/

Pontapé de saída. Diretor do serviço de infecciologia do S. João foi o primeiro a ser vacinado em Portugal

José Coelho / Lusa

Este domingo, foi vacinada contra a covid-19 a primeira pessoa em Portugal. António Sarmento, diretor do serviço de infecciologia do Hospital de São João, marcou o arranque da campanha de vacinação.

Com 65 anos, António Sarmento, diretor do serviço de infecciologia do Hospital de São João, no Porto, deu o pontapé de saída na campanha de vacinação contra a covid-19 em Portugal. A toma foi realizada às 10h no Hospital de São João.

Em declarações aos jornalistas após a toma, o profissional de saúde agradeceu à administração do hospital por lhe ter dado a “honra” de receber a vacina contra a covid-19 e disse estar “tranquilo”.

“Gostaria de dizer que estou absolutamente tranquilo com a vacina, não tão tranquilo com este aparato. Estou confiante, otimista, com esperança”, disse António Sarmento. “O risco não é zero. Mas nenhum risco é zero para nenhum medicamento novo“.

“O deixar-se vacinar tranquilamente é uma forma enorme de ajuda. Se ultrapassarmos isto, evitamos milhares de mortes, quer pela covid-19, quer pela pobreza”, apelou.

Ana Isabel Ribeiro, enfermeira que vacinou António Sarmento, disse que “tem sido o ano mais difícil das nossas carreiras” e que este momento traz “esperança”. “Foram meses muito duros, vimos alguns doentes que não se conseguiram salvar, outros que retomaram as suas vidas”, continuou.

A profissional, que também vai ser vacinada este domingo, afirmou que a vacina contra a covid-19 “oferece segurança” e “dá um novo alento”.

A ministra da Saúde, Marta Temido, sublinhou o “simbolismo” do momento e o “trabalho em equipa” dos profissionais de saúde. “Houve uma capacidade da UE de alocar meios financeiros, congregar esforços no processo de negociação conjunto e também para que a distribuição da vacina acontecesse no mesmo dia. Todos estes factos para dizer que a união nos torna mais fortes e é a única forma de ultrapassarmos as coisas mais difíceis da vida”, disse Marta Temido.

“É muito aquilo que temos de enfrentar, apelo a este sentido de união e de trabalho em conjunto. Se chegámos até aqui foi porque caminhámos juntos, porque a união é a melhor forma de sair desta pandemia”, apelou a ministra da saúde.

Às 10h30, é a vez do Hospital de Coimbra, Hospital de Santa Maria e Hospital Curry Cabral, ambos em Lisboa, começarem também a vacinar. No Hospital de Santo António, no Porto, a primeira vacina será administrada às 11h30.

S. João vacina 2.000 profissionais este domingo

O primeiro lote de 9.750 doses da vacina desenvolvida pela Pfizer-BioNTech – a primeira a ser lançada no mercado, depois de ser autorizada pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) – chegou este sábado e vai ser complementado na segunda-feira com um segundo contingente de 70.200 doses, que se traduz num acumulado de 79.950 doses para o arranque do plano de vacinação, destinado primeiramente a profissionais de saúde.

Os profissionais dos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central são os primeiros a ser vacinados.

O Centro Hospitalar e Universitário de São João, no Porto, anunciou que prevê vacinar este domingo dois mil profissionais. O hospital terá 25 postos de vacinação contra a covid-19 e “uma larga equipa de enfermeiros” dedicada à operação.

Segundo uma fonte do hospital, “o Serviço de Sistemas de Informação criou uma solução específica de convocatória, registo e monitorização do processo, que permitirá ter online dados sobre o desenrolar da operação”. Já os Serviços Farmacêuticos do CHUSJ “funcionarão todo o domingo, preparando as doses a serem administradas, de acordo com o consumo que será realizado em cada posto”.

A operação de vacinação dos profissionais de saúde do Hospital de São João conta com o apoio do Serviço de Saúde Ocupacional para esclarecimento de dúvidas, avaliação de eventuais reações adversas, em articulação com a Unidade de Farmacologia Clínica.

Já ao Serviço de Imunoalergologia caberá “a abordagem a reações alérgicas“, enquanto a equipa da Emergência Intra-Hospitalar terá a missão de monitorizar eventuais “reações graves”.

“Até o voluntariado, no apoio de cafés, chás e bolachas, prestará apoio”, lê-se na mesma informação que especifica que o estacionamento do hospital estará todo o dia aberto aos funcionários, permitindo estacionar gratuitamente as viaturas, enquanto “o Serviço de Comunicação tem montado uma abordagem de sensibilização e informação dos colaboradores”.

Também está prevista a presença de elementos do Agrupamento de Centros de Saúde Porto Ocidental para “apoio nos registos eletrónicos das vacinas”, existindo “reforço da segurança interna, desde o local de preparação na farmácia aos locais de administração das vacinas”.

Bastonário dos Médicos recebe vacina este domingo

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, vai ser vacinado este domingo no Hospital de São João, no Porto. Miguel Guimarães foi convocado pela administração desta unidade hospitalar “pela sua atividade na área da transplantação renal, com estas equipas a serem consideradas prioritárias logo na primeira tranche de vacinas”, segundo um comunicado da Ordem dos Médicos, citado pela Renascença.

Para o bastonário, “este domingo ficará para sempre na história do combate a esta pandemia, que transformou por completo o mundo que conhecíamos e as nossas vidas”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Miguel Guimarães afirma que toma “esta vacina pelos nossos doentes e por todos os profissionais de saúde, para que rapidamente possamos estar a trabalhar em segurança e em pleno, salvando o maior número de vidas possível”.

José Coelho / Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães

O responsável considera a chegada da vacina “um sinal de esperança para todos os portugueses que atravessaram um ano muito difícil e que anseiam recuperar muitas das rotinas que hoje nos estão vedadas”.

“Este arranque de vacinação é sobretudo simbólico e funciona como uma primeira pedra de uma grande empreitada. Vamos começar a base de um edifício imunitário, mas até termos o telhado completo não podemos descansar. Temos de continuar a ser resilientes nas medidas que já conhecemos – máscara, distanciamento físico, higiene das mãos e etiqueta respiratória”, sublinhou.

De acordo com a portaria que criou o plano nacional de vacinação contra a covid-19, publicada na quarta-feira em Diário da República, a Direção-Geral da Saúde (DGS) tem a responsabilidade de executar o plano, que prevê vacinar até abril cerca de 950 mil pessoas dos grupos prioritários: pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas, utentes e trabalhadores de lares e profissionais de saúde e de serviços essenciais.

A primeira fase de vacinação, entre este domingo e o final de março de 2021, tem prevista a chegada de 1,2 milhões de doses da vacina que é facultativa, gratuita e universal, sendo assegurada pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

  Maria Campo, ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE