/

O negacionismo e obscurantismo “é que são os verdadeiros assassinos”

3

Miguel A. Lopes / Lusa

Gouveia e Melo foi confrontado por populares à entrada para o Centro de Vacinação de Odivelas

O vice-almirante Gouveia e Melo foi este sábado chamado de “assassino” durante uma visita ao centro de vacinação de Odivelas. “O negacionismo e obscurantismo é que são os verdadeiros assassinos”, respondeu o coordenador da task-force da vacinação.

O vice-almirante Gouveia e Melo, coordenador da task-force da vacinação contra a covid-19 em Portugal, foi na noite deste sábado confrontado por manifestantes à porta do Centro de Vacinação de Odivelas, que se encontrava aberto para vacinar jovens com 16 e 17 anos.

À chegada ao Pavilhão Multiusos de Odivelas, cerca das 22h, o vice-almirante foi recebido por cerca de duas dezenas de manifestantes anti-vacinas, que contestavam a ação de vacinação em curso no local.

Indiferente aos protestos, Gouveia e Melo não evitou o contacto com os manifestantes e dirigiu-se à entrada do pavilhão. Gerou-se então um momento de alguma tensão, com os manifestantes a chamar “assassino, assassino” ao vice-almirante.

Em resposta aos protestos, o coordenador da task-force da vacinação considerou que “o negacionismo e o obscurantismo é que são os verdadeiros assassinos. Morreram mais de 18 mil pessoas em resultado desta pandemia”.

“Eu estou aqui para contribuir, pelo contrário, para esclarecer as pessoas de que esta pandemia é perigosíssima, e nós não devemos ter medo de ninguém“, acrescentou Gouveia e Melo, em declarações à imprensa no interior do Centro de Vacinação.

“A vacinação é um ato voluntário. Ninguém obriga ninguém a ser vacinado. Mas já se percebeu o que é que mata, não é a vacina. É o vírus“, sublinhou o vice-almirante.

“Meus senhores, não se preocupem, que isto é uma democracia, as pessoas têm direito à sua opinião e a manifestar-se”, disse ainda Gouveia e Melo, quando questionado sobre os protestos com que tinha sido recebido. “Não têm é o direito a impor a sua opinião aos outros”.

A vacinação é livre, as pessoas apresentam-se à vacinação de forma livre, por isso não há mais nada a dizer”, concluiu o responsável nacional pela vacinação contra a covid-19.

À saída do Centro de Vacinação, o vice-almirante voltou a não evitar o contacto com os manifestantes, que continuavam à sua espera — e que lhe dirigiram o mesmo pregão. “Assassino, assassino“.

102 mil jovens vacinados no sábado

Ainda no interior do Pavilhão Multiusos, o coordenador da task-force congratulou os jovens que tinham furado o protesto à entrada para se apresentarem à vacinação.

“Jovens na sua juventude já mostram uma maturidade muito superior ao que está atrás de mim neste momento”, afirmou Gouveia e Melo, citado pelo Público, numa referência à manifestação à porta do centro. “Os jovens disseram sim” à vacinação”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Ter conversado com jovens que disseram aqueles senhores andaram a encher-me a cabeça e eu passei pela fila e vim vacinar-me enche-me o peito de esperança porque o nosso povo, afinal de contas, tem muito mais sabedoria do que a gente possa pensar”, concluiu Gouveia e Melo.

De acordo com fonte da task-force citada pela Lusa, no primeiro dia em que a vacinação se encontrava aberta a jovens de 16 e 17 anos foram vacinados 102 mil jovens de entre os cerca de 180 mil que tinham solicitado o auto-agendamento.

Segundo os dados divulgados este domingo pela Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas mais 2.217 novos casos de infeção pelo coronavírus e mais 13 mortes atribuídas à covid-19.

Este sábado, Portugal ultrapassou a barreira de um milhão de casos de covid-19. Desde o início da pandemia, em março de 2020, e com os casos registados este domingo, há agora 1.003.335 casos confirmados da doença no nosso país.

  Armando Batista, ZAP //

3 Comments

  1. Loucos com teorias importadas dos EUA e do Brasil… essa gente é um perigo para qualquer sociedade e os estragos que fazem não devem ser desvalorizados… é importante seguir de perto os líderes destas manadas…
    É por gente limitada como esta que chegamos a 2021 com o maior número alucinados de sempre a acreditar que a Terra é plana!…

  2. Tenho a certeza que este país andaria muito melhor, se tivesse em cargos directivos mais gente como o vice-almirante Gouveia e Melo.

  3. Podem contestar o programa de vacinação. É um direito de se manifestarem, de não a quererem, de denunciar a forma como é administrada, mas de aí a titular este coordenador de “assassino”, é uma estupidez !…….

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.