Boeing admite erros nos 737 Max e pede desculpa às vítimas

Deni Komarudin / Flickr

Dennis Muilenburg

O presidente executivo da Boeing admitiu este domingo que a empresa errou na forma como lidou com a questão do problemático sensor de alerta do ‘cockpit’ dos aviões 737 Max, que terá levado à queda de dois aviões.

Dois aviões Boeing, os mais vendidos no mundo, caíram no ano passado, provocando a morte de 346 pessoas, tendo sido apontado como causa dos acidentes o novo sistema automático de estabilização. Os novos aviões estão proibidos de voar desde então.

Este domingo, em Paris, para participar no Paris Air Show, o grande acontecimento da indústria aeroespacial, Dennis Muilenburg prometeu transparência, numa altura em que a construtora norte-americana procura revitalizar o novo modelo de avião.

Dennis Muilenburg disse aos jornalistas que a comunicação da Boeing com os reguladores, clientes e público “não foi consistente”. “E isso é inaceitável”, acrescentou.

A administração federal de aviação dos EUA culpou a Boeing por não dizer aos reguladores durante mais de um ano que o indicador de segurança do ‘cockpit’ do modelo Max não funcionou. Os pilotos também ficaram revoltados porque a empresa não os avisou sobre o novo ‘software’ implicado nas quedas de aviões em 2018, na Etiópia e na Indonésia.

“Nós claramente cometemos um erro na implementação do alerta”, disse Muilenburg.

O responsável manifestou-se confiante de que o Boeing 737 Max possa voltar a voar no final deste ano. Os reguladores precisam de aprovar a correção do problema para que o avião possa voltar aos céus.

Muilenburg disse ainda que os acidentes com os aviões da Lion Air e da Ethiopian Airlines de 2018 foram um “momento decisivo” para a Boeing e acrescentou acreditar que o resultado será uma empresa “melhor e mais forte”.

O presidente executivo da Boeing referiu ainda que empresa está a enfrentar o que aconteceu com “humildade” e centrada em reconstruir a confiança. Na “feira” de Paris, a primeira depois da queda dos dois aviões, a Boeing prevê um número limitado de vendas, acrescentou o responsável, considerando, contudo, que a presença é importante, para falar com clientes e com outras empresas do setor.

Muilenburg disse também que a Boeing está a aumentar as suas previsões a longo prazo, pela procura global de aviões, especialmente na Ásia.

Pedido de desculpa às vítimas

Altos executivos da empresa norte-americana Boeing pediram hoje desculpas aos familiares das vítimas dos desastres com aviões 737 Max, na Indonésia e na Etiópia.

Kevin McAllister, presidente do Conselho de Administração da companhia comercial da Boeing disse aos jornalistas durante a abertura da exposição do setor da aviação, em Paris, que lamenta os acidentes que ocorreram com os aparelhos da construtora norte-americana. “Lamentamos a perda de vidas”, disse McAllister referindo-se ao voo da Lion Air, em outubro de 2018, e ao acidente que envolveu um Boeing 737 Max da Ethiopian Airlines no passado mês de março. No total morreram 346 pessoas.

McAllister também pediu desculpas pelos defeitos que obrigaram várias companhias de aviação de todo o mundo a cancelar os voos que deveriam ser efetuados pelos 737 Max.

O executivo acrescentou que a Boeing está a trabalhar no sentido de resolver as avarias, mas não se referiu especificou a data em que previsivelmente a situação vai ficar solucionada. Outros executivos da Boeing sublinharam igualmente a preocupação da companhia em relação a questões de segurança tendo também pedido desculpas às famílias das vítimas dos dois acidentes.

As investigações sobre os dois desastres aéreos ainda continuam apesar de já terem sido detetadas falhas nos sensores que medem os ângulos de posição dos aviões e que fizeram baixar a parte da frente dos aparelhos em direção ao solo.Os pilotos foram incapazes de controlar os aparelhos que acabaram por se despenhar.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Não são só os humanos. Até os cães-guia podem vir a ser substituídos por robôs

A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) não ameaça apenas automatizar o trabalho dos humanos. Os cães-guia, que ajudam pessoas com deficiência visual a navegar com segurança pelo mundo, podem ser os seus próximos alvos. Uma equipa …

Laboratório investigado em Madrid depois de vídeo mostrar maus tratos a animais

Um laboratório em Madrid, Espanha, está a ser investigado por alegados maus tratos a animais, depois de uma inspeção confirmar as suspeitas de abuso filmadas por um antigo funcionário. O vídeo divulgado pela Cruelty Free International …

Equipa realiza primeiro transplante de traqueia do mundo. Pode reverter danos causados pela covid-19

Uma equipa de cirurgiões realizou o primeiro transplante de traqueia humana do mundo. A cirurgia foi feita numa mulher com graves danos no órgão, revelou o Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque. A recetora do transplante …

Em 2020, os mais velhos renderam-se aos "animais de estimação pandémicos"

Uma nova investigação revelou que as famílias com crianças não foram as únicas a aderir à tendência dos "animais de estimação pandémicos" em 2020. Os mais velhos também não resistiram. Segundo a National Poll on Healthy …

Tramado por uma turfeira. Homem confessa assassinato, mas corpo encontrado tinha 1600 anos

O que tinha tudo para ser um casamento feliz, acabou em tragédia. Num estranho caso em que uma simples planta ditou o desfecho de uma investigação criminal. Em 1959, a retratista e entusiasta de viagens Malika …

"Projeto Bernanke". Google terá usado programa secreto para dar vantagem ao seu sistema de anúncios

A Google terá usado durante anos um programa secreto que usava dados de lances anteriores na bolsa de publicidade digital da empresa para dar ao seu próprio sistema de compra de anúncios uma vantagem sobre …

Para "proteger a verdade histórica", Rússia divulga documentos que revelam atrocidades nazis em Stalingrado

O Ministério da Defesa da Rússia divulgou documentos desclassificados que detalham atrocidades cometidas por soldados e oficiais nazis durante a II Guerra Mundial. A divulgação destes documentos, que foram publicados no site do Ministério da Defesa …

Espanha. Funcionários públicos podem trabalhar três dias em casa sem perder direitos

O Governo espanhol e os sindicatos de funcionalismo público chegaram, esta segunda-feira, a um acordo que prevê que os trabalhadores da Administração Pública podem trabalhar três dias por semana em casa com os mesmos direitos …

Rara coleção de um dos primeiros fotógrafos da História vai a leilão nos EUA

Quase 200 imagens de um dos primeiros fotógrafos da história, William Henry Fox Talbot, vão a leilão, em Nova Iorque, já este mês. A coleção de William Henry Fox Talbot será parte do leilão "50 obras-primas …

Em greve de fome, Navalny é ameaçado ser alimentado à força. Ativistas falam em tortura

O opositor russo Alexei Navalny afirmou hoje na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março. “Ele …