Presidente da Coreia do Sul quer paz entre as Coreias e avançar para a unificação

Korea Summit Press / EPA

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante a Cimeira de Panmunjom

Moon Jae-in, Presidente da Coreia do Sul, quer trabalhar com o povo da Coreia do norte de modo a ser criada uma nova ordem de paz.

O Presidente da Coreia do Sul afirmou esta sexta-feira querer avançar em direção a um novo regime para a península coreana, criar uma nova ordem de paz e preparar a unificação.

“Vamos avançar com uma transição audaciosa em direção a um novo regime da península coreana e preparar a unificação“, disse Moon Jae-in, segundo a agência estatal sul-coreana Yonhap, durante uma cerimónia que marca o centenário do Movimento pela Independência contra o domínio colonial japonês.

Os próximos 100 anos serão diferentes do passado. O novo regime da península coreana refere-se à ordem do próximo século em que assumiremos um papel de liderança. Trabalhando junto com o povo e com a Coreia do Norte criaremos uma nova ordem de paz e cooperação”, sublinhou.

Moon afirmou ainda que Seul vai trabalhar com Coreia do Norte e os Estados Unidos, com o apoio da comunidade internacional, para que os dois países cheguem a um acordo que agora não foi conseguido.

As declarações do Presidente sul-coreano foram feitas um dia depois de a segunda cimeira entre os EUA e a Coreia do Norte ter terminado abruptamente perante a incapacidade de os líderes dos dois países chegarem a um acordo sobre o desarmamento nuclear do país norte-coreano.

Os trabalhos da cimeira, de dois dias em Hanói, começaram com sinais de harmonia entre o Presidente dos EUA, Donald Trump, e da Coreia do Norte, Kim Jong-un, mas o entendimento esbarrou contra a questão central da desnuclearização, sem que houvesse possibilidade de um acordo.

O falhanço da cimeira pode ser um revés para o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, cujas ambições de um maior intercâmbio entre as duas Coreias dependem dos avanços entre Washington e Pyongyang.

A Coreia do Norte sofreu já décadas de isolamento e pobreza extrema, incluindo períodos de fome que causaram milhões de mortos, mas não abdicou de desenvolver um programa nuclear como garantia de sobrevivência do regime.

A divisão da península coreana dura desde o fim da Guerra da Coreia (1950-1953), que terminou com um armistício e sem a assinatura de um tratado de paz entre Pyongyang e Seul, o que deixou os dois países tecnicamente em guerra.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estratégia prevê rede de bancos de leite materno e revisão das licenças para amamentar

A ENALCP apresentada esta quarta-feira prevê a criação de uma rede nacional de bancos de leite materno e a revisão dos diretos de parentalidade. Ambientes favoráveis deverão ser também revistos. A Estratégia Nacional para a Alimentação …

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …