Prémio aos profissionais de saúde pode deixar de fora maioria dos médicos

Massimo Percossi / EPA

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) alertou hoje que o prémio aos profissionais de saúde, aprovado na quarta-feira, “não compensa o risco” e “pode deixar de fora a maioria dos médicos” que participam no combate à pandemia de covid-19.

Em comunicado, a FNAM lembra que a proposta do PSD, que foi aprovada em sede de especialidade do Orçamento Suplementar, visa todos os profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) que durante o estado de emergência tenham praticado, de forma continuada e relevante, atos diretamente relacionados com suspeitos e doentes infetados por covid-19, não sendo, contudo, “clara quanto à identificação dos profissionais” que serão abrangidos pelo prémio.

A este propósito, a FNAM sublinha que todos os profissionais, independentemente do local onde exercem funções (centros de saúde, urgências hospitalares, consulta, internamento ou, como a Saúde Pública, na comunidade), mesmo que em instituições ou unidades não exclusivamente dedicadas à covid-19, “têm tido um papel crucial na resposta à pandemia”, não só assegurando o atendimento a doentes com coronavírus, como também mantendo a prestação de cuidados a todos os restantes utentes.

“O exercício da profissão médica acarreta riscos significativos, que não estão limitados à pandemia por covid-19. No contexto da atual pandemia, para além da maior penosidade do trabalho, os médicos têm sido expostos a um elevado risco de infeção por SARS-CoV-2. Em consequência, centenas de médicos já foram infetados e lamentamos a morte recente de um colega”, sublinha a FNAM.

A Federação Nacional dos Médicos considera ainda que a “atribuição pontual de um prémio de desempenho e de majoração de dias de férias em 2020”, como previsto na proposta aprovada, “não compensa de forma justa” o risco a que os médicos estão sujeitos, diariamente e ao longo do exercício da sua profissão.

“Tal prémio não pode, em qualquer circunstância, substituir o estatuto de risco e penosidade que a FNAM sempre tem defendido”, realça aquela estrutura profissional.

A FNAM diz esperar que o Governo não venha criar desigualdades injustificáveis entre profissionais de saúde”, advertindo que os médicos “não aceitam outra atitude da tutela que não seja o reconhecimento do enorme esforço e abnegação” destes profissionais durante a pandemia.

A FNAM esclarece ainda que “aguarda uma posição de abertura por parte do Ministério da Saúde para negociar a proposta de estatuto de risco e penosidade acrescidos da profissão médica”, que recentemente apresentou ao governo.

Portugal contabiliza pelo menos 1.579 mortos associados à covid-19 em 42.454 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se Médicos precisam de incentivos, que vão todos para o privado!
    Assim o SNS não precisa mais de hospitais públicos e pode fazer acordos sem concorrência. Basta ver os acordos da ADSE.
    A maioria dos utentes da indústria do saúde não tem seguro e os hospitais particulares não podem viver só com doentes particulares.
    O médicos todos não cabem de momento nos hospitais particulares e emigrar é para eles mais difícil do que para os enfermeiros.

RESPONDER

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …