Ministros de Portugal, Espanha e Itália pedem rendimento mínimo europeu

Manuel de Almeida / Lusa

Ministros dos Governos de Portugal, Espanha e Itália defendem a criação de um sistema de rendimento mínimo europeu, apelando à solidariedade como veículo para minimizar a crise provocada pelo novo coronavírus, covid-19.

A proposta, publicada no Público, é defendida num texto conjunto assinado pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal, ​​​​​​Ana Mendes Godinho, pelo vice-presidente do Governo de Espanha, Ministro dos Direitos Sociais e Agenda 2030, Pablo Iglesias, e pela ministra do Trabalho e Políticas Sociais de Itália, Nunzia Catalfo.

“É necessário assegurar que todas as pessoas tenham garantida a satisfação das suas necessidades básicas. Para isso, precisamos de um sistema comum de rendimento mínimo que permita combater a pobreza e a exclusão social numa perspetiva ambiciosa e integrada”, referem os governantes no artigo com o título “Rumo a um rendimento mínimo europeu”.

Os três subscritores do artigo dizem que a União Europeia carece de um quadro comum de rendimento mínimo, que não esteja limitado a níveis de sobrevivência ou ao rácio de pobreza calculado a partir do rendimento médio europeu, mas que seja antes um quadro juridicamente vinculativo, que permita que todos os Estados membros estabeleçam um rendimento mínimo, adequado e adaptado ao nível e ao modo de vida de cada país.

“Apoiamos a abordagem que tem sido feita desta crise, que assenta no facto de que ninguém fica para trás e que presta particular atenção aos grupos mais vulneráveis. Por isso, apoiamos o estabelecimento de uma iniciativa que permita apoiar a generalização de sistemas de rendimento mínimo dignos e adequados em todos os Estados-membros“, defendem.

Os três ministros frisam que a Europa enfrenta atualmente o “maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial”: combater a pandemia de covid-19, salvando o maior número possível de vidas.

Os impactos sociais e económicos desta crise, escrevem, começam a fazer-se sentir ao nível nacional e europeu, com particular enfoque para o mercado de trabalho, com impactos profundos na vida dos cidadãos.

“Este é o momento para a União Europeia olhar para o futuro e prosseguir o seu programa, tendo em vista a apresentação de um plano de ação para a implementação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais e, assim, lançar um escudo social europeu”, afirmam.

Os três ministros destacam os “grupos mais vulneráveis” e a necessidade de medidas “ambiciosas e corajosas” de solidariedade para evitar o risco de pobreza e exclusão social.

“Atualmente, a Europa tem mais de 113 milhões de pessoas em risco de pobreza e exclusão social e 25 milhões de crianças que vivem abaixo do limiar da pobreza. Torna-se necessário adotar medidas urgentes para evitar o aumento desse número e, ao invés, contribuir para a sua redução”, afirmam.

Para os governantes que assinam o texto, a situação é ampliada pela pandemia de covid-19 e, por isso, exige soluções globais e integradas, para além de todas as medidas nacionais em curso.

“A Europa deve unir-se em torno da solidariedade. É necessária uma resposta europeia coordenada para evitar uma nova crise económica e social como a que vivemos após a crise de 2008”, dizem no texto.

Como enquadramento político e legislativo, o artigo destaca o Pilar Europeu dos Direitos Sociais, aprovado em 2017 pelo Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão Europeia, durante a Cimeira Social que se realizou em Gotemburgo.

No Princípio 14 desse documento, lembram os governantes, refere-se que qualquer pessoa que não disponha de recursos suficientes tem direito a prestações de rendimento mínimo adequadas que lhe garantam um nível de vida digno em todas as fases da vida, bem como a um acesso eficaz a bens e serviços de apoio. Para as pessoas aptas para o trabalho, as prestações de rendimento mínimo devem ser conjugadas com incentivos para (re)integrar o mercado de trabalho.

Os três subscritores, membros dos governos de Lisboa, Madrid e Roma, recordam que “Portugal foi pioneiro a este nível, tendo lançado em 1996 o Rendimento Mínimo Garantido, atualmente designado Rendimento Social de Inserção”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Jamais! Isso cria uma co-dependência e quem paga são os contribuintes. Isto parece o que o candidato Yang (Democrata/Esquerda) nos EUA propunha — já chegou aqui a ideia?

    E quem paga? Sai dos ordenados dos ministros que estão a propor tal façanha?

  2. A menos que esse dinheiro/senhas so pudesse gasto em meia duzia de bens essenciais com produção nos respectivos paises e com cadeia de abastecimento muitissimo curta.

    • LOL…..Joca, isso é discurso da máfia italiana. Paga para que não te aconteça nada.
      Já analisou a estupidez que proferiu?

RESPONDER

Desconfinamento recua em alguns concelhos, e será suspenso noutros. Mas avança no resto do país

O primeiro-ministro, António Costa, fez uma declaração ao país no final da reunião do Conselho de Ministros que aprovou, esta quinta-feira, as medidas para a terceira fase de desconfinamento da pandemia de covid-19. Apesar do Rt …

"Nova era". Turquia manda delegação ao Egito para normalizar relações

Uma delegação turca vai deslocar-se em maio ao Egito para encontros que visarão a "normalização" das relações entre os dois países, degradadas após vários anos de tensão. "Na sequência do convite dirigido pelo Egito à Turquia, …

Estão a chegar poemas às caixas de correio. A ideia é combater a solidão

“Palavras Vizinhas” é um projeto que pretende contribuir para o combate à solidão e desenvolvimento do sentido de comunidade, através da poesia. Os envelopes sem remetente nem destinatário trazem poemas manuscritos lá dentro. Tudo começou quando …

Ministra da Cultura francesa promete reabertura de Notre-Dame em 2024

A catedral de Notre-Dame, em Paris, vai reabrir em 2024, prometeu, esta quarta-feira, a ministra da Cultura francesa, na véspera de se completarem dois anos desde que um incêndio devastou o mundialmente famoso monumento. A promessa …

“É urgente“. Ex-ministros da educação querem abertura das escolas no verão

Os antigos ministros da educação, Maria de Lurdes Rodrigues e Marçal Grilo, defendem a abertura de escolas no verão para responder às dificuldades causadas pela pandemia. Maria de Lurdes Rodrigues e Marçal Grilo concordam que “é …

"Tirámos Trump de lá". Funcionário da CNN admite que canal quis ajudar Biden a vencer eleições

Um funcionário da CNN falou abertamente com um jornalista disfarçado sobre as motivações políticas que a emissora teve durante a eleição presidencial de 2020. A investigação foi divulgada pela Fox News, que relatou que o funcionário …

Cem mil famílias vão receber 1.300 euros para melhorar conforto térmico de casa

Cerca de 100 mil famílias carenciadas vão receber vouchers no valor de 1.300 euros para melhorar a eficiência energética das suas casas. Parte do dinheiro da “bazuca europeia” vai destinar-se a melhorar a eficiência energética. O …

Juventude Popular defende que corrupção deve prescrever apenas ao fim de 20 anos

A Juventude Popular (JP) preparou um conjunto de "propostas contra a corrupção" e defende que crimes como corrupção ativa e passiva devem prescrever ao fim de 20 anos. A Juventude Popular (JP) defende que crimes como …

EUA abrem "a cada 10 horas" uma nova investigação contra a China

O Departamento Federal de Investigação (FBI) dos Estados Unidos tem mais de duas mil investigações abertas relacionadas com o governo chinês e abre uma nova “a cada 10 horas”, disse o diretor da instituição ao …

São Miguel em Alto Risco a partir das 00h00 de sexta-feira

A ilha de São Miguel, nos Açores, entra oficialmente em situação de Alto Risco de contágio a partir da meia noite desta sexta-feira. A ilha de São Miguel, nos Açores, vai passar para o nível de …