/

PPP rodoviárias. MP descarta corrupção (mas não tráfico de influências e gestão danosa)

3

O Ministério Público (MP) descartou a hipótese de corrupção no âmbito do processo das parcerias público-privadas (PPP) rodoviárias.

Em causa está a negociação de contratos para adicionar portagens nas ex-SCUT e de subconcessão, processo que ocorreu entre 2008 e 2010.

O Jornal de Notícias avança que o Ministério Público (MP) descartou a hipótese de corrupção por falta de evidências, mas estão agora em causa alegados atos ilícitos de administração danosa, tráfico de influência e participação económica em negócio.

Em declarações ao JN, Paulo Campos, ex-secretário de Estado das Obras Públicas e um dos 11 arguidos no processo, negou todas as suspeitas apontadas pelo MP. “A inflexão na investigação, de corrupção para gestão danosa, é a manobra clássica de quem não quer perder a face e a justificação para os anos de processo, insultos e mentiras”, disse Paulo Campos ao JN.

É totalmente falso e contrariado quer publicamente quer na investigação, pelos decisores das Estradas de Portugal e por todos os técnicos que participaram no processo, que existam quaisquer documentos que alterem ou acrescentem algo que está definido contratualmente entre as Estradas de Portugal e os subconcessionários”, continuou o arguido.

Em novembro, soube-se que o Ministério das Infraestruturas não estava a conseguir localizar as informações sobre as reuniões relativas às PPP rodoviárias, realizadas durante o governo de José Sócrates, que estão a ser investigadas pelo MP.

A investigação em torno das PPP rodoviárias arrancou em 2011, implicando suspeitas em torno do pacote de subconcessões lançado pelo Governo de Sócrates e das renegociações de contratos para introdução das portagens nas ex-SCUT.

Segundo o MP, terá sido dada autorização à comissão que negociou com o grupo Aenor – atual Ascendi – para introdução de portagens nas ex-SCUT da Costa de Prata, do Grande Porto, da Beira Litoral e da Beira Alta. O objetivo seria salvaguardar os interesses das concessionárias.

O Estado terá sido lesado em 3,5 milhões de euros por decisões tomadas entre 2009 e 2011.

Mário Lino, António Mendonça, Teixeira dos Santos, Costa Pina e Paulo Campos são cinco dos 11 arguidos no caso PPP rodoviárias.

  ZAP //

3 Comments

  1. M.P “descarta corrupção”……………mas admite trafico de influencias e gestão danosa. Uma …não é novidade, duas…..o resultado é o mesmo para o erário Publico !..Quanto aos ditos (arguidos)…bem!!!! vou esperar sentado, que sentença seja dada !

  2. Tudo gente muito séria que mais uma vez vai ficar impune pelas bárbaras acções cometidas. Na verdade marcelo e costa têm conduzido a sua actuação para que estas situações proliferem cada vez mais.
    Aliás o próprio Marcelo é suspeito no caso de Tancos.
    Pois continuem a votar em Marcelo e depois não se queixem.

  3. O Estado terá sido lesado em 3,5 milhões de euros por decisões tomadas entre 2009 e 2011…
    Não se esqueçam que o Estado somos todos nós, é o nosso dinheiro que está a ser mais uma vez roubado por esta gente. Mas Marcelo e Costa têm sido fundamentais para que estas situações proliferem e saiam impunes.
    Não se esqueçam de continuar a votar em Marcelo que é uma pessoa muito séria, é um santo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.