Portugal entrou na fase de mitigação. O que significa?

José Sena Goulão / Lusa

Portugal entrou esta quinta-feira na fase de mitigação da pandemia da covid-19 por determinação da Direção-Geral da Saúde (DGS), envolvendo todo o sistema de saúde, público e privado. Mas, na prática, o que significa este estado?

A fase de mitigação corresponde ao nível de alerta e resposta mais elevado. Trata-se da terceira e mais grave fase de resposta à doença covid-19 e é ativada quando há transmissão local, em ambiente fechado, e/ou transmissão comunitária.

A resposta é focada na atenuação dos efeitos da doença e na diminuição da sua propagação, minimizando nomeadamente a mortalidade associada.

Na prática, significa que Portugal deixou de ser capaz de conter a propagação do vírus.

“Estamos na fase 3.2. Temos transmissão comunitária. Não é exuberante nem descontrolada, mas existe”, disse esta quarta-feira a diretora-geral da DGS, Graça Freitas, dando conta que esta é uma mudança de paradigma na forma como se enfrenta a doença e, por isso, é possível que exista alguma “turbulência”.

“Vamos passar das medidas da fase de contenção para as medidas da fase de mitigação. Como em todas as mudanças, a fase de transição pode ter alguma turbulência” porque “não se muda de paradigma assistencial de um dia para outro sem que exista turbulência”.

O Plano Nacional de Preparação e Resposta à Doença à covid-19, divulgado pela DGS, estabelece as “orientações estratégicas necessárias” para enfrentar a pandemia. “Para este efeito, foram desenhados níveis de alerta e reposta para Portugal, integrando evidência técnica e científica, nacional e internacional”, escreve o Público, citando o documento.

Ao todo, as fases de respostas incluem três níveis e seis sub-níveis.

(dr) DGS

Níveis das fases de preparação, resposta e recuperação

Portugal está agora na fase de mitigação, onde já há transmissão comunitária. Depois de ultrapassar esta patamar resta a última fase, a de recuperação, período durante o qual a “atividade da doença decresce em Portugal e no mundo”.

O que muda? Quem é testado?

A preparação dos hospitais e centros de saúde para a covid-19 está definida numa norma que estabelece o modelo de abordagem da pessoa com suspeita de infeção ou com infeção, durante a despistagem, o encaminhamento e o tratamento dos casos.

Nesta fase de mitigação, os doentes ligeiros ficam em casa, os moderados vão aos centros de saúde, os graves, mas não críticos, são encaminhados para os hospitais e os críticos são internados. A partir de agora, centros de saúde e hospitais – privados e públicos – terão de dispor de áreas dedicadas à doença covid-19. Todos recebem doentes.

Nos hospitais com serviços de pediatria, “poderá ser adequado a reorganização dos serviços” para “dedicar unidades exclusivamente ao tratamento de doentes com covid-19 em idade pediátrica, após ser esgotada a capacidade de resposta dos hospitais de referência identificados para o tratamento dos doentes covid-19 em idade pediátrica”.

De acordo com a norma da DGS para a fase de mitigação, fazem testes de despistagem à covid-19 as pessoas com suspeita de infeção, isto é, que apresentam sintomas como febre, tosse persistente ou tosse crónica agravada e dificuldade respiratória.

Basta ter um sintoma e não a combinação de dois ou mais sintoma.

E se não for possível testar todos os suspeitos?

Caso não seja possível testar toda a gente suspeita de covid-19, a DGS definiu uma cadeia prioritária: primeiro, são os doentes com critérios de internamento hospitalar; segundo, os recém-nascidos e as grávidas; terceiro, os profissionais de saúde com sintomas.

Seguem-se os doentes com comorbidades (como asmáticos, insuficientes cardíacos, diabéticos, doentes hepáticos ou renais crónicos, pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica e doentes com cancro) ou pessoas com imunidade mais frágil; e as pessoas em situação de maior vulnerabilidade, como residentes em lares ou que estão em unidades de convalescença. Por último, testam-se as pessoas em contacto próximo com estes doentes.

A pandemia do novo coronavírus matou já pelo menos 20.599 pessoas em todo o mundo desde seu aparecimento em dezembro na China. Mais de 447 mil casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 182 países e territórios desde o início da epidemia.

Entre esses casos, pelo menos 104.300 são considerados curados.

Em Portugal há atualmente 43 mortes, mais 10 do que na terça-feira (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação à véspera. Dos infetados, 276 estão internados, 61 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 2 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril. Além disso, o Governo declarou o estado de calamidade pública para Ovar.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. O vírus comporta-se como os portugueses, muda de estado por decreto governamental.
    Falta aqui algumas fases no quadro apresentado:
    – Estado de pânico generalizado (penso que este já aconteceu, mas não foi relatado)
    – Estado de demência estatal
    – Estado de incompetência governativa
    – Estado de bancarrota das finanças e dos portugueses
    – Estado de sítio
    – Estado ditatorial (está a ocorrer)
    E mais alguns estados que não me ocorrem por ora.

      • O meu estado é muito diferente do seu, não demoro 6 meses para entender, se é que entendeu, e responder a qualquer comentário.
        Sou tolerante e não ataco ninguém se não for atacado.
        Respeito as opiniões de cada um, mesmo que não concorde.
        Desculpe mas anda um pouco desfasado(a) no tempo e na oportunidade…

RESPONDER

Revelada causa da morte de 300 elefantes no Botsuana

O Governo do Botsuana anunciou, esta segunda-feira, que uma cianobactéria foi a causa da misteriosa morte de cerca de 300 elefantes no Botsuana em meados deste ano. A causa da morte dos paquidermes foi determinada após …

Cavani: brasileiros com milhões... mas pessimistas

O Grémio estabelece quatro parcerias para contratar o uruguaio. No entanto, a direção do clube não acredita que Cavani se vai mudar para Porto Alegre. "Na vida, se não conversas, nada sabes. Até pode surgir uma …

Ministério da Saúde indiano sem dados sobre médicos que morreram de covid-19. Associação fala em 382 óbitos

Depois de o Ministério da Saúde indiano ter afirmado esta semana que o não dispõe dos dados sobre os profissionais de saúde que morreram devido à covid-19, a Associação Médica do país publicou uma lista …

Chega apresenta proposta que prevê castração química para pedófilos

O projeto de revisão constitucional do Chega, entregue hoje no parlamento, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a …

Fluminense: as derrotas pós-Evanilson e as quatro ausências de Fred

O reforço do FC Porto deixou a equipa brasileira que, desde essa transferência, contabiliza mais derrotas do que vitórias. A instabilidade de Fred não ajuda. Portugal continua mais atento ao Flamengo do que ao Fluminense, mesmo …

MP suíço pede 28 meses de prisão para presidente do PSG e 3 anos para Valcke

O Ministério Público suíço pediu, esta terça-feira, uma pena de 28 meses de prisão para Nasser Al-Khelaïfi, presidente do Paris Saint-Germain, e de três anos para Jérôme Valcke, antigo número dois da FIFA. Trata-se dos primeiros …

Empresa japonesa cria lâmpada UV inócua para humanos que inativa coronavírus

Uma empresa japonesa desenvolveu uma lâmpada de radiação ultravioleta que inativa o novo coronavírus, recorrendo a um comprimento de onda que um estudo científico diz ser inócuo para os seres humanos. A lâmpada Care 222 foi …

Trump pede à ONU atribuição de sanções à China por ter "ocultado factos relevantes"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, exortou hoje as Nações Unidas a “pedirem responsabilidades à China” pela sua atuação na fase inicial da expansão da pandemia de covid-19. Na sua intervenção durante o debate geral da …

Há um "clima de medo e insatisfação" nas Forças Armadas, diz Associação de Sargentos

O presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Lima Coelho, disse à Rádio Renascença que se vive um "clima de medo e insatisfação nas Forças Armadas", que inclui ameaças, avaliações injustas, demora excessiva das reclamações …

Teletrabalho e questões ambientais são prioridade para o PS no início da sessão legislativa

A líder parlamentar do PS afirma que duas das principais prioridades da sua bancada no início da presente sessão legislativa vão passar pela regulamentação do teletrabalho e pela aprovação de uma lei de bases do …