Presidente da Bielorrússia fecha fronteiras e coloca exército em alerta

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

O Presidente da Bielorrússia, alvo de seis semanas de protestos em massa exigindo a sua renúncia, anunciou esta quinta-feira que vai colocar as tropas em alerta máximo e fechar as fronteiras do país com a Polónia e Lituânia.

A decisão de Alexander Lukashenko reforça a repetida mensagem de que a vaga de protestos é impulsionada pelo ocidente, já que enfrenta duras críticas da União Europeia e dos Estados Unidos.

“Somos forçados a retirar as tropas da rua, colocar o exército em alerta máximo e fechar as fronteiras no oeste, principalmente com a Lituânia e Polónia”, afirmou Lukashenko, num fórum oficial de mulheres celebrado em Minsk.

Lukashenko disse ainda que a fronteira da Bielorrússia com a Ucrânia vai ser fortalecida.

Não quero que o meu país esteja em guerra. Além disso, não quero que a Bielorrússia, Polónia e Lituânia se transformem num teatro de operações militares em que os nossos problemas não serão resolvidos”, apontou.

“Portanto, de hoje em diante, em frente a este salão do povo mais bonito, avançado e patriótico quero apelar aos povos da Lituânia, Polónia e Ucrânia: parem os vossos políticos malucos, não deixem a guerra começar”, disse.

Lukashenko não mencionou a vizinha Letónia que, como a Polónia e Lituânia, são membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

No mesmo fórum, Lukashenko disse que a Bielorrússia não precisa que nenhum país reconheça as suas eleições, em resposta à resolução do Parlamento Europeu, que não aceita os resultados das eleições presidenciais de 9 de agosto, que Lukashenko venceu com 80% dos votos e que deu início a uma vaga de protestos.

“Realizamos as eleições de acordo com a Constituição e as leis do nosso país e não precisamos do reconhecimento de ninguém. As eleições foram realizadas e são legítimas”, declarou, segundo a agência BELTA.

Na sessão desta quinta-feira, o Parlamento Europeu concordou que vai deixar de reconhecer Lukashenko como Presidente quando o atual mandato terminar, a 5 de novembro, depois das eleições que “violam todas as normas internacionais” e pediu à União Europeia para impor sanções ao mandatário.

“Juro que não houve mentira nas eleições. É impossível falsificar 80% das eleições”, acrescentou Lukashenko.

Também esta quinta-feira, o porta-voz do chefe da diplomacia europeia anunciou que a opositora bielorrussa Svetlana Tikhanovskaia é esperada na segunda-feira em Bruxelas para uma reunião com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

A opositora anunciou que está a preparar uma lista dos membros das forças de segurança do regime responsáveis pela violência e detenções arbitrárias, com vista a um possível processo no futuro.

Líder da oposição acusada de “comprometer segurança”

De acordo com o jornal britânico The Guardian, Maria Kolesnikova, dirigente da oposição da Bieolorrússia, foi acusada pelas autoridades daquele país de cometer ações capazes de “comprometer a segurança nacional”.

A acusação em causa, anunciada pelo Comité de Investigação do país, acarreta uma pena máxima de cinco anos de prisão e é o mais recente ato de repressão contra os líderes da oposição.

Maria Kolesnikova, atualmente em prisão preventiva, foi sequestrada a 7 de setembro, no centro de Minsk, por homens que a obrigaram a entrar num veículo. No dia seguinte foi transportada até à fronteira com a Ucrânia na companhia de outros membros da oposição e aí obrigada a abandonar o país. Kolesnikova rasgou o passaporte de forma a evitar cruzar a fronteira.

Segundo a sua advogada, Kolesnikova foi vítima de pressões psicológicas, incluindo ameaças de morte, coação, ameaça de condenação a 25 anos de prisão e tentativa de expulsão forçada do país.

Tatyana Zenkovich / EPA

Maria Kolesnikova, lider da oposição na Bielorrússia

“Ameaçaram tirar-me a vida. Em concreto, disseram-me que se eu não abandonasse voluntariamente o território bielorrusso acabaria por ser expulsa, viva ou em ‘pedaços’. Também me ameaçaram com uma pena de prisão de 25 anos e de me provocar problemas nos centros de detenção”, afirmou Kolesnikova através da advogada.

A Bielorrússia tem sido palco de várias manifestações desde 9 de agosto, quando Alexander Lukashenko conquistou um sexto mandato presidencial, numas eleições consideradas fraudulentas pela oposição e parte da comunidade internacional.

Nos primeiros dias de protestos, a polícia deteve cerca de sete mil pessoas e reprimiu centenas de forma musculada, suscitando protestos internacionais e ameaça de sanções.

Os Estados Unidos, a União Europeia e diversos países vizinhos da Bielorrússia rejeitaram a recente vitória eleitoral de Lukashenko e condenaram a repressão policial, exortando Minsk a estabelecer um diálogo com a oposição.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Claro está. Mais uma utópica ditadura socialista-comunista. Ali, o mandato presidencial passou para 7 anos. O discurso é sempre o mesmo. O desfecho também. Viva a revolução, e venha o ditador.

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …