Presidente da Bielorrússia fecha fronteiras e coloca exército em alerta

Amanda Voisard / UN Photo

Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia desde 1994

O Presidente da Bielorrússia, alvo de seis semanas de protestos em massa exigindo a sua renúncia, anunciou esta quinta-feira que vai colocar as tropas em alerta máximo e fechar as fronteiras do país com a Polónia e Lituânia.

A decisão de Alexander Lukashenko reforça a repetida mensagem de que a vaga de protestos é impulsionada pelo ocidente, já que enfrenta duras críticas da União Europeia e dos Estados Unidos.

“Somos forçados a retirar as tropas da rua, colocar o exército em alerta máximo e fechar as fronteiras no oeste, principalmente com a Lituânia e Polónia”, afirmou Lukashenko, num fórum oficial de mulheres celebrado em Minsk.

Lukashenko disse ainda que a fronteira da Bielorrússia com a Ucrânia vai ser fortalecida.

Não quero que o meu país esteja em guerra. Além disso, não quero que a Bielorrússia, Polónia e Lituânia se transformem num teatro de operações militares em que os nossos problemas não serão resolvidos”, apontou.

“Portanto, de hoje em diante, em frente a este salão do povo mais bonito, avançado e patriótico quero apelar aos povos da Lituânia, Polónia e Ucrânia: parem os vossos políticos malucos, não deixem a guerra começar”, disse.

Lukashenko não mencionou a vizinha Letónia que, como a Polónia e Lituânia, são membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

No mesmo fórum, Lukashenko disse que a Bielorrússia não precisa que nenhum país reconheça as suas eleições, em resposta à resolução do Parlamento Europeu, que não aceita os resultados das eleições presidenciais de 9 de agosto, que Lukashenko venceu com 80% dos votos e que deu início a uma vaga de protestos.

“Realizamos as eleições de acordo com a Constituição e as leis do nosso país e não precisamos do reconhecimento de ninguém. As eleições foram realizadas e são legítimas”, declarou, segundo a agência BELTA.

Na sessão desta quinta-feira, o Parlamento Europeu concordou que vai deixar de reconhecer Lukashenko como Presidente quando o atual mandato terminar, a 5 de novembro, depois das eleições que “violam todas as normas internacionais” e pediu à União Europeia para impor sanções ao mandatário.

“Juro que não houve mentira nas eleições. É impossível falsificar 80% das eleições”, acrescentou Lukashenko.

Também esta quinta-feira, o porta-voz do chefe da diplomacia europeia anunciou que a opositora bielorrussa Svetlana Tikhanovskaia é esperada na segunda-feira em Bruxelas para uma reunião com os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

A opositora anunciou que está a preparar uma lista dos membros das forças de segurança do regime responsáveis pela violência e detenções arbitrárias, com vista a um possível processo no futuro.

Líder da oposição acusada de “comprometer segurança”

De acordo com o jornal britânico The Guardian, Maria Kolesnikova, dirigente da oposição da Bieolorrússia, foi acusada pelas autoridades daquele país de cometer ações capazes de “comprometer a segurança nacional”.

A acusação em causa, anunciada pelo Comité de Investigação do país, acarreta uma pena máxima de cinco anos de prisão e é o mais recente ato de repressão contra os líderes da oposição.

Maria Kolesnikova, atualmente em prisão preventiva, foi sequestrada a 7 de setembro, no centro de Minsk, por homens que a obrigaram a entrar num veículo. No dia seguinte foi transportada até à fronteira com a Ucrânia na companhia de outros membros da oposição e aí obrigada a abandonar o país. Kolesnikova rasgou o passaporte de forma a evitar cruzar a fronteira.

Segundo a sua advogada, Kolesnikova foi vítima de pressões psicológicas, incluindo ameaças de morte, coação, ameaça de condenação a 25 anos de prisão e tentativa de expulsão forçada do país.

Tatyana Zenkovich / EPA

Maria Kolesnikova, lider da oposição na Bielorrússia

“Ameaçaram tirar-me a vida. Em concreto, disseram-me que se eu não abandonasse voluntariamente o território bielorrusso acabaria por ser expulsa, viva ou em ‘pedaços’. Também me ameaçaram com uma pena de prisão de 25 anos e de me provocar problemas nos centros de detenção”, afirmou Kolesnikova através da advogada.

A Bielorrússia tem sido palco de várias manifestações desde 9 de agosto, quando Alexander Lukashenko conquistou um sexto mandato presidencial, numas eleições consideradas fraudulentas pela oposição e parte da comunidade internacional.

Nos primeiros dias de protestos, a polícia deteve cerca de sete mil pessoas e reprimiu centenas de forma musculada, suscitando protestos internacionais e ameaça de sanções.

Os Estados Unidos, a União Europeia e diversos países vizinhos da Bielorrússia rejeitaram a recente vitória eleitoral de Lukashenko e condenaram a repressão policial, exortando Minsk a estabelecer um diálogo com a oposição.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Claro está. Mais uma utópica ditadura socialista-comunista. Ali, o mandato presidencial passou para 7 anos. O discurso é sempre o mesmo. O desfecho também. Viva a revolução, e venha o ditador.

RESPONDER

Carlos César acusa BE e PCP de terem preferido "jogos de poder"

O presidente do PS acusou, esta segunda-feira, os partidos de esquerda de terem preferido "os jogos de poder", no seguimento do anúncio de ambos do voto contra o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). "BE e …

O dirigente do PSD Paulo Mota Pinto

Mota Pinto aponta "irresponsabilidade" de marcar diretas. Rangel reforça importância de ter líder "fortemente legitimado"

O dirigente do PSD defendeu, esta segunda-feira, que o partido "está preparado" para legislativas antecipadas, defendendo que estas devem ocorrer "o mais rapidamente possível". Em declarações à agência Lusa, o presidente da Mesa do Congresso e …

EMA aprova terceira dose da vacina da Moderna a partir dos 18 anos

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu luz verde, esta segunda-feira, à administração da terceira dose da vacina da Moderna a partir dos 18 anos. Em comunicado, a agência refere que os dados apontam que uma …

Câmara do Porto aprova sistema de videovigilância no centro histórico

Esta segunda-feira, na reunião do Executivo portuense, foi aprovado, com o voto contra da CDU e do BE, o protocolo a celebrar com a PSP para implementação da videovigilância na Baixa do Porto. O presidente da …

Conselho das Finanças Públicas alerta para riscos na TAP e falta de orçamentação para Novo Banco

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta segunda-feira, numa análise à proposta do Governo para o Orçamento do Estado de 2022 (OE2022), para a possibilidade de se injetar mais dinheiro na TAP e no …

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho

Novo Banco apresenta nova imagem. "Agora é o renascimento", diz Ramalho

O presidente do Novo Banco disse, esta segunda-feira, que a nova imagem representa o "renascimento" da instituição financeira, que está numa "rota de lucro e rendibilidade". Na apresentação da nova imagem de marca do Novo Banco, …

Governo disponível para suspender caducidade de convenções coletivas "sem limite de tempo"

O Governo está disponível para avançar com a suspensão dos prazos da caducidade das convenções coletivas "sem limite de tempo", disse, esta segunda-feira, no Parlamento a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. A medida foi …

PEV também vota contra o Orçamento do Estado para 2022

O partido ecologista "Os Verdes" (PEV) anunciou, esta segunda-feira, que também vai votar contra o Orçamento do Estado para 2022. Em conferência de imprensa, na Assembleia da República, José Luís Ferreira disse que "o grupo parlamentar …

Governo lamenta decisão do PCP. "Nunca tínhamos ido tão longe como fomos este ano"

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares reagiu, esta segunda-feira à tarde, na Assembleia da República, ao anúncio de voto contra do PCP ao Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). Na Assembleia da República, Duarte Cordeiro …

Vulcão Cumbre Vieja lança lava, cinzas e fumo em La Palma

Vulcão de La Palma "no auge da atividade". Derrocada parcial do cone revela grande fonte de lava

Uma derrocada parcial do cone do vulcão da ilha de La Palma, nas Canárias, deixou à vista uma grande fonte de lava, segundo o Instituto Vulcanológico das Ilhas Canárias (Involcan). "Estamos no auge da atividade" do …