/

Portugal com três mortes e 769 novos casos

7

Luís Forra / Lusa

Portugal registou três mortes relacionadas com a doença covid-19 e 769 novos casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, divulgou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Há agora confirmadas um total de 17.029 mortes devido à Covid-19 em Portugal, mais três do que no último boletim epidemiológico emitido hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico, a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que tem mais novos casos confirmados, com 385 dos 769 registados no período em análise.

Relativamente aos internamentos hoje estão menos 10 pessoas em enfermaria, totalizando 254 doentes. Nas unidades de cuidados intensivos estão 52 pacientes, menos um em relação à véspera.

Os dados divulgados pela DGS mostram também que estão ativos mais 378 casos, para um total de 23.343, e que 388 pessoas foram dadas como recuperadas nas últimas 24 horas, o que aumenta o total nacional para 810.659 recuperados.

O valor do R(t) é agora de 1,07 em todo o território nacional, mas mais alto em Portugal continental, onde é de 1,08.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, registaram-se 851.031 casos de infeção, havendo neste momento 23.343 casos ativos. 810.659 pessoas foram dadas como recuperadas, das quais 388 nas últimas 24 horas.

Pandemia já matou mais de 3,69 milhões de pessoas

A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 3.693.717 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias francesa AFP a partir de fontes oficiais.

Mais de 171.584.840 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia. Na quarta-feira, 12.042 novos óbitos e 482.800 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os números são baseados em relatórios diários das autoridades de saúde de cada país até às 11:00 em Lisboa, e excluem revisões posteriores de agências estatísticas, como ocorre na Rússia, Espanha e Reino Unido.

Os países que registaram o maior número de novas mortes nos seus levantamentos mais recentes são a Índia, com 2.887 óbitos, o Brasil (2.507) e os Estados Unidos (597).

Depois dos Estados Unidos, com 595.833 óbitos para 33.307.423 contágios, os países mais afetados são o Brasil com 467.706 mortes e 16.720.081 casos, a Índia com 337.989 mortes (28.441.986 casos), o México com 228.146 mortes (2.423.928 casos) e o Peru com 184.942 mortes (1.965.432 casos).

O Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 561 óbitos por 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (308), Bósnia-Herzegovina (284), República Checa (281), Gibraltar (279) e Macedónia do Norte (261).

Desde o início da pandemia, o número de testes realizados aumentou substancialmente e as técnicas de rastreamento e despistagem melhoraram, levando a um aumento no número dos contágios declarados.

O número de casos diagnosticados, entretanto, reflete apenas uma fração do total real dos contágios, com uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos ainda não detetados.

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde.

  ZAP // Lusa

7 Comments

  1. A situação está a piorar. É engraçado, aumentam as infeções, e há menos internados. Cheira-me a esturro, mas não sou eu que componho a história! 😉

    • Pois cheira… não puxes tanto…
      Eu vou tentar explicar: se as infecções aumentarem na população jovem (e mais saudável) cuja necessidade de internamento é mais baixa, é natural que o número de internados não aumente.

    • Os que eram internados eram os mais velhos, que agora estão todos ou quase todos vacinados. Logo há menos internamentos. Parece-me óbvio.

        • De uma pessoa que rouba/plagia o pseudónimo de outra não se pode esperar grande capacidade de argumentação. Esse tipo de resposta apenas demonstra que não tem qualquer noção daquilo que diz. Passe bem, e já agora, deixe de usar o pseudónimo dos outros utilizadores. Além de ser feio, é efetivamente triste. Passe bem.

  2. Falar destas coisas de saúde, e fazer afirmações sem passar por elas, não está correto, nisto da epidemia já vi muita coisa eu talvez já fui incorreta, o que dizer? nada, já me tocou em casa e até agora tudo bem, não foi assim para outros que eu conheço.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.