Portugal desceu na lista dos países que mais vacinam na Europa

José Coelho / Lusa

Portugal ocupa agora o 14.º lugar na lista dos países que mais administraram doses de reforço na União Europeia, com 23% da população inoculada.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Segundo o Público, o primeiro-ministro considera que “temos de assumir que o conjunto da população vai toda necessitar de uma dose de reforço”.

Os dados indicam que 22,87% da população portuguesa já recebeu uma dose de reforço contra a covid-19, e a população por vacinar, com mais de 50 anos, ronda os 2 milhões.

De acordo com o Our World in Data, uma iniciativa da Universidade de Oxford que recolhe os dados de vacinação de todos os países, Portugal ocupava, esta terça-feira, o 14.º lugar na tabela dos países europeus com a maior percentagem de população inoculada com dose de reforço.

Os dados desta iniciativa mostram que o país está 0,27 pontos percentuais abaixo da taxa de vacinação europeia, que já tem uma cobertura de 23,14%.

No topo da lista dos países com maior percentagem de doses de reforço está a Áustria, com 37,47% da população inoculada, seguida da Dinamarca, com 35,06%, e a Malta, com 33,4%.

O país europeu com o valor mais baixo é a Bulgária, que tem apenas 3,28% da população com dose de reforço contra a covid-19.

Os dados da Croácia, Estónia, Países baixos e Roménia não estão contemplados nesta base de dados.

Em termos globais, Portugal é o 25.º país do mundo com a maior taxa de doses de reforço administradas, sendo que a Islândia está a liderar, com 55,24% da população, seguida pelo Chile, com 51,89%, Israel, com 44,82%, e o Reino Unido, com 42,49%.

Portugal chegou a estar no top 10 dos países com a maior percentagem de população com a vacinação primária ou completa, ao longo do ano de 2021.

O primeiro-ministro salientou, esta terça-feira, quando foram anunciadas as novas medidas de contenção de Natal e Ano Novo, que o país tem como objetivo acelerar a campanha de vacinação.

Apesar deste objetivo, os centros de vacinação estarão encerrados três dias no Natal, e dois dias no Ano Novo porque os profissionais de saúde “estão cansados”, nota António Costa.

“Vamos acelerar o processo de vacinação. É preciso ter em conta que no próximo dia 27 faz um ano que se procedeu à aplicação da primeira vacina”, referiu.

“Temos profissionais de saúde (..) cansados pela enorme pressão a que têm sido sujeitos. Precisamos que todos tenham plena capacidade, mas temos de respeitar todos, e todos os profissionais também precisam de ter direito ao Natal e passagem de ano”, justificou o governante.

António Costa afirmou que, até 23 de dezembro, continuará a ser feito “um esforço grande”, explicando que chegou a ser discutido que esse fosse também um dia de pausa, optando o governo para que o processo continuasse nesse dia.

Na mesma conferência de imprensa, o primeiro-ministro revelou também que a Direção-Geral da Saúde (DGS) vai anunciar em breve o calendário de alargamento da vacinação para novas faixas etárias.

Pessoas com mais de 50 anos por vacinar

As autoridades portugueses, segundo dados recolhidos pelo Público, terão de administrar doses de reforço a 2.053.573 portugueses, com 50 ou mais anos.

O relatório de vacinação da DGS relatava que, até esta terça-feira, 86% da população com mais de 80 anos já tinha dose de reforço e 83% entre os 70 e 79 anos.

Já na faixa etária entre os 60 e os 69 anos, 45% da população já tinha esta dose e, entre os 50 e 59, apenas 15%.

Durante a conferência de imprensa relativa às novas medidas da época festiva, o primeiro-ministro referiu que “83,5% da população elegível com mais de 65 anos” já recebeu a dose de reforço contra a covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O valor corresponde à informação que a diretora-geral da Saúde Graça Freitas disse, em entrevista ao Polígrafo SIC, sobre 80 e 85% da população com mais de 65 anos estar vacinada com dose de reforço.

Relativamente a quem recebeu a vacina da Janssen, Graça Freitas acrescentou que 60% já tiveram a dose de reforço administrada.

Na entrevista, a diretora-geral da Saúde refutou também a ideia de que a administração da dose de reforço está “atrasada”, notando que o país está “aquém da capacidade de vacinar”.

Segundo os dados do Our World in Data, Portugal atingiu o pico de capacidade de vacinação em meados de julho, com uma média de 150 mil vacinas por dia. Neste momento, e segundo a mesma fonte, o país estará a administrar uma média de 67 mil doses diárias.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.