O “caminho ainda é longo”, mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

5

José Coelho /Lusa

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o “caminho ainda é longo”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de Estado da Saúde descreveu como significativa e o início de um caminho que ainda é longo.

É um marco significativo, mas não deixa de ser ainda o início de um caminho que ainda é bastante longo”, afirmou Diogo Serras Lopes. Entre o milhão de vacinas, 284 mil foram segundas doses e as restantes 716 mil foram primeiras inoculações.

O momento em que foi administrada a milionésima vacina contra a covid-19 foi protagonizado por Suzete, 90 anos, que em frente a dezenas de jornalistas recebeu hoje a segunda dose no Pavilhão Desportivo da Ajuda, em Lisboa.

Com as duas doses já tomadas, fica agora mais descansada. “Eu também tenho tido muito cuidado e faço tudo à risca, como mandam. Se tenho a oportunidade de ficar em casa, fico em casa”, contou, acrescentando, por outro lado, que não pensou duas vezes quando a chamaram para ser vacinada.

Aos jornalistas, o secretário de Estado, que assistiu ao momento, referiu que o ritmo do processo de vacinação ronda, atualmente, cerca de quatro mil doses por dia.

“Para conseguirmos atingir as mais de 16 milhões de vacinas que queremos dar, obviamente que o ritmo vai ter de ser maior. Isso implica que espaços como este tenham de ser ampliados e vai implicar, certamente, outras respostas”, afirmou, assegurando que a falta de capacidade nunca será um limite.

O único limite, acrescentou Diogo Serras Lopes, é o número ainda insuficiente de vacinas disponíveis e as limitações associadas à vacina da AstraZeneca que, de acordo com a orientação da Direção-Geral da Saúde (DGS), dever ser preferencialmente utilizada para pessoas até aos 65 anos de idade.

“Isto significa que há um escalão etário que tem menos capacidade de ser vacinado, porque não há vacinas suficientes disponíveis”, explicou, afirmando também que essa orientação poderá também ser revista quando houver mais dados sobre a vacina.

Novo centro em Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, inaugurou na sexta-feira o sétimo centro de vacinação contra a covid-19 na cidade, com capacidade para vacinar 190 pessoas por dia.

PUBLICIDADE

O centro inaugurado pelo presidente da Câmara será o sétimo a funcionar na cidade e está localizado no edifício dos Serviços Sociais da CML, nas Olaias.

Com quatro linhas de vacinação, a capacidade de vacinação é de 190 pessoas por dia, “mas o ritmo irá sendo adequado ao crescimento dos grupos etários e às necessidades de expansão do processo de vacinação”, salientou. Segundo Medina, até hoje foram vacinadas nas unidades existentes na cidade cerca de oito mil pessoas.

Para facilitar o acesso dos mais idosos à vacinação, a autarquia da capital está a disponibilizar um serviço de táxi gratuito, que funciona através de chamada telefónica.

O centro é uma organização conjunta ministério da Saúde, através dos Centros de Saúde, Câmara Municipal e Juntas de Freguesia.

  ZAP // Lusa

5 Comments

  1. Faltam, ainda, dezoito meses para os chicos-espertos vacinarem mais nove milhões e meio de portugueses. Assim é que é. Parabéns.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.