Portugueses estão a aliviar confinamento. “Maio pode ser um mês de retrocesso”

Justin Lane / EPA

Medição feita pela empresa PSE revela que os portugueses já estão a aliviar o confinamento. A Associação dos Médicos de Saúde Pública alerta, por sua vez, que “maio pode ser um mês de retrocesso”.

De acordo com o semanário Expresso, a medição da PSE, empresa que desenvolveu uma tecnologia para analisar a mobilidade dos cidadãos, mostra que este fim-de-semana (18 e 19 de abril) teve o valor mais baixo de confinamento desde que foi decretado o estado de emergência.

A análise refere que ficaram em confinamento 63,9% dos portugueses, uma percentagem “mesmo inferior ao valor verificado no fim-de-semana anterior à declaração do estado de emergência”.

O jornal avança ainda que este domingo se verificou uma descida de 17,7% face ao domingo anterior que, recorde-se, foi domingo de Páscoa. Relativamente a esta segunda-feira, o valor também é o mais baixo de todas as segundas analisadas (58%).

Em comunicado, a PSE refere que “a tendência é a de de um evidente relaxamento dos portugueses, ainda que ligeiro, em relação à recomendação de confinamento” do Governo.

O estudo da consultora portuguesa tem uma amostra de 3500 pessoas, das regiões do Grande Porto, Grande Lisboa, litoral norte, litoral centro e distrito de Faro, que aceitaram descarregar uma aplicação no telemóvel que acompanha todos os seus passos, todos os dias, 24 horas por dia, recorrendo ao GPS.

“Maio pode ser um mês de retrocesso”

Face ao relaxamento da população, e perante a intenção do Governo de avançar com a reabertura gradual da economia a partir de maio, a Associação dos Médicos de Saúde Pública alerta que “maio pode ser um mês de retrocesso” no combate à pandemia.

“Se em maio abrirmos de uma forma rápida de mais a circulação, a economia e a liberdade das pessoas, podemos vir a assistir àquilo a que muitos chamam ‘a segunda onda‘. Voltar a ter transmissão disseminada na comunidade, de uma forma não controlada”, alerta o vice-presidente da associação, Gustavo Tato Borges, em declarações à rádio Renascença.

O responsável lembra que o regresso à chamada normalidade terá de se fazer com cuidados redobrados, porque, “a partir do momento que as pessoas começam a relaxar e a assumir comportamentos de risco, então vamos voltar a assistir a um aumento do número de casos”.

Por isso, Tato Borges relembra que é importante “a utilização das máscaras por toda a gente em espaços comuns”, que as pessoas continuem a sair apenas “para aquilo que é estritamente necessário” e que, em casos como a Igreja, a reabertura das celebrações seja “com um número controlado de pessoas”.

“Redução da lotação, aumento da frequência de transportes públicos, a questão da desinfeção. São tudo coisas que têm de entrar no nosso dia-a-dia normal até termos a doença completamente controlada ou até haver uma vacina”.

Na semana passada, o Conselho de Ministros aprovou o decreto de execução do terceiro estado de emergência na sequência da pandemia de covid-19, que vigora até 2 de maio. A ministra do Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, lembrou que, durante estes dias, “estamos nas mesmas circunstâncias que estávamos até aqui” e que “as regras não mudaram”.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Em retrocesso já estamos.
    Não há boa escolha, resta saber o que mata mais, se o vírus, ou se o colapso da economia e o vírus do medo.
    Segundo vários economistas, a médio / longo prazo será muito pior o colapso da economia.

    São prognósticos. O que é certo é que esta pandemia é mais pandemónio, tendo em conta o pânico instalado e promovido pelos media e autoridades.

    • Sim. No médio/longo prazo o problema económico será provavelmente superior. Se esta pandemia demorar muito mais meses a combater (e parece-me que até ao final do ano não haverá um verdadeiro regresso à normalidade) os efeitos sobre a economia serão catastróficos. Encerramento de empresas, desemprego, desvalorização de ativos, falências em cadeia… Vamos acreditar que entretanto apareça um medicamento que possa combater o vírus, porque quanto à vacina, só depois do verão do próximo ano. Até lá deverá ser impossível. Mas como disse, acho que é possível o desenvolvimento de um qualquer fármaco (que até já pode existir) para auxilar no combate ao vírus.

  2. Estes arautos da desgraça não sei o que pretendem. Então as pessoas ficam em casa e vivem de quê? Não se compreende. É óbvio que tem de ser cuidados redobrados com a higienização dos espaços, uso de máscaras, etc.

  3. Porque é que a A Associação dos Médicos de Saúde Pública não fala da celebração do 25 de Abril na AR? Tenham vergonha na cara e deixem as pessoas trabalhar, porque se não morrem do virus morrem de fome e na miséria.

RESPONDER

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …

A economia é a vítima colateral da estratégia singular da Suécia

A Suécia deixou nas mãos dos cidadãos a responsabilidade pela sua saúde e a abordagem relaxada do país em relação à pandemia de covid-19 trouxe resultados negativos. O Governo sueco não impôs um confinamento à população …

Polícia de Hong Kong detém 180 manifestantes. E elogia lei da segurança nacional

A polícia de Hong Kong elogiou a lei da segurança nacional chinesa, horas depois de ter detido pelo menos 180 manifestantes que protestaram, este domingo, contra a legislação anunciada por Pequim. O comissário da polícia, Tang Ping-keung, …

Pinto da Costa recandidata-se a "pensar nas dificuldades do presente"

Pinto da Costa admitiu, este domingo, no lançamento do site oficial da recandidatura à presidência do FC Porto, que vai a eleições "a pensar nas dificuldades tremendas do presente". No site oficial da sua candidatura, Pinto …

Abraços e apertos de mão. Bolsonaro junta-se a manifestação sem distanciamento social

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou, este domingo, em mais uma manifestação sem respeitar as regras de distanciamento social. A manifestação decorrer na Praça dos Três Poderes, em Brasília. De acordo com o jornal Público, …

"Relativamente rápido". Centeno acredita que países europeus vão recuperar da crise até ao fim de 2022

O ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, acredita que a União Europeia vai conseguir ultrapassar a crise económica provocada pela pandemia de covid-19 de forma "relativamente rápida". Em entrevista ao jornal alemão …

Florentino congelado e Jota (e mais dois) na porta de saída. Mercado já mexe na Luz

Apesar da pandemia, que paralisou quase todas as competições europeias e que deverá atrasar a janela de transferência no futebol, o mercado já mexe na Luz. A imprensa desportiva dá conta nesta segunda-feira que Florentino …

Cova da Piedade abandona direção da Liga e convida Proença a demitir-se

O Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo. Em comunicado, o Cova da Piedade justifica a decisão …

Milhares foram a banhos este domingo. Só nas praias da Caparica estiveram mais de 180 mil pessoas

As elevadas temperaturas que se fizeram sentir neste domingo levaram milhares de portugueses à praias. Só na Costa da Caparica, no concelho de Almada, mais de 180 mil pessoas foram a banhos. Entre as 9 e …

"Há outras prioridades". Ana Gomes está a refletir sem "pressa" sobre eventual candidatura a Belém

No espaço de comentário da SIC Notícias, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que ainda está a "refletir" sobre uma eventual candidatura à Presidência da República. Ana Gomes ainda não tomou uma decisão sobre uma possível candidatura …