Povo brasileiro saberá “impedir qualquer retrocesso”, defende Dilma na ONU

Roberto Stuckert Filho / PR

Presidente Dilma Rousseff durante sessão de abertura da cerimónia de assinatura do acordo de Paris

Presidente Dilma Rousseff durante sessão de abertura da cerimónia de assinatura do acordo de Paris

A presidente brasileira Dilma Rousseff mencionou a crise política que vive o Brasil no seu discurso na ONU, afirmando que a sociedade brasileira soube vencer o autoritarismo, construir a democracia e saberá impedir retrocessos – mas sem mencionar a palavra golpe.

Dilma Rousseff discursou esta sexta-feira na sessão de abertura da cerimónia de assinatura do Acordo de Paris, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

“Não posso terminar minhas palavras sem mencionar o grave momento que vive o Brasil. A despeito disso, quero dizer que o Brasil é um grande país com uma sociedade que soube vencer o autoritarismo e construir uma pujante democracia. Nosso povo é um povo trabalhador e com grande apreço pela liberdade. Saberá, não tenho dúvidas, impedir qualquer retrocesso. Sou grata a todos os líderes que expressaram a mim sua solidariedade”, disse no encerramento do discurso.

Nos últimos dias, Dilma endureceu as críticas sobre o impeachment contra ela que tramita no Senado, classificando o processo de golpe. Depois do discurso, antes de embarcar de volta ao Brasil, a presidente concedeu uma entrevista a jornais estrangeiros onde disse que há uma “gravíssima aventura golpista” em curso no país.

Na quinta-feira, o vice-presidente brasileiro Michel Temer deu entrevistas ao The New York Times, ao Financial Times e ao Wall Street Journal nas quais negou que estivesse a conspirar contra Dilma. Temer disse estar preocupado com as declarações da presidenta sobre o Brasil no exterior, como se o país fosse uma “república menor” onde “ocorrem golpes”, e afirmou ao The New York Times que passou quatro anos no “ostracismo absoluto”.

“Acho que o Brasil não merece desqualificação por meio de eventuais agressões à Vice-Presidência”, afirmo Temer esta sexta-feira.

Já o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (do mesmo partido de Michel Temer, o PMDB), divulgou esta sexta-feira – momentos após o discurso da presidente brasileira – uma nota na qual reitera críticas “à insistência” de Dilma em “classificar como golpe o legítimo processo de impeachment a ela imputado”.

Para Eduardo Cunha, não há “qualquer dúvida” de que a “tese de golpe e de que não há crime de responsabilidade [no processo de impeachment] não prospera” e que, portanto, as acusações direcionadas contra a presidente “são gravíssimas e levaram o país ao caos económico, sem contar que atentaram contra princípios constitucionais importantes”, refere a nota, que inclui argumentações técnicas sobre os procedimentos adotados pela Câmara dos Deputados para aprovar a admissibilidade da destituição de Dilma.

Agência Brasil

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …