/

Portugal é o país da UE com mais casos por dia por milhão de habitante. Em termos de mortes, fica em 4.º lugar no mundo

5

Giuseppe Lami / EPA

Portugal é o país da União Europeia com a maior média de novos casos de covid-1 por milhão de habitantes. A nível mundial, apenas Israel supera a marca portuguesa neste momento.

Depois de um crescente número de casos diários nas últimas semanas, Portugal tem vindo a escalar rapidamente o ranking de países com a maior média de casos, tendo atingido os lugares do topo neste fim de semana, segundo a Our World in Data.

O número médio de casos em sete dias por um milhão de habitantes em Portugal é de 885,8, número que nos coloca como o segundo país no mundo com maior média de novos casos. Israel, que ocupa a primeira posição, contando em média com 958,3 casos por um milhão de habitantes.

No sábado, Portugal tornou-se, pela primeira vez, no país com maior média de novos casos por milhão de habitantes na Europa, superando a Irlanda, República Checa e Andorra.

Na sexta-feira, 15 de janeiro, foi também o país no mundo inteiro com o maior número de casos por milhão de habitante, ocupando os lugares cimeiros da lista nos últimos dias, superado apenas por Israel e Andorra. No sábado, apenas Andorra, um microestrado com cerca de 75 mil habitantes, superou os números registados em Portugal.

Seguindo a mesma tendência, em termos de mortes devido à covid-19, Portugal fica na 4.ª posição mais alta a nível mundial, com uma média de 14,1 óbitos por milhão de habitantes. Nas três primeiras posições da lista, encontra-se a República Checa (16,5), o Reino Unido (16,3) e a Eslováquia (15,2).

Portugal contabilizou este domingo 152 mortes associadas à covid-19 e 10.385 novos casos diários de infeção pelo novo coronavírus, segundo o mais recente boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O Governo decretou, desde sexta-feira, em novo regime de confinamento geral até 30 de janeiro, para “limitar a propagação da pandemia e proteger a saúde pública”.

O dever geral de recolhimento domiciliário, em que “a regra é ficar em casa”, prevê deslocações autorizadas para comprar bens e serviços essenciais, para trabalhar, para ir à escola, para a prática de atividade física e desportiva ao ar livre ou para participar em ações de campanha eleitoral no âmbito das eleições presidenciais.

  ZAP //

5 Comments

  1. É o que dá as festinhas e as festanças. Agora já devem estar satisfeitos com o lindo serviço q fizeram… Pois agora querem confinamento para andarem a passear como no fim de semana…

  2. É uma questão de hábito! Estamos a ficar vaidosos em sermos os primeiros pela negativa, começa a ser uma questão de cultura, porque será?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.