Portuguesa descobre fragmento de obra perdida de René Magritte

tanakawho / Flickr

-

A conservadora de pintura Alice Tavares da Silva deu uma contribuição crucial para resolver o mistério de um quadro desaparecido do pintor surrealista belga René Magritte (1898 – 1967) ao encontrar um novo fragmento num museu regional britânico.

Foi a portuguesa quem descobriu que a pintura “La Condition Humaine” [A Condição Humana], que faz parte do acervo do Museu e Galeria de Arte do Castelo de Norwich, em Inglaterra, está sobreposta a um pedaço do que foi antes a obra “La Pose Enchantée” [A Pose Encantada], também de Magritte e considerada perdida.

Alice Tavares da Silva contou à Lusa que fez o achado durante uma “inspeção de rotina” ao quadro de 1935 antes de este ser cedido ao Centro Pompidou para uma grande exposição retrospetiva que vai decorrer entre 21 de setembro e janeiro de 2017.

A portuguesa, que é responsável por preparar as obras antes de estas serem emprestadas, reparou que as margens da tela estavam pintadas, e que as cores não coincidiam com os tons de “A Condição Humana”, que mostra um cavalete com uma tela que completa a paisagem observada a partir do interior de uma caverna.

“Apercebi-me que tinha isto de especial, e na altura pensei que era interessante o Magritte ter reutilizado uma tela, o que não é completamente inédito, pois muitos artistas reutilizam materiais que já não querem”, referiu.

Decidiu investigar sobre o tema e foi então que tomou conhecimento de um relatório de 2013 do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA), que descreve como especialistas da instituição descobriram que a pintura “Le Portrait” [The Portrait], de 1935, estava sobreposta ao quadro desaparecido “A Pose Encantada”, um original de 1927, da qual apenas se conhecia a existência através de uma fotografia a preto e branco num catálogo.

Tal como ela, tudo começou quando a equipa técnica reparou que as bordas do quadro estavam pintadas, desencadeando uma análise com raio-x, que identificou uma pintura por baixo de metade de uma mulher nua, pista que ajudou outros peritos a concluírem que se tratava da parte superior esquerda do quadro desaparecido.

Posteriormente, uma outra parte, correspondente ao lado inferior esquerdo, foi posteriormente por debaixo da pintura “Le Modèle Rouge” [O Modelo Vermelho], de 1935, propriedade do Museu de Arte Moderna de Estocolmo.

Além de os três quadros terem dimensões e datas de execução semelhantes, Alice Tavares da Silva percebeu depressa que tinha nas mãos a terceira peça do “quebra-cabeças” artístico.

As cores e traços coincidiam com a parte inferior direita de “A Pose Encantada”, análise que foi reforçada com o resultado do raio-x no Hamilton Kerr Institute, na Universidade de Cambridge, onde é professora e conservadora.

“Este quadro tem um bocado de tela extra que se estende um pouco mais por detrás do quadro e uma dessas margens tem muito exposta a composição original que está por baixo. Nem foi preciso chegar à altura de se fazer ao raio-x para eu saber que tinha um bocado do quadro por baixo deste”, garantiu, em declarações à Lusa.

A descoberta da portuguesa pode ser determinante para o esforço do MoMA em reconstituir a tela, que retratava duas mulheres nuas, em termos de cores e tonalidades, pois a parte agora encontrada tem dá acesso direto à pintura original.

“O que é muito interessante é que o raio-x dá-nos uma imagem a preto e branco da composição que está por baixo, mas nesta margem é possível ver parte dessa composição a cores. Este quadro vai contribuir para essa reconstituição a cores porque é o único quadro da parte direita da composição maior. Podemos completar de forma mais exata a reconstituição a cores”, saudou Alice Tavares da Silva.

A portuguesa vive no Reino Unido desde 1993, onde veio estudar conservação de pintura após uma licenciatura em Química Aplicada na Universidade Nova de Lisboa.

Além do trabalho a tempo parcial na Universidade de Cambridge, é conservadora em regime de freelance para o Museu de Norwich, localizado perto da zona de residência, onde a sua descoberta foi recebida com entusiasmo.

“Parece que, por alguma razão, Magritte deve ter decidido cortar o quadro em bocados, e depois pintado quatro quadros completamente diferentes em cima. O nosso quadro “A Condição Humana” escondeu com sucesso parte de “A Pose Encantada” durante mais de 80 anos”, comentou a curadora do Museu, Giorgia Botticelli.

Alice Tavares da Silva admitiu à Lusa ter sido “super emocionante e interessante” fazer uma descoberta tão relevante num museu regional, cuja coleção tem apenas esta obra de René Magritte.

“Agora o quadro é ainda mais especial”, comentou.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …