Portugal regista 5.286 novos casos e 15 mortes. Internamentos voltam a descer

Portugal registou 5.286 novos casos e 15 mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), Portugal registou, nas últimas 24 horas, 5.286 novos casos positivos de covid-19 e 15 óbitos.

Lisboa e Vale do Tejo é a região que regista mais infeções, com 1.796 novos casos de covid-19, imediatamente seguida pelo Norte, que regista mais 1.600 novas infeções.

Segue-se o Centro (1.315), o Algarve (338), o Alentejo (122), a Madeira (81) e os Açores (34).

Dos 15 óbitos, cinco foram registados no Centro, quatro na região de Lisboa e Vale do Tejo, três no Algarve, dois no Norte e um no Alentejo.

Os internamentos voltaram a registar uma descida nas últimas 24 horas. Há 917 doentes internados no país, menos 19 do que os registados no último boletim, e 138 pessoas em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), mais cinco pessoas em relação a esta terça-feira.

O boletim diário da DGS indica ainda que 3.021 pessoas recuperaram da doença, num total de 1.096.285 recuperados desde o início da pandemia. Portugal tem hoje 62.834 casos ativos, mais 2.250 em relação ao dia anterior, e 82.077 contactos em vigilância.

Em relação à matriz de risco, Portugal encontra-se na zona vermelha. A incidência do SARS-Cov-2 ao nível nacional está nos 438,4 casos por 100.000 habitantes. Se se contar apenas com o Continente, sobe para 442,1 casos/100.000 habitantes.

Já o índice de transmissão R(t) situa-se nos 1,11 a nível nacional e no continente.

Esta terça-feira, a Direção-Geral da Saúde decidiu avançar com a recomendação da vacina contra a covid-19 para crianças entre os 5 e 11 anos, com “prioridade para as crianças com doenças consideradas de risco para covid-19 grave”.

A vacina que vai ser administrada será a da Pfizer, que já foi aprovada para uso pediátrico pela Agência Europeia do Medicamento (EMA).

Recorde-se que, nas últimas semanas, a faixa etária entre os cinco e 11 anos tem registado um elevado número de infeções por covid-19.

Apesar de alguns especialistas considerarem que os riscos da vacina não superam os benefícios no caso dos mais novos, a DGS seguiu a recomendação da Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 (CTVC).

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.