PSD avisa que prejuízo do SNS pode chegar a mil milhões de euros este ano

PSD / Flickr

O PSD alertou hoje que o prejuízo do Serviço Nacional de Saúde (SNS) pode chegar aos mil milhões de euros este ano, considerando que tal traduz “um descalabro financeiro” semelhante ao do período pré-troika.

No encerramento da interpelação do PSD ao Governo sobre a situação da saúde, o coordenador da bancada social-democrata para esta área, Álvaro Almeida, defendeu que “o SNS está pior hoje do que quando o anterior Governo socialista tomou posse em 2015”.

“Até às eleições de outubro, o Governo e o PS negaram os problemas do SNS, mas recentemente mudaram de atitude, agora reconhecem que há problemas, mas tentam passar a ideia de que sempre existiram”, criticou, acusando o executivo de “mistificação”.

Para Álvaro Almeida, o Governo tenta passar a ideia que, depois de quatro anos no Governo, “agora é que estão a trabalhar”, mas alertou que “a suborçamentação no SNS nunca foi tão grave”.

“O prejuízo de 848 milhões de euros registado em 2018 é o maior de sempre (…) O agravamento do défice nos primeiros dez meses de 2019 faz temer o pior para este ano: É possível neste ritmo que o prejuízo do SNS ande perto dos mil milhões de euros”, apontou.

O deputado frisou que “mil milhões de euros de suborçamentação não é um pequeno problema que se resolva com 1 ou 2% no Orçamento do Estado”.

“Somados aos 3 mil milhões de dívidas a fornecedores, traduzem um descalabro financeiro semelhante ao que existia quando a ‘troika’ foi chamada pelo PS em 2011”, alertou.

O coordenador para a saúde da bancada do PSD defendeu ainda que “a capacidade de contração do SNS não aumentou a sua capacidade de resposta”, dizendo que os recursos humanos disponíveis – à exceção dos médicos – “são menos do que os que existiam quando o PS tomou posse”.

“O problema é que quem gere o Ministério da Saúde no governo socialista é o ministro das Finanças”, criticou.

No debate, a questão do encerramento das urgências pediátricas do Hospital Garcia de Orta no período noturno foi introduzida pelas deputadas Sandra Pereira, do PSD, Paula Santos, do PCP, e Joacine Katar Moreira, do Livre.

“Como é que foi possível que a senhora ministra em fevereiro, antes das eleições, tenha dito que estava fora de questão fechar e, em novembro, depois das eleições, encerra essas mesmas urgências?”, questionou a social-democrata, considerando a decisão “inaceitável e uma imprudência para as famílias da margem sul”.

Antes, também a deputada do PCP Paula Santos apontou que os problemas na pediatria do Garcia de Orta “há muito que estavam identificados”.

“O que aconteceu significa o retrocesso de 30 anos para as populações, não venha a senhora ministra dizer que o alargamento do horário dos centros de saúde são uma solução porque sabe bem que não são”, afirmou.

A deputada única do Livre reconheceu que “o SNS não anda necessariamente ótimo”, mas continua a ser “absolutamente fundamental para os cidadãos”.

“Eu iria obviamente reforçar a necessidade de resolver os sucessivos encerramentos das urgências do hospital Garcia da Orta”, apontou.

Já o deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, fez um conjunto de perguntas concretas à ministra da Saúde, como a demora na aprovação de medicamentos, os eventuais custos da redução das 40 para as 35 horas dos profissionais de saúde e sobre a possibilidade de o Governo forçar a exclusividade dos médicos no SNS.

“Fomos surpreendidos com o decretar da obrigatoriedade e permanência no SNS de médicos recém-formados. Pretende o Governo amarrar os médicos ao SNS?”, questionou.

André Ventura, deputado único do Chega, também aproveitou os três minutos a que tinha direito na interpelação do PSD para questionar a ministra Marta Temido sobre o relatório da Entidade Reguladora da Saúde, hoje divulgado, que aponta falhas concretas em unidades do SNS, as carreiras dos enfermeiros ou a conclusão das obras na ala pediátrica do Hospital de São João, no Porto.

“Ou a líder parlamentar do PS já perdeu a confiança em si ou explique lá o que vai fazer para evitar as falhas”, apontou, referindo-se a recentes declarações de Ana Catarina Mendes em que esta admitia receber diariamente relatos de falhas no SNS.

No final do período de debate, a deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa provocou alguns sorrisos entre as bancadas mais à direita ao recuperar personagens com nomes reais trazidas várias vezes ao plenário pelo ex-líder parlamentar do PS Carlos César, na altura para demonstrar os sucessos da governação socialista.

Em contraponto, a deputada democrata-cristã atribuiu problemas relacionados com o SNS a todas elas: “A Augusta tinha ido viver para Almada por causa dos passes sociais. Tentou ir à urgência do Garcia de Orta e estava fechada, teve de apanhar dois autocarros e um comboio para ir à urgência em Lisboa”, ironizou.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Álvaro Almeida seria interessante sabermos os prejuízos como o senhor lhe chama desde há pelo menos 40 anos até hoje, e sabermos quanto os vários governos investiram no SNS e quanto cortaram nos O.E. para o SNS, o SNS não é para dar lucro os lucros é nas clínicas privadas em nenhum País da Europa o serviço público de saúde dá lucro, se desse não era preciso dinheiro dos Orçamentos de estado, está é mais que na altura de os partidos do arco da governação se unirem fazerem propostas sérias e como as por em prática para melhorar, uma oposição séria e honesta não basta criticar é preciso que faça propostas e como as por em prática, melhorar o que todos os governos têm destruído na Saúde.

RESPONDER

Pandemia ameaça agricultura portuguesa. Cereais e setor do vinho em risco

Não é surpresa que alguns setores vão ser fortemente prejudicados pela pandemia de covid-19. A agricultura é um deles. Um grupo de trabalho criado pelo Governo - o Grupo de Acompanhamento e Avaliação das Condições de …

Governo dos Açores impõe cercas sanitárias em todos os concelhos de São Miguel

O Governo dos Açores decidiu fixar cercas sanitárias nos seis concelhos da ilha de São Miguel, para fazer face à pandemia de covid-19 na região, anunciou esta quinta-feira o líder do executivo. Ficam interditadas, segundo Vasco …

Espanha vai rastear mais de 40 milhões de telemóveis para enfrentar pandemia

Mais de 40 milhões de telemóveis vão ser rastreados em Espanha num estudo de mobilidade anónima que permitirá conhecer os movimentos da população entre territórios e contribuir para tomar decisões para enfrentar a pandemia causada …

Assistência a filho paga a 100% deixa de fora funcionários públicos inscritos na CGA

O pagamento a 100% do subsídio de assistência a filho que entrou em vigor este mês não abrange os funcionários públicos inscritos na Caixa Geral de Aposentações (CGA), revelou fonte oficial do Ministério da Administração …

Câmara do Porto quer isentar rendas de 257 estabelecimentos até junho

A Câmara do Porto vai propor a isenção total das rendas de 257 estabelecimentos situados em prédios municipais, no período de 18 de março a 30 de junho, no valor global de cerca de 112 …

Deslocações na Páscoa limitadas ao concelho de residência

O Governo vai limitar as deslocações dos portugueses durante o período de Páscoa aos concelhos de residência de permanência. De acordo com o Jornal de Notícias, que avança a notícia esta quinta-feira, entre a véspera da …

"Dos mais novos no mundo a morrer." Bebé de seis semanas morre de covid-19 nos EUA

Morreu, nos Estados Unidos, um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim de semana, na sequência de uma infeção provocada pela covid-19. Um bebé de seis semanas, que estava hospitalizado desde o fim …

Reyes seguia a 187 km/h quando sofreu acidente mortal

O futebolista José Antonio Reyes conduzia a 187 km/h quando rebentou um pneu do carro, provocando o acidente que causou a morte ao antigo jogador do Benfica, indica o relatório pericial da Guarda Civil. A investigação …

OMS está "muito preocupada com o rápido aumento da infeção"

A OMS mostra-se preocupada com a evolução do número de infetados pelo novo coronavírus e pede o perdão da dívida para os países mais vulneráveis. O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) diz estar muito …

Cerco sanitário prolongado em Ovar. "Situação ainda não está controlada"

A Direção-Geral de Saúde decidiu prolongar a cerca sanitária no concelho de Ovar por mais 15 dias, avança o Jornal de Notícias esta quinta-feira. De acordo com o matutino, as autoridades de saúde vão permitir …