estar a rapidez da ação não exige de nós grandes capacidades de negociação, exige grandes capacidades de decisão e de decisão sob stresse”.

Para Gouveia e Melo, essa é uma das razões pela qual daria um péssimo político: “Falta-nos essa capacidade de negociar de forma muito aberta com todos os setores e interesses da sociedade e isso é uma coisa que os militares não estão habituados a fazer”.

“Acho que não há necessidade de nenhum militar vir para a política, nós temos uma classe política muito desenvolvida e estruturada, a democracia está estruturada e terá os seus caminhos e encontrará sempre as suas soluções”, concluiu Gouveia e Melo.

“Não preciso de mais medalhas”

Do ponto de vista pessoal, terminada a tarefa da vacinação, o vice-almirante disse tencionar tirar “três dias para descansar depois disto, só para desligar o ritmo” e regressar às funções que desempenhava.

Anteriormente, Gouveia e Melo era adjunto para o Planeamento e Coordenação do Estado-Maior General das Forças Armadas, cargo pelo qual recebeu uma medalha do Presidente da República, a 19 de agosto passado. “Tratou-se de um reconhecimento, ao fim e ao cabo, da função militar”, disse.

“A medalha que eu recebi, em termos de ‘timing’, pode ter parecido que era uma medalha que tinha a ver com o processo de vacinação, mas o que me foi explicado é que era um processo que tinha a ver com as funções que desempenhei nas Forças Armadas”, contou o vice-almirante.

Questionado se mereceria uma outra pela vacinação – “uma medalha civil”, como se lhe referiu – Gouveia e Melo respondeu que não precisa “de mais medalhas nenhumas”.

“Já não preciso de nada, eu vou na rua e as pessoas agradecem, a generalidade das pessoas tem uma atitude muito generosa para comigo e ao fim e ao cabo eu também represento um grupo de militares e de enfermeiros, essa medalha é para todos nós”, concluiu.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Engraçado como diz “Democracia não é impor as nossas ideias aos outros”
    Mas são os Alarmistas (que inclui a comunicação social & DGS & governo) que estão a tentar impor a sua paranoia a todos..

  2. Não sei se o Sr. General Ramalho Eanes (e muitos outros militares) estarão de acordo com essa separação dos militares da vida política activa, eu estou de acordo com a base do princípio ínvocado ou seja “a César o que é de César…” ou “cada galinha no seu poleiro” ou ainda “quem te manda a ti sapateiro…” (o povo é sábio)

  3. Gostei do titulo do artigo !…… É verdade que para ser “bom” Politico, mentir, governar-se e não governar, saber ser hipócrita por conveniência, são qualidades e requisitos incontestáveis !……tudo isto sem generalizar !

RESPONDER

Combustíveis: governantes "não fizeram o trabalho de casa"

A presidente executiva da OZ Energia, Micaela Silva, defendeu que o “Governo devia intervir menos” no mercado dos combustíveis, porque é liberalizado e não tem margens excessivas de comercialização, mas é “muito penalizado” pela quantidade …

Implante cerebral permite que paciente totalmente cega consiga ver formas e letras

Os cientistas da Universidade Miguel Hernández de Elche (UMH), em Espanha, fizeram com que uma mulher completamente cega conseguisse ver formas simples e letras, através da colocação de um implante no seu córtex visual. Os investigadores …

Teoria dos primatas pedrados. Podem os cogumelos mágicos ter sido a chave para a nossa evolução?

A teoria já era conhecida desde os anos 90, mas um novo estudo veio trazê-la à baila novamente. O argumento é de que os cogumelos com efeitos psicadélicos podem ter ajudado a tornar os nossos …

Ainda sem fumo branco para o OE, Bloco e PCP reúnem órgãos máximos

O PCP e o Bloco de Esquerda reúnem hoje os respetivos órgãos máximos entre congressos com a proposta orçamental para 2022 no centro do debate. As conclusões da reunião da Mesa Nacional do BE serão apresentadas …

Sismo de 4,9 em La Palma e novo colapso do cone do Cumbre Vieja

A ilha espanhola de La Palma registou hoje um sismo de 4,8 de magnitude, no dia em que o vulcão voltou a sofrer um colapso no cone principal, causando grandes derrames de lava. O sismo foi …

Algas vivas sensíveis à luz (um tipo de cianobactérias chamado Synechocystis) injetadas num girino

Podia ser ficção científica, mas não é. Injetar algas no sangue dos sapos pode ajudá-los a respirar

Os sapos adotam várias técnicas de respiração ao longo da sua vida. Agora, uma equipa de cientistas alemães desenvolveu um novo método que permite que os girinos "respirem" graças à introdução de algas na sua …

As misteriosas auroras de Úrano foram finalmente detalhadas ao pormenor pelos cientistas

Auroras de Úrano foram captadas pela primeira vez em 2011 através do telescópio Hubble Space, mas as suas origens representam ainda mistérios que os cientistas não conseguem esclarecer. Pela primeira vez, os cientistas conseguiram moldar a …

Domingo invulgar: 17 grandes jogos para ver, em poucas horas

A ementa começa em França, ao meio-dia, e acaba no Chile, já depois das oito da noite. Não estamos perto do Carnaval mas vem aí um "domingo gordo" no futebol. Vários jogos grandes, uns mais mediáticos …

Sporting 1-0 Moreirense | Capitão Coates embala leão

O Sporting igualou hoje o FC Porto na liderança provisória da I Liga portuguesa de futebol, ao vencer em casa o Moreirense, por 1-0, em jogo da nona jornada. O capitão Sebastián Coates marcou, aos …

Relatório médico indica que jovem chinês morreu após beber uma garrafa de Coca-Cola em dez minutos

Um homem chinês morreu depois de beber uma garrafa de 1,5 litros de Coca-Cola em dez minutos, informaram os médicos num relatório. O jovem de 22 anos, que não tinha doenças subjacentes, dirigiu às urgências do …